Cidadania

✦ O Futuro da Carne à Base de Plantas – A Previsão – Quartzo

Olá membros do quartzo,

É um bom momento para ser vegetariano. Entre em qualquer supermercado nos Estados Unidos e você provavelmente encontrará prateleiras abastecidas com produtos à base de plantas, como hambúrgueres, cachorros-quentes e até mesmo nuggets de “frango”. E se você está com preguiça de cozinhar hoje, não tem problema. Grandes cadeias de fast-food como Dunkin’ Donuts, McDonald’s e Chipotle oferecem refeições à base de carne à base de vegetais. A melhor parte é que a maioria tem um gosto muito bom.

Apelando tanto para onívoros quanto para vegetarianos, a carne à base de plantas encontrou seu lugar no cardápio americano, mas se algum dia se tornará um prato principal permanece uma questão em aberto. Embora tenha desfrutado de um crescimento explosivo em seus primeiros anos, as vendas se estabilizaram em 2021 e agora estão crescendo lentamente. Para alguns, o fator novidade pode estar desaparecendo. Os clientes ficaram impressionados com a primeira mordida de um Impossible Burger, dourado até uma cor rosa crocante e escorrendo por dentro, com um sabor surpreendentemente carnudo que você não esperaria da proteína de soja, óleo de coco e sabores derivados de plantas, mas quando sua novidade passou, era apenas um hambúrguer, com um preço mais alto e contagem de calorias semelhante à sua contraparte tradicional de carne.

Quando os americanos se encontram no corredor de alimentos refrigerados pesando meio quilo de carne moída contra um pacote de carne à base de vegetais que custa o dobro, qual deles eles levarão realisticamente para a fila do caixa?

fundo

Embora as alternativas de carne à base de plantas existam há décadas (Quorn ou Boca Burgers, alguém?), a carne à base de plantas, que imita exclusivamente o sabor e a textura da proteína animal, entrou em cena em 2019. Isso foi, de acordo com Food media, “o ano do hambúrguer à base de plantas”: Impossible Whopper fez sua estréia no Burger King, e a Beyond Meat teve o IPO de maior sucesso do ano. Entre 2019 e 2020, as vendas de carnes vegetais cresceram 45%, chegando a US$ 1,2 bilhão. Em pouco tempo, hambúrgueres, tacos e frango frito à base de plantas estavam esgotando nas redes de fast-food favoritas da América (e, lentamente, em alguns de seus locais na Europa e na Ásia também). Os americanos, especialmente os millennials ricos e educados e a Geração Z, compraram.

Durante os primeiros meses da pandemia, as vendas continuaram a crescer, impulsionadas em parte pela lotação frenética da despensa. Mas no segundo ano de covid-19, começaram a declinar, atingindo um patamar no final de 2021 que continua até hoje. Em 2021, a carne à base de vegetais representou pouco mais de 1% das vendas de carne nos EUA. Alguns profissionais do setor veem a desaceleração das vendas como um sinal de que a carne à base de vegetais está destinada a se tornar um produto de nicho, como carne orgânica e alimentada com capim, em vez de do que o convencional.

prós e contras

Desde a sua criação, a carne à base de plantas tem sido comercializada como uma alternativa sustentável à carne de origem animal, que é amplamente considerada um grande agressor climático, devido às grandes emissões de carbono, desmatamento e uso de água associado à criação de gado ou aves. Os críticos tentaram abrir buracos nas alegações verdes da indústria à base de plantas, mas é geralmente aceito que, sim, a carne à base de plantas é melhor para o meio ambiente do que a carne animal. Também é menos carregado eticamente, pois os animais não são prejudicados no processo.

➕ Alguns argumentam que tem o potencial de aliviar a insegurança alimentar porque será capaz de atender à demanda do consumidor por carne, pois as mudanças climáticas tornam a criação de animais em escala industrial cada vez mais difícil e precária.

➖ O custo da carne à base de plantas, que é cerca de duas vezes maior do que a carne moída convencional, continua proibitivamente caro para alguns consumidores. O investimento privado e público é necessário para ajudar a indústria a escalar e se afastar de seu modelo atual de alta margem e baixo volume.

➖ Existem preocupações sobre as grandes quantidades de calorias, gordura saturada e sódio na carne à base de vegetais. (Parte da preocupação decorre da expectativa de que os alimentos à base de plantas sejam projetados para serem saudáveis, quando o objetivo é simplesmente substituir a carne.)

➖Enquanto os EUA adoram hambúrgueres e nuggets, as ofertas limitadas atualmente disponíveis em grandes supermercados e restaurantes podem em breve começar a ficar obsoletas.

Os jogadores

  • Alimentos impossíveis e além da carne: Agora nomes familiares, essas marcas estão entre os 10 mais vendidos nesta categoria. Recentemente, eles reduziram os preços em um esforço para igualar o custo da carne.
  • oniporco: Criada pela Green Monday, com sede em Hong Kong, esta empresa é especializada em carne suína à base de plantas, com produtos como carne moída, carne de porco desfiada e frios (também conhecido como SPAM vegano). Depois de conquistar a Ásia, fez sua estreia nos EUA na Sprouts, uma rede de supermercados focada na saúde, e em um punhado de locais da Whole Foods em 2021. A Omnipork recentemente começou a oferecer frutos do mar, como filés de peixe e bolos de caranguejo.
  • Quintal: De propriedade da canadense Conagra, a Gardein é outra empresa de destaque nesse segmento, mais conhecida por suas almôndegas e refeições congeladas à base de vegetais. Recentemente, expandiu-se para produtos de imitação de frango com uma linha de bifes, nuggets e bifes “Chick’n”.
  • Boa pegada: Concorrente no nascente espaço de frutos do mar à base de vegetais, a Good Catch, de propriedade da Gathered Foods, faz filés de peixe, bifes e hambúrgueres, além de bolos de caranguejo e bolos de peixe. Em 2021, a Good Catch lançou itens de menu com a cadeia de fast food Long John Silver’s e expandiu para as lojas Sprouts em todo o país.

🔮 Previsões

Por enquanto, a carne à base de plantas tem sido mais bem-sucedida em permanecer próxima de seu corolário à base de animais. “É notável que o crescimento da carne à base de plantas seja dominado por produtos análogos aos produtos de carne convencionais que se assemelham ao sabor, textura e aparência da carne convencional”, diz Emma Ignaszewski, gerente de projetos do Good Food Institute. , uma organização sem fins lucrativos que defende carnes e proteínas alternativas. “Para conquistar os consumidores, os produtos à base de carne devem ter um sabor delicioso.”

O futuro ficará mais estranho, com:

  • Mais Tipos de carne, especialmente aves. Este ano, diz Ignaszewski, houve um “aumento de lançamentos de frango à base de plantas” nas prateleiras das lojas. A indústria também está procurando expandir os frutos do mar à base de plantas, que atualmente representam apenas 1% do mercado de carne à base de plantas.
  • Produtos pré-fabricados mais variados. À medida que a tecnologia melhora, os consumidores podem esperar “cortes inteiros”, de “bife a bacon, salmão e sushi, que podem ser a estrela do prato”, diz Ignaszewski. Uma startup, chamada Black Seed Foods, está até desenvolvendo cordeiro à base de plantas, caça selvagem e carnes tradicionais.
  • Ingredientes mais naturais. Para abordar as preocupações dos consumidores sobre listas de ingredientes que soam como “produtos químicos”, as marcas provavelmente apresentarão receitas “mais limpas”. A Lightlife, de propriedade da Maple Leaf Foods, já removeu produtos de origem animal como ovos e sintéticos como maltodextrina e carragenina de seus produtos, e uma startup chamada Sundial Foods possui uma asa de frango à base de plantas que tem apenas oito ingredientes.
  • Mais novas empresas. Embora fabricantes de alimentos tradicionais como Kellogg’s (proprietário da MorningStar Farms) e Tyson (que recentemente lançou Raised and Rooted) estejam entrando na indústria de carne à base de vegetais, Ignaszewski espera que haja muito espaço para startups neste espaço. Basta olhar para a mistura de startups e empresas que fabricam leite à base de plantas, que agora representa 15% de todo o leite vendido nos EUA, diz ela.

som desligado

A carne à base de plantas substituirá a carne tradicional na dieta americana?

Sim, traga o filé mignon à base de plantas.

Não, eu tenho problemas com essa noção

Não podemos simplesmente apreciar os vegetais pelo que eles são?

Na pesquisa de exercícios em casa da semana passada, 43% dos entrevistados disseram que prefeririam se exercitar sozinhos, sem um instrutor. Parece que vamos todos malhar em casa por mais algum tempo.

Que tenha uma boa semana,

—Yasmin Tayag, Contribuinte (pergunte-me sobre meu assassino Impossível longanisa prescrição)

uma 🌱 coisa

Embora a carne à base de plantas pareça, sinta e tenha gosto cada vez mais real, alguns preveem que os consumidores acabarão se cansando de imitar a carne e o processamento que a acompanha. O que vem depois da carne à base de plantas pode estar comendo novamente pisos. Por que comer um hambúrguer à base de plantas quando você pode comer um delicioso bife de cogumelos?

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo