Cidadania

Um excesso de lítio barato pode reduzir os preços dos veículos elétricos no próximo ano: Quartzo

Um dos maiores obstáculos para a adoção generalizada de veículos elétricos (VEs) é a escassez de metais usados ​​para fabricar baterias de veículos elétricos. As minas que produzem lítio, níquel e cobalto não estão se expandindo com rapidez suficiente para atender à crescente demanda por carros elétricos. Como resultado, os preços desses metais dispararam, ameaçando aumentar o custo de baterias e veículos elétricos (assim como laptops, telefones celulares e qualquer outro dispositivo eletrônico portátil que use uma bateria de íons de lítio). ).

Os altos custos do metal podem fazer com que os preços das baterias subam este ano pela primeira vez em mais de uma década, segundo analistas do grupo de pesquisa Bloomberg New Energy Finance. E, como as baterias são o componente mais caro em um EV, as baterias mais caras podem elevar o preço dos carros elétricos em US$ 1.500 a US$ 3.000. O custo médio de um EV é de cerca de US$ 66.000, de acordo com dados de março da Cox Automotive.

Os preços mais altos dos veículos elétricos estão assustando os compradores. Isso atrasa a transição de carros movidos a gasolina para carros elétricos, o que significa que os carros acabarão emitindo mais dióxido de carbono. Em outras palavras, os altos preços dos metais não são apenas um empecilho para os lucros das montadoras; eles também dificultam os esforços para manter o aquecimento global abaixo de 2°C e evitar os piores impactos das mudanças climáticas.

Mas há um grão de esperança para o mercado de veículos elétricos. Uma nota de pesquisa do Goldman Sachs publicada em 29 de maio prevê que os preços dos metais das baterias cairão nos próximos dois anos. Analistas do Goldman acreditam que as empresas já estão construindo muitas minas de lítio, níquel e cobalto, o que levará a um excesso de metais até 2023. (As empresas também estão aumentando os esforços para reciclar os metais, mas isso continua sendo uma fonte insignificante de material. ). em comparação com a nova mineração). No ano passado, estimam os analistas, o mundo produziu 11% menos lítio do que precisava. Mas até 2025, as minas recém-construídas produzirão 23% mais lítio do que as montadoras e outras empresas podem usar.

Goldman Sachs prevê que superávit conterá disparada custo dos metais da bateria. Os analistas preveem que o preço médio anual do lítio atingirá um pico de cerca de US$ 54.000 por tonelada métrica este ano, quase nove vezes maior do que em 2020. Mas eles acreditam que o preço cairá rapidamente para US$ 11.000 por tonelada métrica até 2024, o que é (quase) o dobro o preço de 2020.

A ascensão e queda, e aumento, dos preços do metal de bateria

Embora o Goldman Sachs preveja que as montadoras encontrarão algum alívio com a escassez de metais nos próximos anos, é improvável que essa pausa dure. O consumo global de metais para baterias continuará aumentando, preveem analistas, e até o final da década, a demanda alcançará a oferta e aumentará os preços novamente.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo