Cidadania

Lições para o movimento anti-racismo da era pós-apartheid na África do Sul – Quartz Africa


Para muitos sul-africanos, as imagens dos protestos de Black Lives Matter exibidas em suas telas de televisão evocam lembranças do ativismo anti-racista que consumiu o país nas décadas de 1970 e 1980. O movimento anti-apartheid, que pedia a liberdade dos negros e direitos iguais para todos os sul-africanos, acabaria se espalhando pelo mundo. Décadas de trabalho e sangue resultaram nas primeiras eleições democráticas da África do Sul em 1994 e em um frágil experimento nacional baseado no conceito de “não-racialismo” e apresentado ao mundo como a “Nação Arco-Íris”.

O movimento Black Lives Matter pode indicar a expiração desse ideal.

Quase três décadas de discussões dolorosas, cotas de ação afirmativa e programas de fraca diversidade falharam em mudar os desequilíbrios na economia e nas indústrias do país. Apesar de os negros representar 80% da população, eles representam apenas 10% dos CEOs das empresas listadas na Bolsa de Valores de Joanesburgo, de acordo com um relatório de 2019 da PricewaterhouseCoopers. A desigualdade de renda piorou e as pessoas brancas ainda têm mais chances de encontrar emprego e ganhar mais do que outros grupos populacionais. Essas disparidades se manifestam nas condições de vida, com muitos sul-africanos negros ainda confinados aos municípios nos arredores dos centros centrais de produtividade.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar