Cidadania

Protestos em Hong Kong marcam a nova normalidade da cidade – Quartzo


Depois de seis meses de luta nas ruas de Hong Kong, uma coisa é clara: o ato de protestar não é mais circunscrito pelos rituais de manifestações de rua em larga escala, manifestações em praças públicas ou queda de bombas de gasolina.

Agora também é uma maneira de ser e de pensar que envolveu toda a cidade. Um compromisso inabalável com a unidade sustenta a resistência do movimento, que é fortalecido, não enfraquecido, devido à falta de liderança.

Exemplos de resistência cotidiana são abundantes. Os funcionários do escritório usam seus intervalos para almoçar em reuniões instantâneas e escrevem cartões de Natal para os manifestantes detidos. Muitos evitam pegar o metrô, uma vez que se considera que o sistema de metrô foi cooptado pelo Partido Comunista Chinês. Os clientes e clientes se referem aos mapas com código de cores em seus smartphones para decidir onde gastar seu dinheiro: estabelecimentos marcados em amarelo apóiam protestos, enquanto os marcados em azul são considerados mais do lado da polícia.

Por um tempo, parecia que as coisas haviam se acalmado. Após algumas semanas particularmente violentas em novembro, onde a polícia cercou duas universidades, o campo da oposição obteve uma vitória ensurdecedora nas eleições distritais locais. Isso deu às pessoas não apenas tempo para se recuperar e se reagrupar, mas também um forte mandato para refutar a propaganda do governo de que uma "maioria silenciosa" na cidade despreza protestos.

Mas este feriado apresentou um lembrete de que a violência pode explodir a qualquer hora, em qualquer lugar, no ambiente das panelas de pressão de Hong Kong. Na véspera de Natal e no dia de Natal, os manifestantes foram a shopping centers e ruas movimentadas, onde encontraram a família granada de gás lacrimogêneo e balas de borracha da polícia.

Tudo isso faz parte do que alguns observadores veem como um movimento para forjar uma identidade coletiva de Hong Kong definida por valores, resistência ao autoritarismo da China e dor compartilhada. Muitos estudam exemplos de lugares como Polônia, Taiwan e Coréia do Sul, cujos próprios movimentos contra o governo ditatorial duraram décadas.

Os "protestos de 2019" podem estar chegando ao fim, mas algo muito mais arraigado e profundo os substituirá nos próximos anos.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar