Cidadania

Larry Fink da BlackRock está preocupado com o plano de desinvestimento do Big Oil – Quartz

Grandes empresas de petróleo e gás estão sob pressão sem precedentes de acionistas, tribunais, reguladores e o público para reduzir suas emissões de carbono e ajudar a prevenir as mudanças climáticas. Muitos estão optando por aprimorar seus negócios nos ativos mais eficientes e de alto rendimento – plataformas, direitos de perfuração, refinarias, dutos e similares – e vender o que é particularmente intensivo em carbono.

De acordo com a consultoria de energia Wood Mackenzie, uma venda global de pelo menos US $ 140 bilhões em ativos de petróleo e gás está em andamento. É motivado por preocupações com as emissões, incerteza de longo prazo sobre a demanda de petróleo em um mundo descarbonizado e o desejo de muitas empresas de petróleo de pagar dívidas e levantar dinheiro para pagamentos de dividendos e outros benefícios aos acionistas. A Shell, por exemplo, vendeu quase US $ 1 bilhão em ativos no Egito em março e está considerando vender até US $ 10 bilhões em ativos no Texas.

Essa estratégia é ótima para fazer com que o balanço patrimonial de uma empresa de petróleo pareça mais verde. Mas esses ativos não param de ser emitidos quando eles mudam de mãos de um proprietário para outro, e um número crescente de economistas de energia teme que, em vez disso, possam se tornar ainda mais difíceis de cancelar.

O problema da onda de desinvestimentos das grandes petroleiras

Larry Fink, CEO da BlackRock, a maior administradora de ativos do mundo, é o último a soar o alarme. Em uma reunião dos ministros das finanças do G20 em Veneza em 11 de julho, Fink alertou que “o desinvestimento, seja feito de forma independente ou por ordem judicial, pode trazer uma empresa individual para mais perto da rede zero, mas não faz nada para trazer o mundo para mais perto da rede zero . “

Esses ativos são comprados principalmente por empresas petrolíferas privadas menores ou empresas estatais, como a Saudi Aramco. Ambos os grupos não têm a obrigação de divulgar nada sobre suas operações, o que obriga essas emissões a irem para a sombra. As pequenas empresas estão menos dispostas e menos eficazes para acompanhar o hardware de controle de emissões mais recente e um histórico muito pior do que grandes derramamentos. Enquanto isso, as empresas estatais estão frequentemente dispostas a continuar a produção mesmo quando o preço do petróleo está baixo, o que significa que os ativos que possuem têm maior probabilidade de serem usados ​​no futuro.

Demanda de petróleo ainda é muito alta

No entanto, Fink não coloca toda a culpa nas Big Oil. Em última análise, disse ele, um problema maior é que a demanda por petróleo não está caindo rápido o suficiente (sem contar a queda da pandemia). Se os legisladores e o público conseguirem pressionar as Grandes Petrolíferas a se desfazerem sem fazer mais para eletrificar o setor de transporte e eliminar outras fontes de demanda de petróleo, disse Fink, o efeito será empurrar o preço do petróleo para US $ 100 ou mais por barril. que “só vai semear maior desigualdade econômica” e aumentar ainda mais as emissões.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo