Cidadania

Nike removerá aplicativo Run Club na China continental: Quartz

A Nike anunciou que suspenderá seu popular Nike Run Club na China continental a partir de julho, tornando-se a mais recente marca dos EUA a suspender alguns de seus serviços no país.

Em uma notificação hoje, o aplicativo run club, que tem cerca de 8 milhões de usuários no país segundo a Reuters, disse que deixará de atender e operar a partir de 8 de julho devido a um “ajuste de negócios”, informando que o serviço de exportação de dados está disponível. “Obrigado por cada corrida conosco!” disse o aplicativo no anúncio, sem fundamentar a decisão. Em comunicado à Reuters, a empresa disse que planeja fornecer aos corretores na China uma “solução digital aprimorada e localizada”. “Estamos criando um ecossistema da China para a China, atendendo especificamente às necessidades exclusivas dos consumidores da região para melhor atender os atletas”, disse um porta-voz da empresa ao canal. A empresa não respondeu imediatamente ao pedido de comentário da Quartz.

O episódio ocorre quando várias marcas americanas estão se retirando do mercado chinês em meio às rígidas regras de proteção de dados do país e às relações cada vez mais tensas entre a China e o mundo ocidental. Na semana passada, a Amazon anunciou que fechará sua loja de e-books Kindle na China em julho de 2023, e a empresa parou de fornecer dispositivos Kindle para varejistas. A empresa não deu uma razão para a decisão, mas disse que seus outros negócios existentes na China não serão afetados. Na mesma época, o Airbnb anunciou que removerá todos os anúncios na China para se concentrar no atendimento a viajantes chineses que viajam para o exterior, citando os custos incorridos pela covid-19, que levou a grandes bloqueios no país.

Um muro crescente entre as operações chinesas e estrangeiras das empresas

Como os consumidores chineses veem a concorrência local acirrada Como uma das principais razões para a retirada das empresas, as leis de dados da China são frequentemente citadas como outro possível fator que levou a tais movimentos. A Lei de Proteção de Informações Pessoais da China, que entrou em vigor em novembro do ano passado, por exemplo, exige que processadores de informações pessoais que incluam empresas atendam a um dos quatro principais requisitos de conformidade, incluindo ter um contrato com o destinatário de dados de saída (na prática, muitas vezes de propriedade ou de terceiros -empresas do partido) antes de transferi-lo para fora da China. Analistas argumentam que isso significa que as empresas precisam construir uma infraestrutura de TI na China que seja separada de suas operações globais para cumprir os regulamentos.

Algumas empresas parecem ter dado passos nessa direção. No ano passado, o LinkedIn encerrou seu serviço local na China, citando “um ambiente operacional significativamente mais desafiador” e o aumento dos requisitos de conformidade no país. A empresa lançou então o InJobs, um serviço personalizado de candidatura a emprego freelance para usuários no país.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo