Cidadania

Por que Elon Musk quer que a Tesla comece a minerar lítio?

Contratações individuais em grandes empresas como a Tesla normalmente não atraem atenção externa. Mas quando, em meados de abril, um geólogo de exploração anunciou no LinkedIn que havia deixado a Rio Tinto para ingressar na Tesla, provocou especulação. Por que um geólogo? Por que Tesla? Que planos malucos Elon Musk tinha agora?

Em 8 de abril, depois de reclamar do preço exorbitante do lítio, um elemento indispensável nas baterias da Tesla, Musk sugeriu que sua empresa poderia ter que minerar o próprio metal. A Tesla pode ter outros planos para seu novo geólogo, é claro, mas Musk não é o único em seu setor tentando garantir suprimentos de metais essenciais para baterias de armazenamento e veículos elétricos.

Os preços de muitos desses metais estão subindo rapidamente. Os preços do lítio aumentaram quase 500% no ano passado, de US$ 17.000 por tonelada para quase US$ 80.000 por tonelada. Cobalt está no mesmo bairro de preço; o custo do níquel ultrapassou brevemente US$ 100.000 a tonelada no início de março. As razões para esses aumentos são múltiplas: um forte boom na demanda por veículos elétricos; Interrupções na cadeia de suprimentos relacionadas ao COVID; sanções à Rússia, que produz 15% do grau mais puro de níquel.

Empresas de carros elétricos querem entrar no negócio de mineração

As baterias elétricas consomem muitos materiais. O lítio, por exemplo, não está em falta, mas a bateria média de um veículo elétrico requer cerca de 10 kg do metal. Por sua vez, 5,3 toneladas de minério de carbonato de lítio produzem uma tonelada de lítio. Os minérios de cobalto e níquel, da mesma forma, devem ser extraídos do solo e depois processados ​​pesadamente para atingir os níveis de pureza necessários. A indústria de mineração ainda não está pronta para fornecer suprimentos desses metais nas grandes quantidades purificadas necessárias aos fabricantes de baterias, o que significa que, como o CEO da Rivian Automotive, RJ Scaringe, disse ao Wall Street Journal, “90% de 95% da cadeia de suprimentos não existir.”

Como resultado, os fabricantes de veículos elétricos estão tentando encurtar as cadeias de suprimentos desses metais, aproximando suas fontes. No ano passado, a General Motors investiu em um projeto de extração de lítio na Califórnia e a BMW fez o mesmo na Argentina. A Volkswagen assinou um acordo vinculativo de compra de lítio de uma mina alemã. A Tesla já possui os direitos de um depósito de reivindicação de lítio espalhado por 10.000 acres de Nevada. A CATL, fabricante chinesa de baterias, comprou uma empresa canadense de mineração de lítio por quase US$ 300 milhões. E, em uma inversão de papéis, a gigante de mineração Glencore comprou uma fabricante britânica de baterias no ano passado.

A maioria desses movimentos foi feita ao longo do ano passado, à medida que os preços dos metais subiram, mas novos projetos levarão tempo para entrar em operação. Analistas temem que a transição para veículos de baixo carbono vá parar se os preços dos metais continuarem altos. Mais pessoas comprarão veículos elétricos se o custo de suas baterias cair, como aconteceu entre 2014 e 2020, de US$ 290 por quilowatt-hora para US$ 110. Convencer as pessoas a comprar veículos elétricos em vez de carros a gasolina para salvar o planeta é bastante difícil. Se os preços das baterias subirem, convencer as pessoas a comprar veículos elétricos mais caros será um trabalho ainda mais ingrato.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo