Cidadania

Como as variantes da Covid-19 estão se espalhando – Quartzo


Os vírus têm um objetivo único: entrar, copiar, copiar, copiar, sair.

Mas mesmo com vasta experiência em criação, os vírus ainda não são perfeitos nisso. Eles cometem erros, como inserir acidentalmente um nucleotídeo em outro, excluir um ou duplicar outro. Estes são conhecidos como mutações, e o resultado são virions filhos (a virologia fala de “unidades de vírus fora das células hospedeiras”) que não são Bastante clones. Freqüentemente, essas mutações não são um grande problema. Mas quando as mutações são particularmente vantajosas para o vírus, claro. ajudá-lo a se replicar de alguma forma – eles se tornam mais frequentes. Isso leva a uma nova variante.

“Sim [mutations] não se espalhe mais, você não precisa se preocupar com isso ”, diz Florian Kramer, professor de microbiologia com foco em doenças infecciosas na Icahn School of Medicine. O desafio é avaliar as implicações daqueles que proliferam.

Os cientistas agora estão avaliando se certas mutações no vírus SARS-CoV-2 estão ajudando a se espalhar mais rápido, evitar anticorpos em vacinas ou causar novas infecções. Essas variantes apareceram pela primeira vez no Reino Unido, África do Sul, Brasil e Califórnia (respectivamente), e o temor é que possam agravar uma pandemia que está longe de estar sob controle. “Não acho que seja hiperbólico dizer que o pior ainda está por vir”, disse ao ProPublica Angela Rasmussen, virologista do Centro de Ciência e Segurança de Saúde Global da Universidade de Georgetown.

O que é uma variante?

A maioria das mutações que os cientistas observaram até agora referem-se à proteína spike SARS-CoV-2. Essa proteína é o alvo de todas as vacinas disponíveis e em andamento, porque é tanto a alavanca com a qual o vírus entra em nossas células quanto o aspecto molecular característico do vírus. A proteína spike é composta por cerca de 1.300 blocos de aminoácidos, e mutações no RNA do vírus (uma única fita de material genético) podem causar alterações em alguns desses aminoácidos.

Por exemplo, a variante do Reino Unido, ou B.1.1.7., É um conjunto de mutações cuja alteração na proteína spike torna o vírus mais aderente. Como essa variante tem um controle mais forte em nossas células, uma carga viral menor pode causar uma infecção real. Portanto, o vírus se torna mais transmissível. As estimativas sugerem que esta cepa é aproximadamente 50% mais transmissível do que as cepas anteriores.

A cepa sul-africana, denominada B.1.351, é semelhante a B.1.1.7. mas com algumas mutações adicionais na proteína do pico, incluindo uma chamada E484K ou “EEEK” para breve. Em preprints, os cientistas descobriram que essa mutação pode dificultar a neutralização do vírus por anticorpos.

A variante encontrada pela primeira vez no Brasil, chamada P.1, compartilha algumas das mesmas mutações da proteína spike que as variantes da África do Sul e do Reino Unido. Os cientistas não têm certeza do porquê, mas parece que existem algumas mutações na variante P.1 que podem tornar esta cepa capaz de infectar indivíduos novamente. Normalmente, as autoridades de saúde presumem que as pessoas que já estiveram doentes com Covid-19 têm alguma imunidade protetora.

No mês passado, cientistas da Califórnia identificaram outra variante. Este, chamado CAL.20C, parece ter constituído um quarto dos casos no sul da Califórnia em outubro. Embora contenha mutações na proteína spike, elas não são iguais às descritas acima. Os cientistas ainda estão descobrindo se essas mutações têm algum efeito tangível no vírus ou na infecção que ele causa.

As variantes também podem adquirir novas mutações. Os cientistas ocasionalmente observaram a mutação EEEK no Reino Unido e em variantes brasileiras; eles também testemunharam evidências de recombinação, um processo pelo qual o vírus SARS-CoV-2 pode se mover por seções inteiras de seu genoma enquanto se replica. No entanto, não está claro o quanto a recombinação contribui para novos tipos de formação de variantes.

Onde estão as novas variantes?

A variante B.1.1.1.7 chegou até agora em 50 países ou territórios, incluindo os Estados Unidos, onde os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) prevêem que será a cepa dominante em apenas algumas semanas. A variante B.1.351 apareceu em 30 países; e a variante P.1 foi encontrada no Brasil e no Japão, depois que turistas voltaram de visita ao primeiro.

Os cientistas temem que essas variantes já sejam encontradas em mais lugares do que pensamos. Encontrar variantes e avaliar sua prevalência requer sequenciamento genético depois que um paciente fornece um teste de PCR positivo, mas os EUA estão sequenciando apenas cerca de 1% de suas variantes, de acordo com a ProPublica. No final de janeiro, ocupava a 38ª posição mundial em sequenciamento. O CDC contratou empresas privadas para tentar aumentar essa taxa. Em dezembro de 2020, a Austrália estava na liderança com 43% dos casos sequenciados, mas nenhum país está capturando 100% dos casos.

Os tratamentos e vacinas funcionarão contra novas variantes?

Essa é a pergunta de um milhão de dólares.

Na maioria das vezes, essas mutações não tornam o vírus SARS-CoV-2 esse diferente das cepas anteriores, o que significa que a maioria das vacinas deve ser um pouco protetora contra eles. Mesmo que uma vacina não possa proteger contra todos os casos, a resposta imune inicial deve ser suficiente para domar os casos potencialmente graves.

E até agora, há evidências limitadas de que qualquer uma dessas variantes exacerba infecções por Covid-19. No caso de B.1.1.1.7, mais pessoas podem ficar doentes, o que pode ter impacto nas hospitalizações e nas taxas de UTI. E embora os dados sugiram que B.1.351 e P.1 podem prevenir a neutralização de anticorpos, eles ainda não devem deixar as pessoas mais doentes.

“É um grande alívio saber que as vacinas ainda parecem proteger contra hospitalização e mortes”, disse Emma Hodcroft, epidemiologista molecular da Universidade de Berna, ao STAT.

Dito isso, a variante B.1.351 em particular está causando a paralisação de algumas vacinas e empresas terapêuticas. No início desta semana, o governo sul-africano suspendeu a implantação da vacina AstraZeneca depois que um estudo preliminar mostrou que ela era menos eficaz contra a nova variante. A Janssen também relatou que sua vacina de dose única evitou 57% dos casos na África do Sul, em comparação com 66% em média, e a Novavax descobriu que sua vacina de dose dupla evitou apenas 49% dos casos, em comparação com quase 90% em outros lugares. Ainda não há dados sobre se as vacinas Pfizer-BioNTech e Moderna funcionarão bem contra essa variante (elas foram testadas antes de prevalecer), mas a Moderna disse que está testando reforços para ela hoje. Regeneron também atualizou seu tratamento com anticorpo monoclonal após descobrir que era menos eficaz contra vírus com a variante EEEK.

Toda essa incerteza destaca por que é melhor evitar pegar o Covid-19, o que significa ficar alerta com os mesmos cuidados pandêmicos de sempre: lavar as mãos, distanciar-se fisicamente e usar uma (ou duas) máscaras dentro de espaços públicos. “Se alguém me perguntasse há meio ano, eu diria que o vírus é bastante estável”, diz Krammer. Agora não há garantia de que as mutações irão parar.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar