Cidadania

Poderia o próximo primeiro-ministro do Reino Unido intensificar? — Quartzo

Membros do partido conservador terminaram a votação para seu próximo líder, o próximo primeiro-ministro do Reino Unido, na sexta-feira (2 de setembro). O vencedor será anunciado na segunda-feira e se juntará ao líder cessante Boris Johnson no dia seguinte em uma reunião com a rainha (pela primeira vez no Castelo de Balmoral, na Escócia, para informar sobre a saúde da mulher de 96 anos) para receber seu mandato para formar um governo.

Uma campanha de liderança de oito semanas entre Rishi Sunak, o ex-chanceler do Tesouro que rompeu com Johnson, e Liz Truss, o secretário de Relações Exteriores que permaneceu, concentrou-se principalmente em impostos e valores do partido conservador. Mas ele ofereceu pouco em termos de planos concretos para guiar o país através de uma crise de custo de vida cada vez pior.

O Reino Unido registrou uma taxa de inflação de 10% em julho, superior à zona do euro, e os EUA Johnson se recusou a tomar medidas significativas para lidar com o aumento dos custos de energia durante seu verão fraco, dizendo que era uma tarefa para o próximo primeiro-ministro, mas mesmo assim tentou vincular seu sucessor a um projeto caro de usina nuclear como um de seus últimos atos em energia.

Com a inflação em alta, vários trabalhadores estão exigindo aumentos salariais adequados, e a relutância dos empregadores em ajustar os salários pela inflação levou a greves em todos os setores: correios, ferrovias, portos e até os tribunais. Entretanto, a escassez de pessoal afeta o Serviço Nacional de Saúde, que foi duramente atingido pela pandemia de covid e pelas suas repercussões.

O foco principal de Liz Truss é em impostos, mas Brexit está se aproximando

Truss, que está à frente nas pesquisas e quase certo de se mudar para a 10 Downing Street, não publicou um plano detalhado de políticas. Mas ela se comprometeu repetidamente a cortar impostos. Alguns economistas argumentam que o corte de impostos vai piorar a inflação e aumentar as taxas de juros, fazendo pouco para aliviar as lutas das pessoas, mas Truss também expressou frustração com o pensamento econômico dominante.

Embora o foco do próximo primeiro-ministro seja urgentemente necessário em assuntos internos, o Brexit continua sendo uma questão sobre a qual o sucessor de Johnson não será capaz de parar de mentir. A UE apresentou recentemente uma queixa legal alegando que o Reino Unido não está a implementar controlos fronteiriços conforme estipulado no Protocolo da Irlanda do Norte, documento que trata da questão de como gerir uma fronteira entre a República da Irlanda e o seu vizinho do norte.

Truss não é fã do protocolo e está tentando mudá-lo, uma batalha árdua em várias frentes: em casa, onde qualquer edição precisará de aprovação parlamentar, em Bruxelas e, menos publicamente, com os EUA, cujos representantes levantaram preocupações sobre fazer alterações unilaterais no protocolo.

Um dos desafios de Truss vem de seu próprio grupo. Ele pode ser apoiado pela maioria dos membros do Partido Conservador, mas perde para Sunak em termos de preferências dos legisladores conservadores em exercício. Convocar eleições gerais em breve é ​​uma jogada arriscada, já que o Partido Trabalhista, da oposição, tem uma clara vantagem nas pesquisas. Também atrasaria a ação urgente do governo necessária para lidar com a iminente crise de saúde e energia. Mas se o próximo primeiro-ministro do Reino Unido não aceitar o desafio, ir às urnas será quase inevitável.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo