Cidadania

As refinarias de petróleo ilegais da Nigéria continuam a matar pessoas — Quartz Africa

Pelo menos 100 pessoas morreram em uma explosão em 24 de abril em uma refinaria de petróleo ilegal na Nigéria. O local da explosão foi a floresta Abaezi em uma comunidade fronteiriça entre Imo e Rivers, dois estados da região sudeste do país.

É a segunda explosão de refinaria ilegal fatal na Nigéria em seis meses. Em outubro passado, 25 pessoas morreram em um local diferente no estado de Rivers.

O presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, chamou o evento de domingo de “catástrofe e desastre nacional” e ordenou que suas agências de segurança “intensifiquem a repressão” às operações ilegais, de acordo com o comunicado. uma declaração pelo seu porta-voz oficial.

A preocupação para a Nigéria é que a região produtora de petróleo do Delta do Níger, que alimenta a economia de US$ 400 bilhões do país, esteja repleta de locais ilegais semelhantes aos que causaram explosões recentes.

Como funciona o refino ilegal de petróleo na Nigéria

Refinarias de petróleo regulares, como o projeto de US$ 19 bilhões que está sendo construído pelo homem mais rico da África, Aliko Dangote, têm uma rede sofisticada de tubos e tanques dentro de uma usina cuidadosamente projetada. Mas o refino ilegal ocorre em matas ou florestas transformadas em terrenos baldios de aparência distópica.

Em essência, o processo envolve roubar petróleo bruto de oleodutos de empresas internacionais de petróleo como a Shell e canalizar o produto para tanques onde é fervido em altas temperaturas. O roubo é frequentemente chamado de fornecimento de petróleo na Nigéria. Na maioria das vezes, paga às refinarias que roubam cerca de 200.000 barris dos 1,5 milhão de barris de petróleo bruto que a Nigéria produz por dia, de acordo com uma estimativa do ano passado da estatal petrolífera.

Mas o refino de petróleo é um processo muito perigoso porque os extratos são altamente inflamáveis. Minutos após o início, o incêndio pode deixar um grande número de corpos carbonizados, veículos queimados e objetos pessoais abandonados, como foi o caso em Abaezi, segundo a Reuters.

O que a Nigéria está fazendo para parar o refino ilegal?

Desemprego e pobreza são duas razões pelas quais o roubo de petróleo e o refino ilegal persistem hoje no Delta do Níger, na Nigéria. Mas a prática também está ligada ao descontentamento de longa data dos habitantes locais com as companhias petrolíferas internacionais que extraem recursos naturais para a riqueza sem investir nas comunidades, causando poluição devastadora.

Dito isto, as operações custam vidas e rendimentos à Nigéria, o maior exportador de petróleo de África. Em 2019, uma auditoria de agência governamental mostrou que o país perdeu mais de 40 milhões de barris avaliados em US$ 2,77 bilhões. A Chatham House, o think tank do Reino Unido, certa vez descreveu o roubo de petróleo na Nigéria como “uma espécie de crime organizado” operando em escala industrial.

Alguns esforços foram feitos para combater a ameaça. Uma repressão supostamente começou em janeiro deste ano, levando à destruição de 128 dos 142 locais de refino ilegais no estado de Rivers. Mas o aumento de mortes nesta semana sugere que as autoridades precisam agir com mais urgência para resolver as razões imediatas e históricas da existência das refinarias.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo