Cidadania

Como cerveja, política e identidade namibiana se alinham – Quartz Africa

[ad_1]

Uma história concisa da indústria da cerveja na Namíbia pelo estudioso de história Tycho Van der Hoog começa com a observação concisa do cantor e compositor americano Frank Zappa de que toda nação que se preze precisa de uma companhia aérea e de sua própria cerveja.

Acontece que o primeiro não é mais verdadeiro, enquanto a cerveja continua a ser um marcador de identidades nacionais e, nesse caso, subnacionais.

Hoje a indústria cervejeira é considerada uma fonte de orgulho nacional na Namíbia. Windhoek Lager não só conquistou o mercado doméstico, mas fez avanços substanciais ao sul da fronteira, onde as cervejarias sul-africanas mantiveram um monopólio de fato por décadas.

Esta é uma história, contada com amor, de um sucesso improvável construído sobre os alicerces mais frágeis. As primeiras seções de Cervejarias, política e identidade: a história por trás da cerveja namibiana são, na verdade, uma cuidadosa reunião de bits de informação sobre uma série de operações que eram muito pequenas e deixavam poucos vestígios.

A história

As cervejarias nascentes dependiam do consumo de um número muito pequeno de alemães que permaneceram no então conhecido como Sudoeste da África após a assinatura do Tratado de Versalhes em 1919, em virtude do qual a Alemanha finalmente admitiu a perda do território. O território fez parte do Império Alemão de 1884 a 1915, quando foi invadido pela África do Sul.

A primeira cervejaria local foi fundada em 1900. Van der Hoog traça a feroz rivalidade entre as cervejarias no “triângulo da cerveja”, que consiste em Windhoek, Swakopmund e Omaruru. Essa rivalidade culminou na fusão final que formou a South West Breweries em 1920, a empresa que acabou assumindo o nome atual de Namibia Breweries Limited.

O principal rival da South West Breweries desde meados da década de 1920 era a Hansa Brewery. Essas duas empresas passaram por altos e baixos nas décadas seguintes. Durante a Segunda Guerra Mundial, as cervejarias foram suspeitas de ter simpatias pró-nazistas e foram submetidas a um escrutínio rigoroso. O autor oferece um breve mas fascinante relato dos subterfúgios necessários para adquirir lúpulo alemão, cuja distribuição foi encaminhada para países terceiros.

A seção mais satisfatória do livro investiga a relação entre a South West Breweries e a South African Breweries. Van der Hoog observa que a empresa sul-africana adquiriu inicialmente uma participação na South West Breweries (que adquiriu a Hansa Breweries em 1967) e adquiriu o direito de fabricar e vender a Hansa Pilsner sob licença na África do Sul. Quando as duas empresas se separaram, a South African Breweries manteve o uso dessa marca para o mercado sul-africano.

O autor traça uma longa história de suspeitas e, eventualmente, uma guerra aberta entre a cervejaria namibiana e seu vizinho sul-africano muito maior.

Reuters / Siphiwe Sibeko

O edifício do parlamento namibiano é visto em Windhoek.

Realidades do governo sul-africano

A história pós-1919 está entrelaçada com as realidades do governo sul-africano, inicialmente sob um mandato da Liga das Nações de 1919 a 1945 e mais tarde sob ocupação em desafio às Nações Unidas. Em 1920, foi imposta a proibição da venda de álcool a africanos. Isso estava de acordo com os termos do mandato e possivelmente era mais restritivo do que na própria África do Sul.

Isso mudou com a aprovação da Lei de Bebidas Alcoólicas de 1928, que fortaleceu a proibição racializada na África do Sul, após a qual as leis de bebidas alcoólicas parecem ter convergido. No modelo de controle sul-africano, os municípios abriram cervejarias que distribuíam uma imitação da “cerveja indígena”, cujos lucros financiavam o governo.

Em ambos os países, a fabricação ilegal de cerveja e shebeens proliferaram na década de 1950. Isso levou ao abandono da legislação racialmente exclusiva sobre bebidas alcoólicas na década seguinte. Isso aconteceu na Namíbia em 1969, sete anos depois do sul da fronteira.

Van der Hoog mostra que a escalada das guerras de libertação no subcontinente teve um grande impacto na indústria da cerveja. O norte da Namíbia, particularmente Ovamboland, foi tratado como uma reserva de mão-de-obra da África do Sul e foi isolado do resto do território. Aliás, ali não se podia vender cerveja, mas o autor indica que existia um comércio animado de cerveja contrabandeada de Angola. A guerra civil que acompanhou a retirada desordenada dos portugueses teve um impacto no comércio transfronteiriço em meados da década de 1970.

Soldados sul-africanos, que apoiaram um dos lados na guerra em Angola a partir de bases na fronteira norte, criaram uma demanda pela cerveja sul-africana. Mas também houve uma oportunidade para a South West Breweries vender sua cerveja em Ovamboland pela primeira vez.

Curiosamente, Van der Hoog também revela que mudanças na fabricação de cerveja foram feitas em 1986 para diferenciar os produtos da empresa daqueles das cervejarias sul-africanas. Com um menor teor de álcool, a cerveja namibiana incorreu em impostos especiais de consumo mais baixos na África do Sul.

Políticas de identidade

A política de identidade em torno da cerveja namibiana foi estabelecida logo depois. O autor aponta para a elisão da cerveja como uma reserva de língua alemã branca para a encarnação da nação namibiana recentemente independente após 1990. Apesar de uma relação difícil, o autor observa que uma vez no poder, a Organização do Povo do Sudoeste Africano, que liderou a guerra contra a ocupação sul-africana e assumiu o governo do país após a independência, impediu repetidamente as cervejarias sul-africanas de estabelecerem uma cervejaria na Namíbia para protegê-la. Essa decisão foi revertida em 2015.

Ao mesmo tempo, a Namibia Breweries Limited conseguiu fazer avanços significativos no mercado sul-africano. A criação de uma cervejaria na África do Sul, em conjunto com a Heineken, colocou a cervejaria namibiana em uma luta regional pelo domínio de alguns dos maiores players corporativos do mercado de álcool.

O livro é baseado em uma ampla gama de fontes de arquivo e entrevistas e é acompanhado por fotografias fascinantes e exemplos de material publicitário. A escrita é subestimada e não pretende fazer grandes declarações, mesmo no que diz respeito à identidade. É também muito mais sobre a história da fabricação de cerveja da Namíbia do que sobre o consumo da cerveja em si.

Dada a riqueza do material, é uma monografia que se pode ter desenvolvido em muitas direções diferentes. O autor definiu um marco que, esperançosamente, ele ou outra pessoa seguirá no futuro.

Uma versão anterior deste artigo apareceu no Journal of Wine Economics.

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Cadastre-se no Comparativo semanal do Quartz Africa aqui para receber notícias e análises sobre negócios, tecnologia e inovação na África entregues em sua caixa de entrada.

[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo