Cidadania

Governo dos Estados Unidos EUA Distribuirá remdesivir para cidades com base em uma necessidade "urgente" – Quartzo


A cadeia de suprimentos farmacêuticos está se movendo rapidamente para tratar pacientes com coronavírus. Em 1º de maio, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA. EUA Ele concedeu o medicamento antiviral para retirar a autorização para uso emergencial, o que significa que ele pode ser usado como tratamento. O chefe da Gilead Sciences, que faz o remdesivir, disse hoje que a empresa havia doado todo o seu suprimento ao governo dos EUA. EUA E que as autoridades federais começarão a enviar o medicamento para todo o país nos próximos dias.

"Agora estamos firmemente focados em levar este medicamento aos pacientes mais urgentes do país aqui nos Estados Unidos", disse o CEO Daniel O´Day à CBS "Face the Nation". O'Day disse que o governo federal determinará quais cidades têm mais pacientes que precisam se resgatar com urgência. "Eles começarão a enviar dezenas de milhares de cursos de tratamento no início desta semana", acrescentou. Até agora, a única maneira de obter o remdesivir era participar de um ensaio clínico sobre o medicamento antiviral.

Doando todo o suprimento de Gileade ao governo, ele disse: "Fizemos isso porque reconhecemos e reconhecemos o sofrimento humano, a necessidade humana aqui, e queremos garantir que nada atrapalhe o alcance dos pacientes".

No início desta semana, Gilead disse que a oferta havia aumentado e que ele esperava ter 140.000 cursos de tratamento com remdesivir até o final de maio, atingindo 1 milhão no final de dezembro.

Descobriu-se que o remdesivir reduz a probabilidade de morte de pacientes com Covid-19. Mas, de acordo com Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, um estudo com 1.063 pessoas constatou que os pacientes que receberam remdesivir se recuperaram em 11 dias, em média, em comparação aos 15 dias daqueles que receberam um placebo. Reduzir o tempo que os pacientes passam em atendimento de emergência pode aliviar significativamente a pressão no sistema de saúde.

A decisão da empresa de doar remdesivir reflete intensa pressão pública de que as empresas não se beneficiam da crise do coronavírus. A doação também é uma resposta à autorização do medicamento apenas em uso emergencial, permitindo que o FDA autorize o tratamento em condições menos rigorosas do que o habitual em situações de emergência. O'Day não comentou o que Gilead poderia cobrar por remessas de longo prazo, se a droga fosse formalmente aprovada.

Aaron Kesselheim, professor da Harvard Medical School que estuda os preços dos medicamentos, disse ao New York Times que, desde que o governo financiou pesquisas que mostram o valor do remdesivir, "não parece justo" que Gilead tome todas as medidas necessárias. as recompensas.

"Seu preço deve refletir que o governo não apenas investiu fundos substanciais, mas também em estágios de risco", acrescentou.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar