Matemática

APMEP: Comissões de relatórios 1º grau-faculdade


Apresentação da comissão:

A comissão foi apresentada por Sophie Roubin e Sylvain Etienne (Acadêmico de Matemática Referente)

Sophie Roubin é responsável pela comissão da universidade, você pode entrar em contato com ela no seguinte endereço: [email protected]

Agnes Gateau é responsável pela comissão da primeira série, você pode contatá-la no seguinte endereço: [email protected]

Com base em uma apresentação de slides, lembre-se primeiro de que as comissões para representar a associação precisam que as pessoas invistam nela. Propõe-se recuperar o nome e o endereço de e-mail dos interessados ​​no anfiteatro. Muitos deram suas coordenadas. Sugere-se que as informações também sejam distribuídas nas regiões.
O investimento solicitado, ao participar das Comissões Nacionais, é viajar para Paris para 2 reuniões por ano, além da reunião do dia. As despesas de viagem são reembolsadas aos associados da APMEP.

O objetivo dessas comissões é:

  • + analisar mudanças em programas e práticas
  • + recursos de pool
  • + pense em grandes questões

A próxima reunião da comissão ocorrerá no domingo, 12 de janeiro. Os voluntários são incentivados a visitar as instalações em Paris ou enviar atividades que motivem seus alunos ou proponham assuntos para estudo.

Sophie apresenta a parte do site dedicada às comissões nas quais todas as suas comunicações são encontradas (relatório, …). Também indica que um relógio digital é feito em um Padlet atualizado regularmente e que existem vários links para documentos oficiais relacionados à escola e universidade, do Ciclo 1 ao Ciclo 4.
Ela lembra que os slides das atividades mentais do ciclo 3 também estão presentes nesta parte do site. Eric Trouillot indica que os colegas estão pedindo para expandir esta oferta para os ciclos 2 e 4. Isso exigiria que os recursos nesses níveis fossem agrupados para criar apresentações de slides.
Além disso, lembre-se de que existe um fórum disponível para troca, reação às notícias, debate, visível a todos, mas apenas membros podem contribuir.

Discussões sobre questões atuais:

Houve muitas mudanças do ciclo 1 para o ciclo 4 nos últimos anos. Uma lista é proposta para iniciar as discussões na sala:

  • + Nova base comum setembro de 2016
  • + Novos programas setembro de 2016
  • + Nova patente 2018 (e os testes de 2019)
  • + Programas consolidados setembro de 2018
  • + Avaliação de realizações na CP, CE1, 6, 2
  • + Benchmarks de progresso anuais e expectativas para o final de maio de 2019

Avaliações de aprendizagem anteriores:

As primeiras trocas envolveram avaliações nacionais no PC, no CE1, no sexto e até no segundo. Aqui estão os diferentes pontos:

  • + Nos seus passes:
    1. Surgiram problemas de conexão, além de um problema no uso do teclado (os alunos levaram quase uma hora para se conectar). Para isso, Virginie Rieu propôs a solução adotada em sua instituição, ou seja, forneça um arquivo na rede em que todas as senhas estejam presentes, para que os alunos tenham apenas que copiar e colar suas próprias.
    2. Uma pessoa indica que o bloqueio do uso do teclado (devido ao uso mais frequente de objetos táteis) tem uma grande influência no trabalho que o aluno produzirá. Ela propõe que as avaliações não sejam realizadas em computadores. Sylvain Etienne indica que no próximo ano ela considerará oferecer essas avaliações em tablets. Outras pessoas dizem que não corrigiriam as avaliações de papel novamente.
    3. O protocolo mudou conforme o retorno das transações, por exemplo, o tempo de entrega aumentou em 10 minutos. Uma pessoa levantou o problema que experimentou: ele aprovou a aula no início do período de entrega com o tempo indicado e foi solicitado que fizesse as avaliações novamente aos alunos com mais 10 minutos, porque eles não haviam processado artigos suficientes. Foi restrito porque os primeiros resultados foram esmagados.
    4. No nível local, em algumas escolas (nas avaliações de PC), os professores optaram por não passar em alguns exercícios para não prejudicar o ambiente de trabalho que puderam respirar em suas aulas. Em outros lugares, alguns professores colocam em remediação, no início do ano os alunos que detectaram, para trabalhar nas avaliações até a passagem, portanto, ela está lotada.
  • + Com o tempo:
    1. As avaliações devem durar 50 minutos ou deveriam ter sido feitas em 2 horas.
    2. Uma pessoa testemunha que é a primeira vez que passa nessas avaliações na sexta série e que as passou no ano passado no 2º ano. Ele percebeu que na segunda série seus alunos permaneceram concentrados durante toda a hora, enquanto os alunos da sexta série não conseguiram se concentrar por 1 hora.
    3. Um colega dá o exemplo de um exercício em que havia muitos cálculos a serem feitos e onde o tempo gasto era claramente insuficiente. Ele se pergunta se não são os próprios professores que são avaliados para ver se cumprem as instruções de adjudicação, especialmente com relação ao tempo.
    4. Alguns alunos são perfeccionistas, por isso passam muito tempo fazendo um exercício e, portanto, não têm tempo para terminar, como aponta um colega com o caso de seu filho na PC.
  • + Em vez disso:
    1. Eles são anunciados como avaliações de diagnóstico, mas são tarde demais para isso, pois os professores já têm seus alunos trabalhando por pelo menos cinco semanas.
    2. As avaliações são conduzidas na sexta série e estão no meio de um ciclo; portanto, isso contraria o espírito do programa que é realizado por ciclo, o que dá aos professores a oportunidade de organizar o ensino na ordem em que eles querem
    3. Vários colegas pensam que, ao colocar as avaliações nesse momento, o risco é avaliar o trabalho realizado no nível primário pelos professores das escolas.
    4. A maioria da comissão vê o interesse de uma avaliação. Seria interessante se essas avaliações fossem feitas no final do ciclo ou no início do próximo, porque são contratuais.
  • + Sobre a interpretação dos resultados:
    1. Dada a falta de clareza dos resultados, uma pessoa da assembléia propôs sua maneira de interpretá-los, ou seja, usando apenas os resultados daqueles que conseguiram validar as habilidades correspondentes sem levar em conta suas falhas. Portanto, não é possível interpretar os resultados de alunos que falharam em algumas áreas.
    2. Os resultados devem ser entregues aos pais. No entanto, por serem preguiçosos e ilegíveis, alguns colegas (instituição) tomaram a iniciativa de não divulgar seus resultados como são. Essa falta de explicação dos resultados também esteve presente no segundo, como aponta um colega em seu testemunho. Ela explica que, na reunião de pais e professores, a folha de resultados foi entregue na entrada da sala, mas os professores não comentaram. Eles simplesmente disseram que seus filhos iriam para a AP ou não, dependendo dos resultados.
    3. Documentos de trabalho para correção estão disponíveis na Eduscol. Eles são divididos por artigos. Mas os resultados são dados por domínio. Portanto, documentos precisos não podem ser usados ​​com a forma atual dos resultados.
    4. Pode-se pensar que os resultados com domínio insuficiente ou muito ruim correspondem a alunos fracos. Mas não é esse o caso. Os colegas dizem que os alunos excelentes geralmente acabam com resultados de proficiência muito baixos porque tentam chegar ao fim nos primeiros campos e, portanto, não têm tempo para resolver o restante. Sylvain Etienne indica que, se o assunto não estiver completamente concluído, ele não será validado, o que distorce a interpretação que se pode fazer dos resultados (os resultados indicam um controle muito insuficiente). Esse problema está relacionado ao horário de entrega. Além disso, indica que a ordem de passagem dos tópicos é aleatória e, portanto, diferente de um aluno para outro. Isso explica o espanto de um colega ao observar os exemplos de resultados projetados que indicaram um controle muito insuficiente em "Números e cálculos" e muito satisfatório no campo "Números e cálculos: resolver um problema".
  • + Em segundo plano:
    1. A palavra "avaliação" criou um estresse significativo para alguns alunos. Assustou as crianças a ponto de um aluno não poder começar sua avaliação.
    2. A construção das instruções pode ter interrompido o trabalho dos alunos. Por exemplo, nas avaliações de PC, os alunos foram solicitados a "varrer" o maior dos dois números. Isso incomoda os alunos porque, muitas vezes, proibi-lo é uma coisa ruim.
      Isso é consistente com o fato de que, em CP, entender o objetivo requer muito tempo para os alunos e isso é um problema.
    3. Um colega observou que nessas mesmas avaliações de PC, a ortografia sobre a fonética era preferida. Por exemplo, um professor que optou por trabalhar fonética e consonância teve alunos com ortografia incorreta. Serge Petit indica que esse problema de erros ortográficos é incompreensível porque não faz parte do final das habilidades do Ciclo 1 (verdadeiro, falso, três são palavras relacionadas a esse problema, consulte o léxico do jardim de infância fornecido pelo Ministério). Serge Petit mais uma vez ilustrou esse problema de ortografia com um exemplo de escola bilíngue, na qual 90% das respostas dadas em alemão foram escritas corretamente, enquanto em francês a porcentagem de respostas corretas era muito menor. Outro exemplo dado por Serge Petit refere-se à decomposição dos números 7 e 13. Este exercício é apresentado com as mãos, mas o problema é que a unidade não está indicada. Portanto, se a unidade for uma mão, existem duas mãos e se a unidade for o dedo, haverá 10 dedos.
    4. Alguns professores indicaram que tomaram a decisão de mandar alguns exercícios para os alunos porque era impossível para as crianças tratá-los.

conclusão:

  • + Em resumo, observamos que os professores, mas especialmente os alunos, sofreram durante essas avaliações. Não levamos em conta a criança.
  • + Além disso, tendo em vista as muitas diferenças (tempo de entrega, condição de entrega, conteúdo …), essas avaliações, chamadas de nacionais, não devem ser chamadas dessa maneira. Portanto, fazer estatísticas nacionais com todos os resultados não faz sentido.
  • + Em seguida, um colega sugeriu retornar as opiniões numerosas e interessantes sobre o conteúdo, a transferência e o momento de aprovação dessas avaliações. A comissão decide escrever uma carta aberta ao ministério.
  • No entanto, um colega observou que essas avaliações podem ser usadas para trabalhar entre colegas de primeiro e segundo ano, principalmente em reuniões de ligação entre a escola e a universidade.

Progressividade e benchmarks esperados para o final do ano:

  • Sophie Roubin, Sylvain Etienne e outras pessoas na sala de conferências lembraram que os parâmetros de referência não eram prescritivos, uma vez que foram publicados na BO através de um memorando. Tudo é feito para manter a confusão com os colegas. A comissão se manifestou sobre esse assunto com o texto on-line no site da APMEP: Expectativas e parâmetros de referência: não entre em pânico! Eles não são prescritivos!
  • Virginie Rieu propôs que essa mensagem fosse amplamente distribuída aos colegas.
  • No entanto, observou-se que seria interessante observar atentamente as expectativas para o final do ano e os parâmetros de progressividade.

Os programas:

Seguimos rapidamente os vários textos oficiais sobre os programas publicados nos últimos anos.

Uma nova mudança nos programas:

  • Trocamos um anúncio feito por JM Blanquer.
  • A mudança de currículo consistiria no ensino de matemática através de uma entrada no desenvolvimento sustentável. Uma preocupação foi notada por algumas pessoas. A matemática estará em perigo para favorecer essa entrada nos programas? (um pouco como o ensino de ciências no ensino médio).
  • Além disso, um colega disse que o comportamento nas instituições, como o papel da classificação, já deve estar alinhado com a questão do desenvolvimento sustentável antes de querer ensiná-lo.

O certificado da universidade:

O plano Villani – Torossiano:

Outra discussão teve origem nos seguintes tópicos:

  • → O plano Villani – Torossiano;
  • → Constituintes relativos à matemática;
  • → laboratórios matemáticos;
  • → 2019-2020 Ano da Matemática (abertura em 2 de outubro em Paris e encerramento em 16 de maio em Lyon)

Unidade Matemática de Referência (RMC):

  • + Uma pessoa intervém para dizer que lamenta que o recrutamento do RMC seja diferente de acordo com os departamentos e que muitas vezes não é proposto aos professores da universidade e do ensino médio. Apenas algumas academias ofereceram aos professores universitários essa missão.
  • + Dois colegas professores e o RMC testemunham sobre seus próprios recrutas que ocorreram em junho de 2018 e suas condições de trabalho. Eles são da Academia de Lyon. Eles foram recrutados respondendo a uma chamada de pedidos enviados para o endereço acadêmico. Eles se arrependem de não serem mais treinados em gerenciamento de equipes, treinando pessoas.
  • Eles confirmam que o recrutamento depende dos departamentos. No seu departamento, existem em parte professores das escolas (Rhône e Ain) e em parte conselheiros pedagógicos do distrito (Loire). O ambiente de trabalho é bom e a equipe é seguida pelo inspetor de referência responsável pela implementação do plano Villani-Torossian. Em Rhône, eles têm 2 dias de folga para realizar suas missões de referentes (um dia em Ain, mas por equipamento escolhido). Eles tiveram muito mais missões no ano passado, mesmo com o acompanhamento do PES (escolas de formação de professores).
  • + Em outros distritos eleitorais, os RMCs têm apenas um dia de quitação. Em outros departamentos, apenas o CPC (conselheiros pedagógicos de circunscrição) foi recrutado para missões do RMC e, às vezes, não especialistas. Existem 1.200 eleitorados. Se seguirmos as recomendações do relatório Villani-Torossian, precisaríamos de 600 posições equivalentes em tempo integral.
  • + Deve haver uma segunda onda de recrutamento que não aconteceu. Os únicos recrutamentos realizados preencheram vagas que foram deixadas por colegas que não desejavam continuar ou aceitaram outras tarefas.
  • + O recrutamento é muito local e nem sempre no sentido em que o que Charles Torossian defendeu, por exemplo, também tinha PLCs como o RMC. Aparentemente, não havia o suficiente.

Treinamento inicial de EF:

  • A discussão do RMC levou a uma discussão sobre o treinamento inicial de professores.
  • Algumas pessoas indicam que em alguns ESPE o treinamento inicial em matemática é limitado ao meio-dia, um colega testemunha seu próprio treinamento em que o professor de matemática está ausente e não é substituído, ela não fez um curso de matemática.
  • Atualmente, os futuros professores que estão sendo re-treinados e não seguiram o M1, têm apenas 12 horas de matemática por ano, enquanto é necessário saber ensinar a Seção Pequena no CM2 e saber o que eles tendem a fazer. programas para dar sentido ao chamado conhecimento "fundamental".
  • Para os alunos que seguiram o M1, eles acham que o aprendizado didático é apenas para a competição, mas não para o ensino.

Laboratório de Matemática:

A discussão foi levada ao tópico laboratórios matemáticos.

Recorde-se que os laboratórios matemáticos fazem parte de uma das medidas do plano Villani-Torossian. São locais, geralmente uma sala específica (equipada e equipada com material didático) nos estabelecimentos, onde equipes de professores voluntários podem pensar em projetos, apoiados por professores-pesquisadores do ensino superior, e treinar entre pares, equipes da mesma instituição ou do mesmo território.

Os laboratórios estão tentando alcançar professores que não vão treinar. A idéia é espalhar os estabelecimentos do território do laboratório.

A criação de laboratórios matemáticos nem sempre é conhecida por todos. Os laboratórios podem se referir a escolas e faculdades de ensino fundamental (ao contrário do que se possa pensar).

  • + Uma pessoa indica que os laboratórios estão trabalhando na Academia de Bordeaux, onde os professores indicados foram pagos. Mas em outras academias as informações não são tão claras e seu funcionamento depende da boa vontade de seus colegas.
  • + Surge a questão do financiamento.
  • O pagamento das missões dos referentes desses laboratórios depende das academias. Em algumas academias, como Versalhes, os gerentes de laboratório são pagos no IMP.
  • Quanto ao lado da pesquisa, o dinheiro foi enviado aos laboratórios de pesquisa.
  • Uma pessoa no anfiteatro testemunha o fato de que esse dinheiro está presente nas universidades, mas os pesquisadores nem sempre o conhecem e o descobrem aleatoriamente.
  • No momento, alguns laboratórios, onde as equipes eram voluntárias, não se desenvolveram e morreram desde o nascimento.
  • + Em Poitou-Charentes, 7 laboratórios de matemática estão em operação, um plano de treinamento já está planejado. Nesta academia, os recursos financeiros são alocados a pesquisadores, mas também a benchmarks de laboratório.
  • + Alguém pergunta se esses laboratórios de matemática são semelhantes aos IREMs e se eles não competem com eles.
  • A criação de laboratórios baseia-se na idéia de levar acadêmicos e professores para o campo, é também a organização de grupos do IREM. A questão é financeira: há dinheiro suficiente para doar a laboratórios (pesquisadores e professores) e grupos do IREM ao mesmo tempo? Outra questão surge: os IREMs foram chamados a intervir em laboratórios matemáticos?
  • No entanto, em algumas academias, a chegada de pesquisadores em laboratórios está comprometida. Três pessoas da Academia de Nice testemunham que os pesquisadores que não têm tempo suficiente para suas pesquisas não investem no IREM, que causou seu fechamento. Portanto, é improvável que eles vão aos laboratórios.
  • Na academia de Nice, para dar vida a esses laboratórios, a região de Nice-Córsega decidiu passar o dia dentro de um desses laboratórios.

Ano da Matemática 2019-2020:

  • Recorde-se que a abertura do ano da matemática ocorreu em 2 de outubro na Sorbonne em Paris. Ele será encerrado em maio, em Lyon, durante o grande fórum de matemática viva. Este será o local de treinamento para os Referentes do RMC e do Laboratório de Matemática (2 dias cada).
  • Uma pessoa no anfiteatro enfatiza que é lamentável que essas animações sejam reservadas apenas a um pequeno número de pessoas que já são iniciadas com um desejo de matemática.
  • Ele também lamenta que haja uma grande quantidade de dinheiro alocada para muito poucas pessoas.
  • No momento, não sabemos o que será feito para o público em geral.
  • No entanto, existe um desejo de que todas as ações realizadas pelos professores sejam relatadas e listadas sob o nome "Ano da Matemática".
  • Segundo as academias, o CNRS propõe ao PAF o treinamento realizado por pesquisadores de matemática.

Os tópicos da apresentação de slides foram muito discutidos. As discussões foram variadas e ocorreram em uma atmosfera pacífica.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar