Cidadania

Censura enfrenta a batalha da China contra o vírus Wuhan – Quartzo


Da nossa obsessão

Mesmo pequenas mudanças na China têm efeitos globais.

Nas últimas semanas, uma piada contundente foi amplamente compartilhada nas redes sociais chinesas: o novo coronavírus é patriótico, por isso infectou apenas uma das 33 províncias e municípios da China antes de se aventurar fora do continente.

Então, as pessoas acordaram esta semana com anúncios oficiais de um aumento surpreendente de novas infecções confirmadas e a disseminação do vírus para mais de uma dúzia de províncias e municípios. Até quinta-feira, existem mais de 550 casos confirmados, 17 pessoas morreram e Wuhan, onde o surto começou, está fechado.

Além da China continental, Tailândia, Japão, Coréia do Sul, Taiwan, EUA UU. E Hong Kong confirmou casos, e mais países podem relatar casos quando a maior temporada de viagens da China começar: o Ano Novo Lunar chinês.

As pessoas estão em pânico. Quando uma nova doença é descoberta, é indubitavelmente difícil identificar e informar o público rapidamente. No entanto, a China está dificultando a solução do problema, embora deva ter aprendido com o surto de SARS em 2003, quando o governo admitiu relatar casos nos estágios iniciais. Cerca de 800 pessoas morreram nessa epidemia, que viu pessoas desesperadas esvaziando lojas de remédios de ervas e vinagre chineses que se mostrariam ineficazes.

Esse frenesi foi causado pela falta de informações precisas e por boatos devido a um vazio na comunicação de cima para baixo. A ideia de wei wen ou manter a estabilidade no sistema político da China significava que "esconder o máximo possível e mantê-lo no nível local" é uma resposta natural imediata a uma crise como essa. Essa abordagem da informação pode funcionar em outros tipos de problemas, mas não quando é uma possível epidemia. Tentar controlar as informações nesse caso se torna uma espécie de grilhão diante de algo que pode progredir e mudar rapidamente além do controle de alguém.

Claro, há uma coisa que é diferente de 17 anos atrás: WeChat. Uma ferramenta que conecta mais de um bilhão de usuários na China deve ser aquela que o governo pode usar para ajudar a manter o público atualizado e a desacreditar informações falsas. No entanto, também se tornou um foco de rumores e supressão de informações em meio ao amplo regime de censura online da China aperfeiçoado na última década. O debate nas redes sociais sobre a atual crise de vírus já se concentrou em quão difícil tem sido obter informações corretas e se as autoridades responderam lentamente nos estágios iniciais, pelo menos em Wuhan. Enquanto alguns especialistas internacionais em saúde pública elogiaram o intercâmbio de informações da China como superior a 2003 diante de uma situação em rápida evolução, outros expressaram dúvidas de que o país seja tão transparente quanto deveria.

Este mês, quase tão logo foi emitida a primeira declaração de saúde municipal local (link em chinês) sobre um grupo de casos de pneumonia em Wuhan, no centro da China, a polícia parou oito pessoas locais por "espalhar boatos sobre pneumonia".

As autoridades levaram várias semanas para tomar precauções, como medir a temperatura corporal com termômetros infravermelhos em locais públicos movimentados, como estações de trem, comentou terça-feira um comentário no Beijing News (link chinês), um jornal apoiado pelo governo local. 21) O público também ficou desconcertado sobre como entender as comunicações das autoridades sobre a probabilidade de infecções de pessoa para pessoa, uma indicação de que uma infecção pode se espalhar mais rapidamente e ser mais perigosa, e as autoridades disseram que o risco dessa transmissão era " limitado "e baixo, confirmando que tais infecções estavam ocorrendo.

Uma entrevista em 2017 com Jiang Yanyong, o queixoso de encobrimento chinês da SARS, que reapareceu há dois dias no WeChat, é o que mais preocupa as pessoas. Nele, o especialista argumentou que a China sofreu muito com o controle da informação, lembrando como um grande hospital em Pequim evitou os cheques da Organização Mundial de Saúde, colocando pacientes em outros departamentos do hospital, em vez da ala da doença respiratório ou infeccioso Em outro artigo popular, um médico de um hospital de Pequim disse que havia observado seu hospital colocar 29 pacientes em ambulâncias para evitar os controles durante a SARS.

Agora, as duas publicações não estão mais disponíveis devido à "violação dos regulamentos", motivo que costuma ser usado como desculpa para eliminar o que as autoridades consideram confidenciais, mesmo que as informações possam ser precisas e válidas. Pode ser que a declaração do médico não seja verificada ou falsa. Mas é difícil saber se as autoridades querem suprimir informações incorretas ou simplesmente tentar conter o medo. De qualquer forma, a desconfiança das autoridades aumenta no momento em que elas mais precisam da confiança do público.

Por exemplo, foi somente quando Zhong Nanshan, especialista em respiração de 83 anos, amplamente reconhecido como herói médico do surto de SARS, apareceu na emissora estatal da China na terça-feira (21 de janeiro), quando as pessoas Ele aprendeu três fatos principais: o fato de 14 trabalhadores da saúde terem sido infectados, o fato de que a doença pode ser transmitida de humano para humano e que o uso de máscaras ajuda. Os comentários de Zhong, que circularam no WeChat e na plataforma de microblog Weibo, pareciam inspirar mais confiança do que os das autoridades, pois ele é conhecido por questionar declarações oficiais durante o surto de SARS e durante os surtos subsequentes de doenças infecciosas. Os artigos questionavam por que a comissão local de saúde em Wuhan não tinha sido mais comunicativa sobre as infecções de trabalhadores médicos.

Essas perguntas não são formadas apenas por passos falsos há 17 anos. Existem também muitos exemplos de encobrimentos mais recentes, como o caso de leite em pó para bebês em 2008 que matou seis bebês e deixou muitos doentes. Dez anos depois, as pessoas ainda se abstêm de comprar leite em pó fabricado na China. Uma importante agência do governo alertou que qualquer membro do partido que oculte informações dessa vez ficará "preso no pilar da vergonha pela eternidade".

Mas, em um sistema em que as pessoas se sentem constantemente enganadas e confusas com as discrepâncias nas informações que obtêm, com o tempo o público tende a não acreditar em nada do que o governo diz e a não acreditar que seus representantes estejam agindo em boa posição. fé

"Todo mundo que recebeu uma boa educação na China sabe do fundo do coração que o maior medo causado pela pneumonia por SARS e Wuhan é o comportamento incontrolável da classe burocrática", disse um post do Weibo comentando a entrevista. de Zhong, "a China tem a melhor tecnologia de trens de alta velocidade e 5G do mundo, mas em alguns aspectos do governo, a China ainda está na Idade Média".

Este ensaio foi publicado pela primeira vez no Medium.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar