Cidadania

VC Eric Li diz que essas empresas definirão a nova economia da China – Quartz

A repressão tecnológica da China deixou claro que Pequim quer afastar sua economia das empresas de internet de consumo.

Mas se essas grandes empresas de tecnologia caíram em desuso oficial, que tipos de empresas de alta tecnologia a China preferiria priorizar?

O franco investidor de risco Eric Li, nascido na China e educado nos Estados Unidos, argumenta que existe uma maneira simples de resolver isso.

Se a era da Internet do consumidor das últimas duas décadas pode ser definida como “capital alavancando a China”, disse Li em um discurso em uma conferência do setor neste mês, então nas próximas duas décadas Pequim vai querer garantir que “a China aproveite o capital”.

Isso pode parecer abstrato, mas ecoa preferências que Pequim deixou claro em vários discursos oficiais e diretrizes políticas nos últimos dois anos.

Por exemplo, as autoridades falaram muito sobre querer desenvolver a economia “real” em vez de apenas a economia digital (embora afirmem que isso ainda é importante). Em vez de direcionar a tecnologia para aplicativos de transporte, serviços de entrega de alimentos e plataformas de mídia social, Pequim quer usar a tecnologia para aumentar sua capacidade de fabricação.

Internet industrial, robôs industriais, materiais avançados

Li identifica três empresas específicas que exemplificam a visão de Pequim para sua nova economia.

Uma delas é a Baibu, uma plataforma para comercializar tecidos e digitalizar o setor têxtil tradicional. Como diz Li, o objetivo é conectar o cenário fragmentado de fabricação têxtil da China para melhorar a eficiência e reduzir custos, e transformar fábricas físicas em fábricas baseadas em nuvem capazes de conectar milhares de teares.

Outra empresa é a UMA Intelligent Group (link em chinês), que está desenvolvendo robôs industriais para automatizar a tradicional indústria de soldagem, um setor intensivo em mão de obra e qualificação.

E a terceira empresa é a Baiaoheng, que está desenvolvendo um processo de conversão de escória, subproduto da indústria de fundição, em material semelhante ao cimento. Dado o pesado investimento da China em infraestrutura e imóveis, o país precisa de muito cimento.

As empresas que Li escolheu são exemplos dos tipos de pequenas empresas gigantes” que o governo chinês quer promover.

As empresas “pequenas gigantes” são assim chamadas porque geralmente são empresas menores e pouco conhecidas, mas mesmo assim possuem produtos e conhecimentos especiais em várias cadeias de suprimentos em diferentes setores estratégicos, incluindo manufatura avançada, semicondutores e eletrônicos. Até agora, Pequim identificou vários milhares dessas empresas “pequenas gigantes” em todo o país.

Nutrir esses “pequenos gigantes”, como diz o pensamento oficial, ajudaria a China a se tornar mais autossuficiente. Ao mesmo tempo, incorporar “pequenos gigantes” nas cadeias de suprimentos globais alcançaria outro objetivo fundamental: tornar outros países mais dependentes da China.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo