Cidadania

O tweet de concessão de Trump mostra seu espírito fascista – Quartz


A essência da visão política de Donald Trump está perfeitamente encapsulada no início de sua mensagem de quase concessão, entregue menos de um dia depois que sua multidão furiosa invadiu o Capitólio dos Estados Unidos.

“Embora eu discorde totalmente do resultado da eleição”, abre o comunicado compartilhado em um tweet de Dan Scavino, diretor de mídia social da Casa Branca. A conta do próprio Trump foi temporariamente bloqueada pelo Twitter porque seus tweets continuaram a espalhar falsidades sobre a eleição e pareciam suscitar ainda mais raiva, ao mesmo tempo que aparentemente pedia uma conduta pacífica. Apesar da ação da multidão, os legisladores voltaram ao Capitólio na noite de quarta-feira e certificaram a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais de hoje.

O resto da mensagem do presidente também não é exatamente uma concessão, já que ele continua a contestar sem base o resultado de uma votação que perdeu por ampla margem, e no dia em que os democratas também ganharam a maioria no Senado, com a histórica eleição de Raphael Warnock e Jon Ossoff na Geórgia. Na verdade, ele nunca admite que perdeu; ele simplesmente diz que pretende deixar o cargo pacificamente em 20 de janeiro, ao mesmo tempo que promete a continuação de seu projeto político.

E é a mera ideia de “discordar” de um resultado eleitoral legítimo que explica esse projeto, traindo não só um absoluto desprezo pelo processo eleitoral, e mesmo a democracia, mas uma visão de mundo fascista.

No centro do espírito fascista está a equiparação das crenças e opiniões pessoais do líder com a verdade, explica o especialista autoritário Federico Filchenstein em seu livro: Uma curta história de mentiras fascistas. Em tal cosmovisão, fatos e evidências são secundários. A realidade não é definida pelo que eles são, mas pela opinião do líder sobre o que deveriam ser. Se, para coincidir com essa verdade, os fatos devem ser mudados, por mais violentos que sejam.

O resultado de uma eleição é, obviamente, algo do qual não se pode discordar, desde que tenha sido conduzido de forma razoavelmente justa por instituições e funcionários fortes empenhados em defender a lei, o que era indiscutivelmente o caso em os Estados Unidos. Decepção, até mesmo raiva, são reações compreensíveis, mas um resultado é um fato, não algo para se ter opiniões. Isso, entretanto, não se aplica ao mundo em que Trump ou outros líderes fascistas ou autoritários operam: o processo eleitoral e a democracia só são aceitos, e mesmo celebrados, quando são um meio de confirmação de seu poder. Mas quando seu resultado desafia esse poder, ele se torna completamente dispensável.

Os eventos que se desenrolaram desde as eleições mostraram que essa visão de mundo foi muito além da mente de Trump e, de fato, informa a conduta de seus aliados políticos e apoiadores com aceitação, ou pelo menos sem qualquer desafio substancial do establishment republicano.

Desde as eleições, o mundo testemunhou não apenas a ira de uma (muito grande) maioria derrotada, mas sua total recusa em aceitar a realidade.

Os eventos que se desenrolaram ontem foram a última tentativa de aniquilar os fatos para manter a crença de que Trump não poderia perder a eleição. As ações das turbas que invadiram o centro físico da democracia americana e dos representantes que tentaram impedir a certificação do voto de dentro daquele prédio por meio de falsas alegações podem diferir na forma, mas não na substância ou nos meios. Ambos são expressões desse mesmo “desacordo” com o resultado das eleições, e seu corolário de que a democracia que Trump rejeitou não vale a pena manter.





Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar