Cidadania

Drones atacam a maior refinaria de petróleo do mundo na Arábia Saudita – Quartzo


Os rebeldes houthis do Iêmen, aliados do Irã, assumiram a responsabilidade por um ataque com drones armados hoje (14 de setembro) na refinaria de Abqaiq, na Saudi Aramco, a maior instalação de processamento de petróleo do mundo. Os rebeldes também atacaram o campo de petróleo de Khurais, um importante local operado pela Saudi Aramco. Ambos os ataques causaram incêndios maciços que podiam ser vistos do espaço sideral.

Visão Mundial da NASA via AP

Uma vista do espaço de incêndio na refinaria de petróleo de Abqaiq, na Saudi Aramco.

Os dois locais constituem elos cruciais na cadeia de suprimento de energia do mundo. Três fontes disseram à Reuters que os ataques interromperam a produção e a capacidade de exportação de petróleo, com uma redução estimada em aproximadamente 5 milhões de barris de petróleo por dia, aproximadamente 50% da produção do reino e aproximadamente 5% da oferta global Não houve relatos de vítimas. O Ministério do Interior saudita disse que os incêndios em ambos os lugares foram contidos.

Porta-voz das forças armadas houthis Brig. O general Yahya Sare disse em comunicado na televisão que os ataques foram respostas legítimas aos ataques sauditas apoiados pelos EUA, que a mídia liderada por houthis descreveu como "crimes de guerra". Sare disse que a operação seguiu uma operação de inteligência bem-sucedida, com mais ajuda de colaboradores não identificados na Arábia Saudita.

No entanto, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou os ataques ao Irã, não aos houthis.

No mês passado, um ataque com drones Houthi causou um incêndio no campo de petróleo Shaybah do reino, um local perto da fronteira com os Emirados Árabes Unidos que produz cerca de 1 milhão de barris de petróleo por dia. Em maio, os drones atingiram o oleoduto leste-oeste de 750 milhas da Arábia Saudita, que liga locais de produção no leste do país e no Mar Vermelho. Os relatórios iniciais ligavam esse ataque aos rebeldes houthis, mas a inteligência dos EUA alegou mais tarde que os drones foram lançados do sul do Iraque. Os iraquianos negaram veementemente a acusação.

Os ataques houthis contra alvos sauditas "se expandirão e … serão mais dolorosos" enquanto "a agressão e o cerco continuarem", disse Sare, porta-voz dos rebeldes.

Os houthis controlam a capital iemenita, Sana'a, e desde 2015 estão em uma batalha feroz com uma coalizão liderada pela Arábia Saudita e apoiada pelos Estados Unidos que tentam restabelecer uma administração governamental reconhecida pela comunidade internacional. Quase 100.000 pessoas morreram nos combates desde 2015, segundo dados do Event Data Project e da localização dos conflitos armados.

Os ataques de hoje ocorreram no momento em que o reino se prepara para tornar a Saudi Aramco pública com uma oferta pública inicial que se espera seja a maior da história.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar