Cidadania

Rússia planeja usar uma vacina que ainda não atende aos padrões da OMS – Quartzo


Enquanto o mundo aguarda os resultados da primeira colheita de vacinas contra o coronavírus para entrar na fase final dos testes, a Rússia aparentemente avançou. Na semana passada, um centro de pesquisa do estado pediu aos reguladores locais a aprovação do uso de uma vacina em desenvolvimento, de acordo com o ministro da Saúde do país, Mikhail Murashko.

“Este é um momento do Sputnik”, disse Kirill Dmitriev, diretor do fundo soberano da Rússia, que financia pesquisas sobre a vacina russa, ao jornal The National, em Abu Dhabi.

Embora oficiais do governo russo estejam se gabando da conquista, os cientistas do Instituto de Pesquisa Gamaleya por trás da vacina ainda não divulgaram dados mostrando que a vacina funciona. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Instituto Russo de Pesquisa Gamaleya ainda está nos estágios iniciais dos testes.

Os padrões científicos endossados ​​pela OMS garantem que qualquer nova vacina passe por três fases de testes em humanos antes de ser aprovada. O primeiro estágio, que geralmente envolve menos de cem participantes, avalia a segurança; o segundo fornece dados preliminares de eficácia. O terceiro e último estágio, que geralmente envolve dezenas de milhares de participantes, fornece mais informações de segurança e determina se a vacina é eficaz.

A Rússia diz que está mais avançada em testes do que a OMS sabe, com a segunda fase quase completa. O país planeja realizar a terceira fase entre os grupos, médicos e professores, que serão os primeiros a receber a vacina aprovada, segundo a CNN. Murashko disse que o país está se preparando para usar a vacina mais amplamente em outubro.

Mas de acordo com a OMS, o Instituto de Pesquisa Gamaleya anunciou um estudo de fase 1 testando sua vacina em 38 participantes em junho. Não publicou nenhum resultado desde então.

Os pesquisadores não podem saber se uma vacina é segura e eficaz sem realizar um grande estudo de fase 3, diz Peter Smith, professor de epidemiologia tropical na Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres. “Eu acho improvável que as autoridades reguladoras da UE ou dos EUA autorizem o uso generalizado de uma vacina Covid-19 sem primeiro ter evidências de eficácia e segurança”, diz Smith, a menos que haja muito poucos casos de coronavírus para completar uma fase. Teste 3, que atualmente não é um problema.

A OMS está “ciente de um candidato a vacina russo que está entrando neste [third] “, disse a porta-voz Margaret Ann Harris ao Quartz. A agência se recusou a comentar se tem acesso aos dados dos estudos do Gamaleya Research Institute que não compartilhou ou se preocupa em usar uma vacina que não tenha sido aprovada. para os testes.

A Rússia tem uma capacidade de fabricação considerável. “Em teoria, pelo menos, eles devem ser capazes de produzir muitas doses”, diz Smith. A farmacêutica russa R-Pharm também assinou um acordo para produzir uma vacina separada criada pela Universidade de Oxford e AstraZeneca, com planos de distribuir a vacina para mais de 30 países.

No entanto, a experiência de P&D da Rússia é menos reconhecida do que suas capacidades de fabricação. Grã-Bretanha, Canadá e Estados Unidos acusaram hackers russos de tentar roubar a investigação da vacina em julho, mas disseram que os ataques não tiveram êxito. O Kremlin negou esta alegação.

O desenvolvimento da primeira vacina contra o coronavírus seria, sem dúvida, uma indicação de capacidade científica. Mas uma vacina só pode ser considerada bem-sucedida se não for apenas a primeira, mas também segura e eficaz. Até que os dados da pesquisa sejam divulgados, é impossível dizer se a vacina da Rússia atende a esses padrões.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar