Cidadania

Por que os jovens africanos querem emigrar para a Europa e os Estados Unidos — Quartz Africa

Conflitos econômicos, insegurança, corrupção, intolerância política, internet não confiável e sistemas educacionais precários estão por trás do desejo de muitos jovens africanos de se mudar para a Europa ou os EUA.

Para ser exato, mais da metade dos jovens africanos entre 18 e 24 anos provavelmente considerarão emigrar nos próximos três anos se seus governos não fizerem nada para melhorar sua qualidade de vida. Isso é de acordo com o relatório da Pesquisa da Juventude da Ichikowitz (IFF) África Youth Survey 2022 (pdf), lançado recentemente em comemoração ao Dia Mundial do Refugiado em 20 de junho.

O estudo mostra que, em média, 52% dos jovens africanos querem emigrar, mas na Nigéria e no Sudão são três quartos da população, enquanto em Angola e Malawi são dois terços. Comparado com o estudo de 2019 (pdf), há um aumento de 22% no número de jovens que dizem que gostariam de se mudar para outro país. A idade média na África é de 19 anos.

O que é ainda mais alarmante é o fato de que metade dos que gostariam de emigrar para outro lugar não tem planos de voltar para casa.

O estudo é baseado em pesquisadores que realizaram 300 entrevistas presenciais em Angola, República do Congo, República Democrática do Congo, Etiópia, Gabão, Gana, Quênia, Malawi, Moçambique, Nigéria, Ruanda, África do Sul, Sudão, Uganda, e Zâmbia.

Os anos da pandemia têm sido difíceis para muitos africanos

A pandemia de covid-19 atingiu fortemente África, tendo um efeito negativo na educação, saúde e bem-estar económico. Quatro em cada dez jovens africanos relataram que tiveram que pausar ou interromper seus estudos como resultado da pandemia. 34% desaprovam a resposta do governo ao vírus. Um em cada cinco jovens africanos ficou desempregado como resultado da pandemia e 18% foram forçados a voltar para casa das cidades.

Dentro do continente, a África do Sul se destaca como o destino mais atraente para os jovens africanos que desejam emigrar. Quênia, Gana e Nigéria são outros destinos populares.

“Eles querem escapar dos problemas de seus países de origem. Eles estão em busca de uma vida melhor. Até os sul-africanos querem ir para os Estados Unidos”, disse o presidente da IFF, Ivor Ichikowitz, ao Quartz.

Pelo menos 39% dos entrevistados disseram que querem que os países africanos emulem a estrutura e os sistemas de governança das democracias ocidentais.

Uma das maiores preocupações que os jovens africanos enfrentam hoje é a instabilidade. 75% estão preocupados com a volatilidade política no continente, chegando a 91% e no Quênia devido às próximas eleições em 9 de agosto, e 89% em Moçambique.

Apenas 40% dos jovens africanos acreditam que seus governos estão fazendo o suficiente para interromper as crises em seus países. Na Etiópia, isso cai para 20% e na Nigéria, para 16%. Há uma queda de 11% no otimismo em relação a 2019.

Terrorismo, corrupção e má conexão de internet estão prejudicando a juventude africana

Pelo menos metade da juventude africana viu suas vidas afetadas pelo terror, insurgência ou conflito. 15% deles foram contatados para serem recrutados por uma organização terrorista ou conhecem alguém que tenha sido. Em Moçambique, este número sobe para 25%, sobretudo devido à violência armada em Cabo Delgado, que deslocou internamente mais de 700 mil pessoas este mês. Grupos terroristas como Boko Haram na Nigéria, Al Shabaab no Quênia e Somália são outros exemplos.

Ichikowitz acrescenta que em um continente assolado pela violência, interna e externa, há um sinal muito claro de que a próxima geração de pessoas que liderará o continente não é impotente nem ignorante dos perigos que enfrentam seus países e seu continente.

“Em vez disso, são cidadãos altamente motivados, altamente informados e profundamente engajados, determinados a garantir que tenham uma chance de uma vida que seus pais podem ter negado”.

No entanto, muitos jovens adultos não querem trabalhar no governo porque acreditam que as agências governamentais roubaram seu futuro por meio da corrupção. Um gritante 69% está insatisfeito com os esforços de criação de empregos de seus governos.

“O acesso à Internet é um direito humano básico. Os governos devem proteger os jovens contra as altas taxas de internet móvel das empresas de telecomunicações e parar de desligar a internet. Onde há um desafio, também há esperança”, diz Ichikowitz. Apenas um em cada oito jovens tem acesso à internet móvel a qualquer momento.

Os africanos geralmente aceitam refugiados.

No entanto, os jovens africanos mostram altos níveis de tolerância em relação aos refugiados, com 64% concordando que seu país tem a obrigação moral de ajudar os refugiados de países vizinhos, independentemente de seu impacto.

Os países dispostos a ajudar os refugiados a se estabelecerem são Ruanda (91%), Etiópia (75%) e Quênia (74%), enquanto África do Sul (44%), República Democrática do Congo (40%) e Nigéria (39%). são os mais contra. alojamento de refugiados.

A África Subsaariana abriga mais de um quarto da população mundial de refugiados, que é de cerca de 18 milhões de pessoas, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

De todos os atores estrangeiros vistos como tendo influência no continente, os jovens veem a China como tendo, de longe, o maior impacto com 54%, seguida pelos EUA com 41%.

O relatório exorta os governos africanos a comprometerem orçamentos para apoiar o empreendedorismo, atualizar os currículos educacionais, controlar a corrupção, melhorar os cuidados de saúde, aumentar a penetração da Internet e conter a violência eleitoral para manter os seus jovens no seu continente.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo