Cidadania

Chef de Serra Leoa ganha Prêmio Nobel de Gastronomia – Quartz Africa

Um chef nascido em Serra Leoa é o vencedor deste ano do Prêmio Mundial de Culinária Basca (BCWP) e o primeiro africano a ganhar o prêmio de US$ 105.000.

Fatmata Binta, com sede em Gana, superou 1.000 indicados para emergir como o melhor chef do mundo por apresentar a cultura culinária nômade sustentável e explorar a diáspora da culinária da África Ocidental por meio de sua inovadora iniciativa pop-up ‘Dine on a Mat’.

“Parece legal e sóbrio”, disse Binta ao Quartz. “É também um lembrete para as mulheres de que elas podem conseguir qualquer coisa, [no] independentemente de sua origem e etnia. Este prêmio vai mudar vidas.”

Binta popularizou a cultura e a culinária do povo Fulani, que são pastores nômades da África Ocidental. Os Fulani formam a maior tribo nômade do mundo, com mais de 20 milhões de pessoas que se deslocam incansavelmente pelo deserto do Saara. ‘Dine on a Mat’ envolve sentar em um tapete, comer com as mãos e se conectar com novas pessoas contando histórias que preservam suas tradições. Embora as cozinhas africanas tenham sido ignoradas por muito tempo pelo mainstream da alta cozinha, o prêmio de Binta é agora a prova de que as cozinhas do continente podem chegar ao cenário mundial.

Binta food visa quebrar barreiras sociais

Binta foi selecionada pelo impacto de sua iniciativa em sua comunidade e além. Ao conceituar a cozinha como um espaço seguro, de acordo com o comunicado de imprensa do BCWP, Binta não apenas prepara seus pratos para “convidados de todo o mundo”, mas também os prepara para as comunidades de origem dessas cozinhas, apresentando-os como alimentos que trazem Paz

“Com isso, envia a mensagem ao mundo de que a sustentabilidade deve ser a norma e não algo excepcional, baseado no senso comum, reforçando o empoderamento feminino e a base matriarcal dessas comunidades”, disse Joan Roca, presidente do júri do BCWP. em uma frase.

Inspirada pelos desafios enfrentados pelas mulheres na África rural, Binta disse que sua inovação alimentar visa preservar a cultura africana por meio da narrativa. Ela pretende usar o dinheiro do prêmio para construir um centro comunitário que atenda às necessidades das mulheres Fulani e colaborará com agricultores em Gana para alimentar mais famílias.

“Minha culinária africana favorita é chamada ‘Lachiri eh corsan’, que é simplesmente cuscuz cozido no vapor feito com milho seco ao sol e iogurte natural fermentado estilo Fulani”, disse Bint. “Não é um prato de todos os dias, é para celebrar.”

Para Binta, a cultura culinária deve significar conectar-se com novas pessoas, melhorar a segurança alimentar, reforçar a identidade cultural, quebrar barreiras sociais e influenciar mudanças positivas.

Binta também fundou a Fulani Kitchen Foundation, onde jantares interativos arrecadam fundos para projetos comunitários. Seu objetivo é satisfazer as necessidades sociais, educacionais e econômicas. Mais de 300 famílias de 12 comunidades, espalhadas por quatro regiões de Gana, estão atualmente sendo beneficiadas pela iniciativa.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo