Cidadania

Guerra na Ucrânia minou os conselhos do novo relatório do IPCC – Quartzo

A economia global deve buscar “uma redução substancial no uso geral de combustíveis fósseis” para ter alguma esperança de evitar mudanças climáticas catastróficas, diz um novo relatório importante da ONU. Mas à medida que os governos buscam alternativas ao petróleo e gás russos, o oposto acontecerá: o investimento em perfuração só aumentará.

O terceiro relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), publicado em 4 de abril após a sessão de negociação mais longa nas três décadas de história do grupo, concentra-se nos passos necessários para limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, meta consagrada no Acordo de Paris. As seções anteriores do relatório cobriram a ciência climática básica e as etapas para adaptação.

O mundo já subiu 1,1 grau e está a caminho de atingir 2,7 graus em 2100. E já usamos quatro quintos do “orçamento de carbono” que precisaria ser seguido para ter 50% de chance de chegar lá. para 1,5, diz o relatório do IPCC.

Neste contexto, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse em conferência de imprensa que “os radicais verdadeiramente perigosos são os países que estão a aumentar a produção de combustíveis fósseis”. Mas hoje, esse grupo inclui os EUA, a Europa e a maioria das outras grandes economias.

A guerra na Ucrânia causará altas emissões de carbono?

Em um relatório de maio de 2021, a Agência Internacional de Energia deixou claro que a única maneira de chegar a 1,5 era interromper imediatamente qualquer expansão da produção de combustíveis fósseis e investir apenas o suficiente para manter alguns poços em funcionamento.

Mas à medida que a economia se recupera da Covid e a Rússia se torna persona non grata, a maioria das empresas de petróleo e gás tem grandes planos de expansão. Em um 4 de abril carta aos acionistasO CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, cujo banco é o maior financiador de fósseis do mundo, pediu “aprovação imediata de arrendamentos adicionais de oleodutos e gasodutos”.

Em um mercado de energia perfeitamente equilibrado, a Europa e os EUA poderiam investir apenas o suficiente para compensar precisamente o petróleo e o gás russos, que, sem compradores, poderiam ser enterrados. Isso poderia evitar quebrar o orçamento de carbono mais do que já é. Mas o orçamento já foi ultrapassado se forem contabilizadas as emissões de projetos de combustíveis fósseis atualmente em desenvolvimento, diz o relatório do IPCC. Qualquer outra coisa enterraria esse alvo inteiramente.

A boa notícia, diz o IPCC, é que os custos de energia limpa caíram tanto que substituições de combustível fóssil de baixo custo (menos de US$ 100 por tonelada de CO2) poderiam reduzir as emissões globais pela metade até 2030.

A remoção de carbono é ‘inevitável’

Ainda assim, especialmente se uma nova infraestrutura fóssil surgir, um aumento significativo de tecnologias para capturar emissões, tanto de fontes específicas como usinas de energia quanto da atmosfera em geral, é “inevitável”, diz o relatório. Este é o primeiro relatório do IPCC a defender inequivocamente a remoção de carbono. Isso incluirá soluções baseadas na natureza, como reflorestamento e máquinas de sucção de carbono de alta tecnologia.

Ainda assim, disse Stephanie Roe, cientista climática líder do World Wide Fund for Nature e autora do IPCC, “limpar as emissões após o fato é muito mais difícil e caro do que impedi-las em primeiro lugar”. Portanto, a prioridade mais urgente é atingir o pico de emissões globais o mais rápido possível e começar a dobrar a curva para baixo. Agora, eles estão mais altos do que nunca.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo