Cidadania

Consumidores veem rótulos de alimentos ‘orgânicos’ e ‘não-GM’ como sinônimos

Os consumidores estão confusos entre os alimentos rotulados como “orgânicos” e “não modificados geneticamente”, de acordo com um novo estudo conduzido por um professor da Universidade da Flórida. De fato, os pesquisadores descobriram que alguns consumidores vêem os dois rótulos como sinônimos.

Quando o Congresso aprovou o National Bioengineered Food Disclosure Standard em junho de 2016, os legisladores permitiram que empresas de dois anos – até junho de 2018 – rotulassem seus alimentos geneticamente modificados (GM) por texto, símbolo ou um link digital eletrônico como um código QR. O código QR é um rótulo óptico legível por máquina que exibe informações quando digitalizado.

Além dos códigos QR, as empresas podem rotular os alimentos GM acrescentando palavras como: “contém ingredientes geneticamente modificados” em texto simples nas embalagens, disse Brandon McFadden, professor assistente de economia alimentar e recursos da UF / IFAS, e principal autor do estudo.

O professor de economia agrícola da Universidade de McFadden e Purdue, Jayson Lusk, conduziu suas pesquisas para encontrar as melhores maneiras de se comunicar se um alimento tem ingredientes transgênicos. Esta pesquisa tem implicações para quais alimentos os consumidores comprarão, disse McFadden.

Para avaliar a disposição dos consumidores em pagar por alimentos rotulados como GM versus não-GM, os pesquisadores conduziram uma pesquisa nacional com 1.132 entrevistados.

Especificamente, os pesquisadores queriam saber o quanto os consumidores estavam dispostos a gastar em alimentos rotulados como “USDA Organic” (Orgânico USDA) versus aqueles rotulados como “Non-GMO Project Verified (Projeto Não-GMO Verificado)”. Material geneticamente modificado não é permitido em alimentos rotulados como “USDA Organic”, enquanto “Non-GMO Project” significa que o alimento não tem mais do que 0,9% de características GM, de acordo com o estudo.

Pesquisadores mediram a disposição dos entrevistados de pagar por uma caixa de 12 barras de granola e um quilo de maçãs. Barras de granola representam um alimento manufaturado comumente diferenciado pela ausência de material geneticamente modificado, enquanto maçãs são frutas frescas que exigem que as empresas digam se contêm material geneticamente modificado, segundo o estudo.

Neste estudo, quando os consumidores analisaram pacotes de barras de granola rotulados como “Projeto não-transgênico”, eles estavam dispostos a gastar 35 centavos a mais do que pelas caixas que tinham texto que dizia “contém ingredientes geneticamente modificados”. Com o rótulo “USDA Organic”, os consumidores estavam dispostos a pagar 9 centavos a mais.

Com maçãs, os entrevistados estavam dispostos a pagar 35 centavos a mais por aqueles rotulados como “Projeto não-OGM” e 40 centavos a mais por aqueles rotulados como “Orgânico do USDA”.

As respostas dos participantes levaram McFadden a concluir que os consumidores não distinguem as definições dos dois rótulos dos alimentos.

“Por exemplo, é possível que um produto rotulado, ‘Non-GMO Project Verified’ comunique mais claramente a ausência de ingredientes transgênicos do que um produto rotulado como ‘USDA Organic'”, disse McFadden.

Além da disposição de pagar por alimentos transgênicos e não transgênicos, os pesquisadores queriam saber como os códigos QR influenciam as escolhas de alimentos rotulados como contendo ingredientes transgênicos. Eles também queriam saber quanto os consumidores estavam dispostos a pagar por alimentos rotulados como GM, se essa informação viesse de uma resposta rápida – ou código QR. Os resultados do estudo mostraram que os consumidores estão dispostos a pagar mais por alimentos geneticamente modificados se as informações forem fornecidas por um código QR.

“Esse resultado indica que muitos dos participantes do estudo não examinaram o código QR”, disse McFadden.

Isso porque, se todos os entrevistados digitalizassem o código QR, não haveria uma diferença significativa em sua disposição em pagar, disse ele. Como há uma diferença significativa, pode-se supor que muitos entrevistados não examinaram o código QR, disse McFadden.

“No entanto, é importante lembrar que este estudo é realmente um instantâneo, e é possível que, com o tempo, os consumidores se familiarizem com os códigos QR e tenham maior probabilidade de digitalizá-los”, disse ele.

O novo estudo é publicado na revista Applied Economics: Perspectives and Policy.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar