Cidadania

Companhias aéreas de baixo custo na Europa sobrevivem sem resgates de bilhões de dólares – Quartzo


Como uma indústria aérea européia devastada procura aumentar os voos no próximo mês, a companhia aérea de baixo custo Wizz Air está aumentando mais do que o resto.

As ações da empresa com sede em Budapeste aumentaram mais de 40% desde meados de março, quando a crescente pandemia de coronavírus forçou a maioria das companhias aéreas da Europa a sentar-se na pista.

Para proteger a indústria e evitar a perda de empregos, funcionários do governo investiram bilhões de dólares em grandes companhias aéreas, como a alemã Lufthansa e a empresa franco-holandesa Air France-KLM. Apesar da imensa ajuda específica para as companhias aéreas, os investidores parecem mais otimistas sobre as perspectivas da Wizz, cujas ações superaram outras grandes companhias aéreas europeias este ano.

As companhias aéreas esperam voltar ao trabalho. Uma grande quantidade de países europeus deve reabrir suas viagens aéreas dentro do continente antes de 1º de julho, e pontos turísticos estão se preparando para convidar visitantes que retornam. Os reguladores estabeleceram uma estrutura para a aviação reiniciar.

O próximo grande passo será a remoção de restrições ao tráfego internacional, segundo analistas do Morgan Stanley, liderados por Carolina Dores. A Grã-Bretanha tem uma quarentena de 14 dias para viajantes internacionais que está sendo contestada judicialmente pela British Airways, Ryanair e easyJet. A quarentena será analisada pelo governo do Reino Unido em 29 de junho.

À medida que os vôos aumentam, as companhias aéreas de baixo custo, como Wizz, Ryanair e easyJet, são mais hábeis em gerenciar a queima de dinheiro enquanto seus aviões estão no solo, ajudando-os a resistir à interrupção da pandemia. Jarrod Castle, analista do UBS, ressalta que essas empresas são chamadas de “baixo custo” por um motivo.

“Isso tem a ver com a escala de suas operações e com a eficiência relativa de cada operadora”, afirmou ele em entrevista por telefone. “Eles conseguiram impedir a queima relativamente rápido. É literalmente todos os itens de linha, a maneira como seus negócios operam”.

As ações da Ryanair e da Wizz estão melhores agora do que a Air France-KLM e a Lufthansa, segundo o Morgan Stanley. Isso ocorre porque as transportadoras de bandeira confiam mais em viagens de negócios e rotas de longa distância que provavelmente serão mais lentas para se recuperar. Eles também terão muito trabalho a fazer para pagar o dinheiro emprestado pelos contribuintes. (A Norwegian Air, uma companhia aérea com desconto para voos de longo curso que obteve um empréstimo de US $ 271 milhões do governo norueguês, caiu mais de 90% no mercado de ações este ano.)

“Eles precisarão de uma profunda reestruturação para pagar empréstimos do governo”, escreveram analistas do Morgan Stanley.

O apoio extraordinário do governo às transportadoras de bandeira alemã e francesa tem sido controverso. A Air France-KLM, que pertence em parte aos governos francês e holandês, obteve um resgate de cerca de US $ 11 bilhões em empréstimos. A Lufthansa recebeu financiamento de cerca de US $ 10 bilhões (quase o suficiente para comprar a Ryanair, com base em sua capitalização de mercado de US $ 13 bilhões), que inclui o governo com 20% ou mais da companhia aérea. A Itália deve nacionalizar sua companhia aérea, a Alitalia, que sofreu anos de perdas. E nos Estados Unidos, várias operadoras estão sendo apoiadas por meio de um resgate de US $ 25 bilhões, composto por doações e empréstimos.

O CEO da Wizz, József Váradi, diz que o apoio do governo distorce “completamente” o campo de jogo. “Muito está sendo feito para a companhia aérea nacional quando se trata de termos de negócios, quando se trata de colocar barreiras administrativas aos concorrentes invasores”, disse ele em uma teleconferência em 3 de junho. “Ajuda financeira fácil: se isso é liquidez ou capital fornecido pelos governos, essencialmente isso preserva muitas das ineficiências que esses operadores nacionais enfrentam”.

Um porta-voz da Air France-KLM se recusou a comentar além de um comunicado divulgado em 7 de maio sobre os termos do financiamento do governo. A Lufthansa não respondeu a um pedido de comentário.

Para funcionários de Frankfurt e de outros lugares, é provável que o principal objetivo seja reduzir pesadas perdas de empregos e impedir que indústrias inteiras entrem em queda livre. Do ponto de vista do emprego, seus esforços podem estar funcionando, em alguns casos. A Easyjet e a British Airways estão enfrentando demissões de cerca de 30% da força de trabalho, enquanto a Lufthansa registrou cortes de cerca de 16% e a Wizz, cerca de 20%.

“O que os governos estão tentando fazer é preservar a indústria, preservar o emprego”, afirmou Castle. Os portadores da bandeira “vão emergir menores, mas teriam sido ainda menores se não tivessem essa ajuda”.

Isso não significa que as companhias aéreas de baixo custo não tenham recebido nenhuma ajuda do governo. A Wizz, a easyJet e a Ryanair aproveitaram o programa administrado pelo Banco da Inglaterra para empréstimos de curto prazo (papel comercial), por exemplo. A diferença, dizem analistas e executivos, é que essa ajuda está disponível para todas as empresas que atendem a critérios de crédito suficientes, em vez de escolher um advogado nacional para suporte especial e grandes participações acionárias. A transportadora de bandeira britânica British Airways, parte do IAG, não recebeu financiamento governamental especializado, mas aproveitou o mesmo empréstimo que a Wizz e as outras companhias aéreas de baixo custo.

Michael O’Leary, CEO da Ryanair, disse estar agradecido por qualquer esquema de suporte, desde que aberto a todos os operadores. Ele diz estar preocupado com o fato de alguns grandes concorrentes emergirem da crise com fundos para comprar rivais ou oferecer voos abaixo do custo. “Enfrentamos um mercado extremamente distorcido em toda a Europa, eu acho, pelos próximos quatro ou cinco anos”, disse O’Leary.

Enquanto isso, uma questão-chave é se as companhias aéreas que recebem forte apoio do governo prosperarão na economia pós-Covid. Ainda é desconhecida a rapidez e até que ponto os viajantes retornarão aos seus antigos hábitos de férias, e o mesmo se aplica aos viajantes de negócios lucrativos. Epidemiologistas e funcionários estão ansiosos para detectar sinais de uma segunda onda de infecções por coronavírus que poderiam forçar outra rodada de bloqueios e restrições de viagens. Existe o risco de o apoio do governo às principais companhias aéreas adiar uma reestruturação ainda maior e mais inevitável.

Mesmo quando a jornada começa a decolar, é provável que haja mais turbulência.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar