Cidadania

Receita de fintech africana em 2025 será de US$ 30 bilhões, diz McKinsey – Quartz Africa

Qual é o tamanho do mercado de serviços financeiros na África em termos de dólares?

É uma das perguntas mais frequentes quando os investidores avaliam o potencial de uma fintech africana. Em 2020, o valor foi de cerca de US$ 150 bilhões, impulsionado por empréstimos de seguros, varejo e PMEs, diz um relatório da McKinsey and Company divulgado esta semana. “Este mercado provavelmente crescerá 10% ao ano para atingir aproximadamente US$ 230 bilhões até 2025”, diz o relatório. Blockchain, pagamentos e carteiras são considerados os setores de serviços financeiros que podem crescer mais rapidamente.

O contexto do relatório e o fascínio geral pela fintech na África é que ela é a indústria de tecnologia mais financiada. No ano passado, a fintech recebeu mais da metade dos investimentos de capital de risco em startups africanas. As startups mais valiosas do continente (Flutterwave, OPay, Chipper Cash) são cada vez mais empresas multinacionais que atendem milhares de empresas e indivíduos.

Essas startups nativas digitais estão conquistando mais clientes entre pessoas de baixa renda para casos de uso diário, como compra de tempo de antena, transferência de fundos e pagamento de contas, virando a maré de anos em que os africanos eram mal atendidos pelos modos de prestação de serviços.

Desafios para o crescimento das fintechs na África

Dito isto, o dinheiro ainda domina 90% das transações na África. Embora isso sugira uma grande oportunidade para a fintech gerar potencialmente US$ 30 bilhões em receita até 2025 (entre US$ 4,5 bilhões e US$ 6 bilhões em 2020), fechar essa lacuna não será uma tarefa fácil, pois há desafios a serem superados.

Um desses desafios é o caminho para escala e lucratividade. As startups de fintech estão “lutando para monetizar sua base de clientes, pois, tendo usado preços baixos ou serviços gratuitos para atrair clientes, estão descobrindo que a repetibilidade de sua receita é limitada”, disse o relatório, citando informações da Internet na África em cerca de 50 %. Apenas Egito, Gana e Nigéria têm a infraestrutura de pagamento em tempo real necessária para expandir os serviços de fintech.

A gestão de diferentes regulamentações nacionais e o estabelecimento de práticas maduras de governança corporativa são questões que se tornaram mais visíveis este ano. O destaque até agora são os problemas da Flutterwave no Quênia e Gana, bem como sua liderança sob intenso escrutínio por uma série de supostos abusos. Ainda ontem, foi relatado que o CEO de uma fintech nigeriana, Risevest, renunciou para permitir uma investigação sobre alegações de impropriedade sexual feitas contra ele.

Onde estão as oportunidades de crescimento para as fintechs africanas?

Gerenciar a escassez, incluindo talentos com Big Tech à espreita, é o outro desafio. No entanto, as startups de fintech que desejam liderar em seus mercados podem seguir um manual emergente baseado em seis ações, diz a McKinsey, sendo as duas primeiras a capacidade de adaptar o produto às necessidades do mercado e, consequentemente, construir uma grande base de usuários ativos rapidamente.

O financiamento das fintechs africanas tende a se concentrar em quatro países: Nigéria, Quênia, África do Sul e Egito. Mas sete outros mercados mostram fortes oportunidades de crescimento para fintech, nomeadamente Camarões, Costa do Marfim, Gana, Marrocos, Senegal, Tanzânia e Uganda.

O crescimento das fintechs de Gana é estimado em 15% ao ano, embora não esteja claro como seus atuais problemas de inflação influenciarão essa expectativa. Na África Ocidental francófona, onde a startup de dinheiro móvel Wave se tornou um unicórnio no ano passado, a fintech pode crescer 13%, enquanto a estimativa da McKinsey para Nigéria e Egito é de 12%.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo