Cidadania

Por que as fintechs locais na Etiópia estão preocupadas — Quartz Africa

Quando o primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed assumiu o cargo em 2018, o movimento de seu governo para liberalizar setores que estavam fechados há mais de um século foi inicialmente recebido com otimismo.

Um dos maiores movimentos foi acabar com o monopólio do setor de telecomunicações, que viu a gigante de telecomunicações queniana Safaricom conceder a primeira licença privada de telecomunicações da Etiópia por impressionantes US$ 850 milhões no ano passado.

Agora o foco mudou para a próxima agenda: a liberalização do setor financeiro, particularmente para fintech. Embora a liberalização do setor de telecomunicações tenha sido bem recebida e elogiada como a medida certa, a abertura do cenário de fintech para superpotências globais traz algumas preocupações, notadamente prazos agressivos, apesar dos atrasos burocráticos que assolam as fintechs locais, que, idealmente, tiveram uma vantagem inicial.

O regulador financeiro do país, o Banco Nacional da Etiópia, está alterando uma lei de sistema de pagamento de uma década, permitindo que investidores estrangeiros, pela primeira vez, estabeleçam negócios na Etiópia como provedores de serviços financeiros digitais.

História da fintech na Etiópia

O setor de fintech na Etiópia não estava apenas fechado para empresas estrangeiras, mas também para empresas locais. Até recentemente, as fintechs eram proibidas de fornecer serviços financeiros digitais (DFS) por conta própria e tinham que se associar a instituições financeiras como provedoras de sistemas, restringindo seu crescimento.

Essa proibição terminou em 2020 com a introdução de duas leis que abriram o setor. Isso significava que as fintechs agora podiam operar de forma independente e muitas startups foram rápidas em tentar aproveitar a oportunidade.

O maior problema da Etiópia não é a concorrência estrangeira, mas a posição dominante dos bancos estatais e sua capacidade de distorcer o mercado.

Muita esperança foi colocada neste desenvolvimento para rejuvenescer a economia digital da Etiópia. Da falta de interoperabilidade adequada às plataformas de comércio eletrônico que dependem de transações em dinheiro devido à complexidade dos gateways de pagamento digital e ofertas limitadas de produtos fintech. As fintechs locais tinham muito trabalho pela frente.

Em poucos meses de desenvolvimento, algumas startups estavam levantando milhões de dólares em financiamento e solicitando licenças para iniciar as operações. Autoridades governamentais de alto escalão visitaram os escritórios dessas startups, enquanto seus fundadores receberam um lugar de destaque na jornada tecnológica do país.

Bereket Tadesse, gerente geral da Asbeza, uma empresa de entrega de supermercado, entende a razão por trás do hype.

“É difícil dizer que existe um pagamento totalmente online [platform] na Etiópia”, diz Bereket ao Quartz.

As plataformas de comércio eletrônico na Etiópia enfrentam dois problemas principais de pagamento. Embora existam muitas outras opções de pagamento, quase nenhuma processa pagamentos digitais do início ao fim e exige uma tediosa ida e volta entre as plataformas. A incapacidade de lidar com reembolsos é o outro problema. Atualmente, os reembolsos são tratados manualmente.

Enquanto isso, a restrição às fintechs estrangeiras permaneceu a mesma, embora os pioneiros dos produtos de dinheiro móvel na Etiópia tenham sido desenvolvidos por empresas estrangeiras como Moss ICT (proprietária da M-birr) e Belcash (proprietária da Hellocash).

Essas empresas, apesar de seu grande papel, permaneceram como fornecedoras de tecnologia e foram forçadas a jogar um jogo de espera.

Mudança de endereço para dinheiro móvel na Etiópia

Há mais de um ano, a plataforma de dinheiro móvel da Ethio Telecom, Telebirr, tornou-se a primeira plataforma de fintech na Etiópia que não pertence a uma instituição financeira. No entanto, durante o lançamento do Telebirr, houve uma surpresa em que o primeiro-ministro Abiy prometeu abrir o setor de fintech para players globais dentro de um ano.

O governo havia adiado a concessão de licenças de dinheiro móvel para empresas de telecomunicações estrangeiras durante a oferta, mas depois mudou de ideia.

Embora isso pareça uma decisão voltada principalmente para a entrada do M-Pesa da Safaricom na Etiópia, também abrirá possibilidades para muitos outros gigantes.

Há alguns meses, especialistas do Banco Nacional da Etiópia começaram a alterar as leis de acordo com o cronograma prometido. Os funcionários da Safaricom já estão trabalhando na incorporação de seu produto de dinheiro móvel. Outros também mostraram interesse antes do tempo.

Fim de uma era passageira para startups locais

Embora a proclamação ainda não tenha entrado em vigor, chocou as startups locais que dizem que a entrada de investimento estrangeiro matará o potencial local. Investidores estrangeiros e especialistas do setor, no entanto, acreditam que se trata de uma grande oportunidade para a digitalização do país.

Embora as empresas locais de multas fossem livres para obter uma licença de fintech há dois anos, apenas quatro receberam licenças devido ao lento processo de revisão do Banco Nacional da Etiópia, segundo observadores do setor. Além disso, todos eles estão em fase de testes e ainda não lançaram totalmente seus serviços. Sua suposta vantagem não lhes deu muita vantagem.

Os proprietários e fundadores de fintechs locais argumentam que não tiveram tempo suficiente para testar e dimensionar produtos. Os gerentes de algumas fintechs locais expressaram preocupação de que o processo de liberalização seja adiado pelo menos três anos. Até então, apenas o mercado de dinheiro móvel deve ser aberto, que eles assumem como maduro.

“A questão de proteger os negócios locais é sempre uma preocupação, no entanto, o objetivo da liberalização é criar concorrência, e o objetivo da concorrência é que as empresas mais fortes sobrevivam porque criam maior valor para os consumidores como resultado de melhores produtos, serviços e operações. etc. Nem todas as empresas locais sobreviverão, mas nem todas as empresas estrangeiras”, diz Richard Ketley, sócio-gerente e diretor de Estratégia de Serviços Financeiros da Genesis Analytics, uma empresa de consultoria.

De acordo com Fikresillassie Zewdu, vice-presidente de agências e banco digital do Ethiopian Commercial Bank, o desafio para as empresas locais virá na forma de tecnologia e mão de obra qualificada.

“Precisamos treinar nosso pessoal e investir em tecnologia rapidamente”, diz ele.

Batalha dos gigantes das telecomunicações

A Ethiotelecom, uma operadora de telecomunicações estatal, lançou o Telebirr, o primeiro serviço de dinheiro móvel de telecomunicações da Etiópia em maio do ano passado. Seu lançamento foi visto como um movimento estratégico para a gigante das telecomunicações que sabia que mais cedo ou mais tarde teria que competir com o M-Pesa da Safaricom.

Em um ano, a plataforma tem 19 milhões de clientes (cerca de um terço de seus clientes de telecomunicações) e integrou muitas opções de pagamento de e-commerce e serviços públicos.

Embora a única operadora de telecomunicações do país tenha a vantagem do pioneirismo, a concorrência que surgirá do M-Pesa não será algo a ser esquecido, pois, por si só, o M-Pesa é uma força a ser reconhecida.

M-Pesa tem mais 51 milhões de clientes em 7 países, dos quais 30 milhões estão no Quênia. Mais de US$ 300 bilhões em transações são facilitadas anualmente por meio de sua ampla gama de produtos financeiros para indivíduos e empresas.

Vendo seu papel fundamental na revolução do pagamento móvel na África, as empresas locais não podem deixar de se preocupar também. Não apenas sua mega presença, mas também o forte poder financeiro por trás disso é motivo de preocupação.

A batalha também está aberta para os gigantes regionais. Acredita-se que muitos prestadores de serviços pan-africanos estão de olho no mercado etíope. Grandes gigantes africanos como Flutterwave, Opay e Paga estão entre os que devem mostrar interesse.

A Paga já abriu uma filial na Etiópia e buscará uma licença assim que as leis forem aprovadas. Falando à mídia local, o CEO da Paga Etiópia disse que irá em frente para obter uma licença.

Pay, Flutterwave e muitas outras grandes fintechs oferecem sistemas de pagamento.

A batalha será na área de sistemas de pagamento em vez de dinheiro móvel. O espaço do dinheiro móvel já está ocupado, diz um especialista familiarizado com o processo de liberalização.

Alguns, no entanto, estão esperançosos de que o mercado irá agradar a muitos jogadores.

“Esperamos mais players no mercado onde as operadoras de telecomunicações e fintech desempenham um papel vital no tratamento dos não bancarizados e não bancarizados por meio de soluções de pontuação de crédito, microcrédito, microfinanças, operação de concessão”, diz Abebe Mulu, COO da E-birr, uma das plataformas de dinheiro móvel que trabalham principalmente com o Banco Cooperativo de Oromia.

Embora as fintechs ainda estejam testando as águas, as instituições financeiras tiveram a oportunidade de escalar o tempo todo.

O maior produto de dinheiro móvel de uma instituição financeira é novamente propriedade de uma empresa estatal, o Banco Comercial da Etiópia, com mais de seis milhões de usuários.

“Em todos os mercados que foram completamente abertos à concorrência, continuamos a encontrar uma mistura de empresas nacionais e internacionais que encontram diferentes pontos fortes e oportunidades. O maior problema na Etiópia não é a concorrência estrangeira, mas a posição dominante dos bancos estatais e sua capacidade de distorcer o mercado”, diz Ketley.

Desafios futuros para as fintechs etíopes

Apesar das vantagens percebidas e visíveis que os investidores estrangeiros têm sobre as fintechs locais, o mercado também apresenta desafios únicos além dos compartilhados.

A infância do mercado etíope é uma faca de dois gumes. Por um lado, parece um mercado frutífero, onde há muito espaço para inovação. Por outro lado, as fintechs terão o desafio de convencer os clientes a se tornarem digitais.

Durante o último ano, quase todos os problemas tecnológicos foram resolvidos por players locais. O problema atual é a adoção, diz Dawit Abraham, CEO da Qene Games, uma empresa de desenvolvimento de jogos.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo