Pesquisadores descobriram uma nova abordagem para tratamento de alergia e asma baseada em anticorpos. Não é nada menos do que um avanço que poderia ter um grande impacto no desenvolvimento de novos medicamentos nos próximos anos. A foto mostra Edzard Spillner em primeiro plano.
Crédito: (Foto: Lars Kruse)

Pesquisadores descobriram um novo mecanismo no qual um anticorpo pode prevenir reações alérgicas em uma ampla gama de pacientes. O avanço pode abrir o caminho para um remédio para alergia muito mais eficaz.

Houve grande empolgação no laboratório quando pesquisadores da Universidade Aarhus descobriram recentemente os mecanismos únicos de um anticorpo que bloqueia o efeito imunológico por trás de reações alérgicas.

A equipe de pesquisadores dos Departamentos de Engenharia e Biologia Molecular e Genética, juntamente com pesquisadores alemães de Marburg / Giessen, descreveu agora a estrutura molecular e os mecanismos de ação do anticorpo, e os resultados são surpreendentes.

Eles esperavam encontrar novos métodos para melhorar o tratamento existente, mas, em vez disso, identificaram como um anticorpo específico aparentemente é capaz de inativar completamente os processos alérgicos.

O anticorpo interage em um complexo processo bioquímico no corpo humano, pelo qual impede que o anticorpo de alergia humana (IgE) se ligue às células, impedindo assim a ocorrência de todos os sintomas alérgicos.

“Podemos agora descrever a interação deste anticorpo com o seu alvo e as mudanças conformacionais com muita precisão. Isso nos permite entender como ele interfere com a IgE e seus receptores específicos nas células do sistema imunológico do corpo, responsáveis ​​pela liberação de histamina. em uma reação alérgica “, diz Edzard Spillner, professor associado do Departamento de Engenharia da Universidade de Aarhus.

Efeitos alérgicos do pólen de bétula e veneno de insetos eliminados

Geralmente, uma pessoa alérgica produz altos níveis de moléculas de IgE contra alérgenos externos quando expostos a eles. Estas moléculas circulam no sangue e são carregadas nas células efetoras do sistema imunológico, o que desencadeia a produção de histamina e, portanto, uma reação alérgica imediata no corpo.

A função do anticorpo é que ele interfere com a ligação de IgE aos dois efetores específicos (CD23 e FceRI) nas células imunes, tornando assim impossível a ligação da molécula de alergia.

Além disso, os pesquisadores observaram que o anticorpo também remove as moléculas de IgE, mesmo após a ligação aos seus receptores.

“Uma vez que a IgE nas células do sistema imunológico pode ser eliminada, não importa que o corpo produza milhões de moléculas de IgE específicas para alérgenos. Quando podemos remover o gatilho, a reação alérgica e os sintomas não ocorrerão”, diz Edzard Spillner.

No laboratório, levou apenas 15 minutos para interromper a interação entre as moléculas da alergia e as células do sistema imunológico.

Os pesquisadores realizaram experimentos ex vivo com células do sangue de pacientes alérgicos ao pólen de bétula e veneno de insetos. No entanto, o método pode ser transferido para praticamente todas as outras alergias e asma.

Espero por melhor remédio

Hoje, um em cada três europeus sofre de doenças alérgicas e a prevalência está aumentando constantemente. As opções de tratamento são limitadas, mas os pesquisadores agora esperam que seus resultados científicos preparem o caminho para o desenvolvimento de novos tipos de remédios para alergia.

“Agora podemos mapear com precisão como o anticorpo impede a ligação da IgE a seus receptores. Isso nos permite vislumbrar estratégias completamente novas para a medicina de engenharia do futuro”, diz Nick Laursen, professor assistente do Departamento de Biologia Molecular e Genética.

O anticorpo é particularmente interessante porque é eficaz e, ao mesmo tempo, consideravelmente menor do que os anticorpos terapêuticos usados ​​atualmente para produzir medicamentos para alergia.

“É um chamado anticorpo de domínio único que produz facilmente em processos usando apenas microorganismos. Também é extremamente estável, e isso oferece novas oportunidades para como o anticorpo pode ser administrado aos pacientes”, diz Edzard Spillner.

Ao contrário da maioria dos anticorpos terapêuticos já disponíveis no mercado, o novo anticorpo não precisa necessariamente ser injetado no corpo. Devido à sua estrutura química, ele pode ser inalado ou engolido, e esses novos métodos de consumo tornarão fácil, barato e muito mais confortável para os pacientes.

No entanto, antes que novos medicamentos para alergia possam ser produzidos, os pesquisadores terão que conduzir uma ampla gama de ensaios clínicos para documentar o efeito e a segurança do anticorpo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *