Cidadania

As empresas de energia em África estão numa espiral de morte — Quartz Africa

A rede elétrica de Gana está em apuros. Em meados da década de 2010, a escassez de combustível e a seca, agravadas pelo crescimento populacional, levaram a graves faltas de eletricidade e apagões frequentes. O governo respondeu com ofertas generosas em contratos de compra de energia de longo prazo de desenvolvedores privados de usinas, que por sua vez construíram uma nova e impressionante frota de instalações hidrelétricas, de gás e geotérmicas.

Hoje, o problema mudou para o outro lado: Gana tem eletricidade demais, mas a concessionária estatal está presa a contratos que não precisa mais nem deseja e tem um déficit anual de US$ 1 bilhão.

Agora, a pandemia e a guerra na Ucrânia estão piorando as coisas, levando muitas empresas de serviços públicos na África, que estão sem dinheiro há muito tempo, à beira do colapso financeiro, de acordo com um artigo de pesquisa de 23 de agosto. Energy for Growth Hub, um think tank de Washington. Além do risco de apagões e da dívida pública paralisante, a crise está impedindo a ação climática: muitas concessionárias não têm meios para construir linhas de transmissão tão necessárias e integrar energia renovável, mesmo quando isso reduziria os custos de longo prazo. e seus clientes.

“Você está vendo uma enorme escalada de pressão sobre as concessionárias”, disse Katie Auth, diretora de políticas do think tank e ex-funcionária de energia da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional. É uma espiral da morte e a maior barreira para a implantação de energia limpa em escala nesses mercados”.

Fatores que levam os serviços públicos africanos à falência

Auth identifica quatro fatores que levam as concessionárias africanas ao limite:

🚢 Cadeias de suprimentos quebradas: As interrupções no comércio relacionadas à guerra na Ucrânia e os bloqueios pandêmicos na China aumentaram o custo de materiais de construção, como aço, cobre e minerais de bateria, e estenderam os prazos de entrega em meses.

📝Preso em Contratos: Como em Gana, muitas concessionárias estão presas a contratos de compra de energia que não podem pagar. Aqueles que produzem sua própria energia geralmente a vendem a uma taxa predeterminada, o que significa que suas margens diminuem quando o custo dos combustíveis fósseis aumenta. Enquanto isso, a pandemia fez com que muitos clientes comprassem menos eletricidade ou tivessem suas tarifas canceladas por pacotes de ajuda do governo. Em 2018, o ano mais recente com dados consistentes, um terço dos serviços públicos na África não conseguiu equilibrar. Essa lacuna está aumentando.

💸 custo capital: A turbulência económica geral e os maus balanços aumentaram as classificações de risco de muitos países africanos, tornando os empréstimos mais caros. O prêmio de risco de Gana mais que dobrou entre julho de 2020 e julho de 2022, por exemplo. Como os projetos de energia renovável exigem mais do custo total a ser fornecido antecipadamente do que outros tipos de energia, eles se tornam um investimento mais caro. Uma usina solar típica, por exemplo, pode custar 140% mais em Gana do que nos EUA, de acordo com o relatório, devido aos custos de capital.

🏛️ Baixo investimento público: Todos os fatores acima também esgotam os cofres do governo, então há pouco apetite para implementar incentivos fiscais de energia limpa, assinar novos contratos de compra ou investir em grandes infraestruturas, como linhas de transmissão.

Os governos podem precisar relaxar as barreiras comerciais que dificultam o investimento de investidores estrangeiros privados em coisas como extração mineral e fábricas de baterias, e reforçar a fiscalização dos abusos trabalhistas nesse setor. Instituições multilaterais como o Banco Mundial também podem expandir as garantias de empréstimos em projetos de energia limpa e devem priorizar as concessionárias na alocação de ajuda ao desenvolvimento e financiamento climático, disse Auth.

“Em um futuro de alta energia renovável, onde os países estão usando grandes quantidades de energia eólica e solar, a necessidade de um extenso sistema de rede que possa se sustentar só se torna mais importante”, disse ele. “Indo para a COP27, a conversa tende a ser sobre a mobilização de capital privado para energia limpa. Isso não vai acontecer nas condições atuais.”

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo