Cidadania

David Yanofsky ganhou outro processo FOIA por dados de viagens pagas – Quartz

Estou em uma disputa de vários anos com o Departamento de Comércio dos EUA sobre os direitos dos jornalistas de acessar informações detalhadas sobre viajantes para os EUA em 2016, processei. Em 2018, eu ganhei. Para 2019, o governo não me forneceu os dados que solicitei. Eu processei novamente. E agora, em 2022, após atrasos causados ​​por vagas judiciais e covid, venci, novamente.

Em um movimento incomum para um caso federal, a juíza Florence Pan decidiu de seu banco no Tribunal Distrital de DC durante a audiência de 24 de maio.

“A Corte considerou a lei e os fatos antes dela, e o Departamento de Comércio está simplesmente pedindo um resultado diferente com base na mesma lei e nos mesmos fatos”, disse ele. “Acho que o registro é claro o suficiente para que o Departamento de Comércio tenha os registros que o demandante está solicitando e deve publicá-los.”

Os dados mais detalhados dos EUA sobre viagens internacionais

As bases de dados que procuro são mantidas pelo departamento de comércio da International Trade Administration (ITA). Eles contam os visitantes dos EUA por origem, idade, residência, porto de entrada, tipo de visto e destino inicial. Além de poder confirmar resumos regulares do governo, os dados podem fornecer informações sobre tendências de viagens ou avaliar o impacto das restrições governamentais, seja com base em preconceito religioso ou em qualquer tipo de mitigação de surtos de doenças.

O ITA cobra por cópias dos dados, mas como minha primeira demanda confirmou, tenho direito a recebê-los gratuitamente como jornalista.

O que o governo alegou sobre dados de pagamento

Advogados do Departamento de Comércio declararam:

  • Que a informação que procuro não é realmente do departamento para liberar sob a Lei de Liberdade de Informação (FOIA), pois os dados se originaram na Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CBP).
  • Que os dados que registram voos individuais de e para os EUA não foram “anonimizados”, embora não contenham informações de identificação pessoal, e
  • Que um suposto acordo entre o CBP e o Commerce impediu o Commerce de divulgar os dados

Pan não estava acreditando. “Só porque duas agências concordam com os termos de divulgação de certas informações, essas agências não têm poderes para determinar o que é ou não exigido pela FOIA.”

A sentença do juiz Pan

O governo agora tem até 25 de julho para recorrer da decisão ou até o dia seguinte para entregar os dados.

A transcrição completa da audiência está abaixo, a decisão do Pan começa na página 56. Advogados do Comitê de Repórteres pela Liberdade de Imprensa estão me representando pro bono.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo