Cidadania

China diz a funcionários do estado que as vacinas para teste Covid-19 são seguras – Quartzo


Em todo o mundo, os cientistas estão realizando estudos de alta velocidade na esperança de encontrar uma vacina contra o coronavírus. Atualmente, seis empresas estão em fase final de testes, das quais três (Sinopharm, CanSino e Sinovac Biotech) estão na China.

Ainda não existe uma vacina para concluir os importantes ensaios da terceira fase, que estabelecem perfis de eficácia e segurança a longo prazo, seguindo milhares de participantes. Mas isso não impediu o China National Biotec Group (CNBG), subsidiária da Sinopharm, de dizer às empresas estatais que as vacinas estão seguras e prontas para serem usadas pelos funcionários.

Uma carta de uma subsidiária da China TravelSky Holding Co, uma empresa de viagens estatal, a seus funcionários em junho declarou que as duas vacinas contra o coronavírus Sinopharm eram seguras e eficazes e estavam disponíveis para funcionários de empresas estatais que trabalhavam. nos aeroportos e em viagens internacionais. , de acordo com o Wall Street Journal. A carta não reconheceu que as vacinas ainda estavam sendo submetidas a ensaios clínicos. Da mesma forma, uma carta enviada aos funcionários da gigante petrolífera estatal PetroChina ofereceu a oportunidade de estar entre os primeiros a tomar uma vacina contra o coronavírus e não mencionou possíveis riscos, segundo o New York Times.

Esses funcionários estaduais não estão tomando vacinas como parte de ensaios clínicos, mas receberam vacinas contra coronavírus em “uso de emergência”, segundo o Times. Embora esses voluntários não façam parte de um estudo formal, os dados podem fornecer mais informações sobre se a vacina é segura.

Mas nenhuma vacina deve ser apresentada como definitivamente segura e eficaz durante o teste, alertam os cientistas. “Parece estranho que uma vacina seja caracterizada como” segura “antes da conclusão dos ensaios da fase três em dezenas de milhares de receptores”, diz Paul Offit, diretor do Centro de Educação de Vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia. O objetivo de grandes ensaios clínicos bem projetados é avaliar a segurança e eficácia das vacinas.

“Eles exigem centenas, senão milhares, de participantes por um longo período de tempo, porque precisamos detectar possíveis eventos adversos que podem não se manifestar imediatamente após a administração”, diz Alex John London, diretor do Centro de Ética e Política da Universidade Carnegie Mellon. Dizer às pessoas que uma vacina funciona antes de ser testada tem sérias conseqüências. “Mesmo que a vacina seja benigna, se as pessoas pensam que estão protegidas quando não estão, podem se expor a riscos que, de outra forma, evitariam e aumentar suas chances de adoecer”, diz London.

Esta não é a primeira vez que os estudos de vacina contra o coronavírus da China ignoram o protocolo usual. Há duas semanas, a SinoPharm disse que os executivos da empresa ajudaram a “pré-testar” a vacina antes de ser aprovada para os primeiros testes em humanos. A empresa postou uma foto on-line e disse que os voluntários estavam “ajudando a forjar a espada da vitória”.

O CNBG não respondeu a perguntas sobre se informou os funcionários sobre o status dos testes de vacina.

A China já enfrentou consequências por padrões fracos na produção de vacinas. Em 2018, foi descoberto que um grande fabricante de drogas, a Changsheng Biotechnology, falsificou os registros de inspeção de vacinas antirrábicas e produziu vacinas para crianças contra tosse convulsa, difteria e tétano que não forneciam proteção adequada.

Até o momento, estudos publicados por empresas chinesas mostram fortes resultados no desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus. Mas até que os testes sejam concluídos, seu valor permanece não testado.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar