Cidadania

Quais países implementaram o 5G na África? – Quartzo África

Quando a Etiópia anunciou em 9 de maio que estava lançando testes para sua primeira rede móvel 5G em sua capital, juntou-se a mais de uma dúzia de países africanos que estão testando ou implementaram a rede de próxima geração. Mas, como seus pares 5G, a jornada não será fácil.

Os governos de toda a África estão otimistas de que um dia usarão o 5G para alimentar a agricultura de drones em larga escala, introduzir carros autônomos nas estradas, conectar-se ao metaverso, alimentar casas inteligentes e melhorar a segurança cibernética. Alguns analistas preveem que o 5G adicionará US$ 2,2 trilhões à economia da África até 2034.

Mas os pioneiros 5G da África estão enfrentando problemas iniciais que podem atrasar seus objetivos 5G. Os desafios giraram em torno da clareza da regulamentação do espectro, viabilidade comercial, cronogramas de implementação e o baixo poder de compra dos cidadãos para smartphones habilitados para 5G e internet cara.

Status dos pioneiros do 5G na África

A Etiópia se junta a Botsuana, Egito, Gabão, Quênia, Lesoto, Madagascar, Maurício, Nigéria, Senegal, Seychelles, África do Sul, Uganda e Zimbábue, quando se trata de testar ou implantar o 5G. Mas muitos desses países enfrentam atrasos.

Botsuana: Em 25 de fevereiro, a Mascom do Botswana apresentou o 5G aos moradores da capital, Gaborone. Começou com quatro sites na cidade, com um plano para colocar mais de 100 estações base até o final de 2022.

Egito: Em fevereiro passado, a Orange recebeu espectro do governo egípcio, que agora permite testar redes 5G como Vodafone Egypt, Egypt Telecom e Etisalat Egypt. Embora promissor, os egípcios terão que esperar pelos serviços 5G.

Gabão: Desde que começou a testar a tecnologia em novembro de 2019, a Gabon Telecom do Gabão ainda não foi comercial. Seu CEO aponta para 2023.

Quênia: O vizinho do sul da Etiópia vem testando a tecnologia há um ano, mas os assinantes de internet terão que esperar até o final do ano, quando o regulador de telecomunicações do país deverá emitir licenças 5G para operadoras móveis. Espera-se que o país seja responsável por mais da metade do pequeno número de assinaturas 5G móveis do continente em 2026.

Lesoto: Desde que o governo do Lesoto deu à Vodacom espectro temporário em 2018 para experimentar a tecnologia 5G, tem sido uma jornada dolorosa. Disputas entre Vodacom, Econet e o regulador dificultaram qualquer implantação significativa de 5G.

Madagáscar: Em julho de 2020, a Telma de Madagascar seguiu a África do Sul para lançar o 5G comercial, mas três semanas depois o regulador do país disse à empresa que interrompesse seus planos.

Maurício: Em 30 de julho do ano passado, o governo de Maurício anunciou o primeiro lançamento de rede 5G do país para cobrir quatro áreas, mas não compartilhou planos para um lançamento totalmente comercial.

Nigéria: A maior economia do continente emitiu licenças de espectro em março e espera possuir a rede 5G mais extensa do continente este ano. Ele está olhando para agosto para lançamento comercial.

Senegal: Desde seus primeiros testes 5G em novembro de 2020, a Sonatel e a Orange do Senegal continuam realizando uma série de testes em Dakar, mas a rede permanece em grande parte inativa.

seichelense: Os cidadãos saudaram o lançamento do 5G no país em 2020 com desconfiança e levantaram preocupações sobre os riscos à saúde. Um ano depois, cidadãos de seis regiões obtêm velocidades mais rápidas de 1,2 Gbps da Cable and Wireless Seychelles, para até 100 GB de uso.

África do Sul: O adotante inicial do 5G no continente implantou a tecnologia em um espectro temporário, mas em meio a uma forte tensão nas redes durante a pandemia, Vodacom, Rain e MTN foram obrigados a suspender esse uso a partir de novembro de 2021. Em março, o país ganhou quase US $ 1 bilhões de seu tão esperado leilão de espectro 5G.

Uganda: Em janeiro de 2020, Uganda tornou-se a primeira nação da África Oriental a testar a possibilidade de lançar uma rede 5G com ZTE e MTN. Mas um lançamento comercial ainda está para acontecer.

Zimbábue: Em 24 de fevereiro, a Econet do Zimbábue anunciou que havia lançado a primeira rede 5G do país e ativaria duas dúzias de sites até este mês.

Smartphones 5G caros atrasam adoção

A Safaricom, operadora líder na adoção de 5G no Quênia, disse este mês que o alto custo dos smartphones habilitados para 5G está impedindo a ambição da empresa de oferecer serviços móveis 5G. O smartphone mais barato com um smartphone 5G no continente custa cerca de US$ 300, o que é muito caro para o africano médio. Um estudo no Quênia revelou que 94% da população possui dispositivos que custam menos de US$ 200.

“Essa é uma das razões pelas quais estamos nos concentrando mais no lado 4G e deixando o 5G atender às famílias”, disse ele ao jornal Business Daily.

A África precisa trabalhar duro em 4G primeiro

O desejo de acompanhar o resto do mundo trouxe melhorias nas redes 4G existentes, com a maioria dos países planejando mudar para 5G. A partir de 2019, os sinais de internet 4G cobriam aproximadamente metade do continente, de acordo com o órgão da indústria GSMA. No entanto, apenas 10% da população da África usa atualmente 4G, de acordo com um relatório recente da empresa de telecomunicações Vodacom.

Ainda mais prejudicial para o sonho 5G é o fato de que os serviços de rede 4G na África estão disponíveis apenas em áreas urbanas e periurbanas, já que muitos provedores tentam implantar a Internet em áreas com alto uso para permanecerem lucrativas, deixando as vilas com anos de experiência. velocidade aumentada. Internet.

Por enquanto, o 3G continua a adicionar usuários. E a realidade é que 42 estados africanos ainda não começaram a pensar em 5G.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo