Cidadania

Planos de veículos elétricos da Mercedes-Benz, BMW e Audi dependem da China: Quartz

Três grandes montadoras alemãs fizeram anúncios separados este mês que ressaltam a importância da China para suas ambições de veículos elétricos.

A Mercedes-Benz acaba de iniciar a produção de seu modelo EQE totalmente elétrico em sua fábrica de Pequim. Logo depois, a BMW abriu oficialmente uma nova fábrica na cidade de Shenyang, no nordeste. Dias depois, a Audi inaugurou uma nova fábrica na cidade de Changchun, no nordeste do país.

Anúncios consecutivos das empresas chamaram a atenção da mídia chinesa. “As três maiores montadoras de luxo alemãs…

A mídia estatal chinesa Xinhua chama os investimentos contínuos das montadoras europeias na China de “espetáculo”. [of] confiança” no controle da pandemia e no desenvolvimento econômico do país.

Mas, mais do que tudo, os eventos recentes mostram o grau em que as montadoras europeias veem a China como indispensável para seus planos de se tornarem grandes players em veículos elétricos.

A Mercedes-Benz, por exemplo, planeja se tornar totalmente elétrica até 2030. A Audi encerrará a produção de carros com motor de combustão interna até 2026. E a BMW espera que as vendas sejam 50% elétricas até o final desta década.

Para atingir esses objetivos, eles precisarão de muitos minerais, capacidade de processar esses minerais e baterias. Configurar a produção na China, que domina a cadeia de suprimentos de VEs, aproxima as montadoras de todos esses insumos.

É claro que também significa uma dependência significativa de um país com o qual as relações da Europa estão cada vez mais tensas.

A Volkswagen, empresa controladora da Audi, ilustra os riscos de depender de Estados autoritários. O grupo depende da China para pelo menos metade de seu lucro líquido anual, segundo o Financial Times. E defendeu consistentemente suas operações em Xinjiang, onde a China é acusada de abusos em larga escala dos direitos humanos.

Essa é agora uma posição cada vez mais difícil para a Volkswagen. Em maio, o governo alemão negou as garantias de investimento do grupo para projetos na China por motivos de direitos humanos. No início deste mês, o maior sindicato da Alemanha questionou a presença contínua da empresa em Xinjiang. Um grande acionista também pediu à empresa que analise as alegações de abuso de direitos humanos.

Apesar dos anúncios recentes das montadoras europeias, a maré pode estar lentamente virando contra forte dependência das empresas chinesas.

“É um indicador de uma mudança maior chegando”, diz Gregor Sebastian, analista do think tank alemão Mercator Institute for China Studies (MERICS), referindo-se à rejeição de garantias de investimento para a Volkswagen. “Esse automatismo de que o que é bom para [German businesses] no exterior é bom para a Alemanha em casa, acho que isso acabou.”

Enquanto isso, as interrupções das políticas de zero covid da China estão forçando as empresas a reconsiderar suas operações lá. Uma pesquisa recente da Câmara de Comércio Européia mostrou que quase uma em cada quatro empresas européias está pensando em sair da China (pdf, p.12).

Mas, por enquanto, o dinheiro fala. E para o trio de montadoras da Alemanha, ainda há muito dinheiro a ser ganho na China.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo