Cidadania

Líderes africanos desafiam normas que excluem as mulheres do comércio — Quartz Africa

Apesar do fato de que as mulheres dirigem a maioria das pequenas e médias empresas na África, elas têm uma lacuna de financiamento de US$ 42 bilhões em comparação com os homens. As empresas de propriedade de mulheres tendem a ser subfinanciadas, mas superestimadas pela destinação de certos pequenos fundos para elas, o que, ironicamente, às vezes as coloca em desvantagem.

“Por que estamos vinculados ao microcrédito, pequenas quantias que não fazem diferença? Como uma mulher cresce e desenvolve seu negócio?, perguntou a vice-presidente da Libéria, Jewel Taylor, em uma conferência na Tanzânia nesta semana que se concentrou em mulheres e jovens como o “motor” necessário para que o marco do acordo de livre comércio da Libéria na África tenha sucesso. Simplesmente deixar de lado os esquemas para as mulheres não é suficiente se as vastas quantias de dinheiro disponíveis para os homens estiverem fora de alcance, acrescentou.

Taylor e alguns Os líderes de mais alto escalão da África estão pedindo uma ação deliberada para que mais mulheres aprendam ciências na escola e escolham os negócios como carreira, não uma alternativa desesperada mais tarde na vida. Entre os que lideram a convocação estão a ex-presidente do Malawi, Joyce Banda, e a presidente da Etiópia, Sahle-Work Zewde.

Desde que o comércio começou oficialmente em janeiro do ano passado, a Área de Livre Comércio Continental Africana (AfCFTA) marcou alguns marcos na marcha para uma atividade comercial significativa. Já existe um manual de regras de origem (pdf) que detalha os critérios para isenção de mercadorias do imposto especial, além de um portal eletrônico de alíquotas.

UMA iniciativa empresarial orientada foi lançado em julho como um esquema comercial piloto envolvendo Gana, Quênia, Camarões, Tanzânia, Ruanda e Egito. PAPSS, a central de pagamentos da África para liquidar transações em moedas locais, está operacional.

Mas, embora identifiquem algum progresso ao longo do tempo, as principais líderes femininas da África dizem que o continente deve remover as “falsas regras” existentes que impedirão que metade de sua população se beneficie totalmente do acordo comercial.

Eleições antecipadas afastam as mulheres da liderança

Zewde falou de normas sociais que prejudicam as mulheres nos negócios e áreas afins, como resultado da concentração da liderança nos homens. “Essas normas também estão incorporadas em instituições educacionais que desencorajam as mulheres a buscar ciência e treinamento que melhorem as habilidades de negócios”, disse ela em uma das sessões do painel da conferência hoje (12 de setembro).

Na mesma linha, Taylor atribuiu as diferenças de gênero na atividade empresarial à disparidade entre a liberdade que meninas e meninos tiveram para escolher aventuras na infância. “Quando você treina uma garota com restrições em sua mente e então ela chega a um ponto em que ela deveria voar, como ela voa? Então começamos a falar sobre mentoria, mas nunca temos que orientar homens.”

Não são reclamações novas. Em partes da África como a Nigéria, a maior proporção de crianças fora da escola são meninas. As leis de herança restringem o acesso das mulheres africanas à terra, finanças e outros meios de negócios.

Houve algum reconhecimento do progresso, mesmo quando surgem fundos para apoiar as fundadoras africanas.

A vice-presidente de Uganda, Jessica Alupo, também no painel, citou sua presença na conferência como um sinal de que as mulheres africanas têm cada vez mais meios de subir na carreira e liderar os negócios. Banda, vista como uma mulher política africana pioneira, divulgou seu status atual como empresária exportadora chilena como um indicador para expandir as oportunidades de empreendedorismo feminino na África.

Ainda assim, poucas mulheres estão escolhendo negócios em uma idade jovem e a falta de dados sobre participação está dificultando intervenções políticas eficientes, disseram líderes e membros da audiência.

“Gostaria de propor que nossos governos considerem a introdução da educação em gestão de negócios em nossos currículos” nas escolas primárias e secundárias, disse Banda. “Temos falado demais, agora temos que agir.”



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo