Matemática

APMEP: Notícias – Atas da nossa audiência da DGESCO na terça-feira, 18 de junho de 2019


Para APMEP: Isabelle Le Naour, membro do comitê do ensino médio, e Michel Bourguet, membro do conselho de administração
Recebemos a Sra. Pradeilles-Duval, Chefe do Departamento de Educação Pública e Ação Pedagógica, e três chefes de serviços da DGESCO. Os pilotos dos grupos de especialistas não conseguiram se libertar e foram dispensados.
Duração da reunião: 1h45.

Agradecemos a Sra. Pradeilles-Duval por este convite. Percebemos que tivemos pouco tempo para analisar coletivamente os projetos do programa e produzir uma síntese que seria a da associação. Não podemos reagir em todos os pontos ou dar uma boa análise dos programas. Somos apenas portadores de alguns pontos particulares do conteúdo, e de pontos de vista mais globais, retomando as posições da APMEP.

Tema 1: problemas estruturais que afetarão a implementação efetiva dos programas propostos.

• Primeira questão da profissão: quantas semanas reais, é claro, devem ser contadas no terminal, sabendo que os exames finais dos dois cursos de especialização serão gastos no retorno das férias de primavera, depois o exame oral e o exame final. A filosofia escrita terminará. Junho?

resposta : As lições são projetadas ao longo do ano. Não há alterações no calendário no terceiro trimestre. A forma como o conteúdo do programa será tratado pode ser diferente após a Páscoa, especialmente para desenvolver melhor certas habilidades, como modelagem, pesquisa, desenvolvimento oral …

• No STIDD e STL, a especialidade de físico-química e matemática de 6 horas por semana não é dividida de acordo com as duas disciplinas. Pedimos que isso seja esclarecido e que seja dada uma norma nacional. Não queremos ajustes por parte dos diretores nas instituições, nem de decisões locais sobre quem deve ensinar o quê. Os métodos e epistemologias das disciplinas associadas são muito diferentes e requerem treinamento específico para cada um. Se houver alguma colaboração entre eles, não pode haver confusão.

resposta: Esta distribuição não será feita em nível nacional, permanecerá local. Esta é uma função da organização entre o laboratório e o tempo de experimentação e o tempo integral da aula, por exemplo. Uma alocação de tempo diferente para matemática e física / química pode ocorrer de acordo com o setor, STI2D ou STL.

• Temos a mesma preocupação pelos dois cursos científicos do núcleo comum da série geral. Pedimos que a parte do programa de educação científica que deve ser apoiada pelos professores de matemática seja claramente quantificada. Situações locais são atualmente extremamente díspares.

resposta : O ministério não tem atribuição de impor sobre educação científica. Deve ser apoiado por professores de ciências e matemática.

• Solicitamos que as opções de fim de vida estejam sujeitas a uma alocação horária específica (meios de marcação). A opção "matemática especializada", bem como "matemática complementar", deve ser garantida em todas as escolas secundárias. Na verdade, isso acabará por representar um problema de maior especialização das instituições. Uma escola de ensino médio que perde os alunos nas primeiras e últimas especialidades de matemática pode fazer com que poucos alunos escolham especialistas em matemática. Portanto, esta opção não pode ser retida pelo diretor em suas arbitragens na margem da DGH. No curto prazo, alguns estudantes do setor poderiam buscar uma exceção para o segundo, condenando em alguns anos algumas escolas secundárias a uma oferta empobrecida em matemática.

resposta : É uma bacia de abastecimento e equilíbrio para preservar. O mapa global é discutido ao nível da reitoria. A academia pode considerar que em algumas escolas secundárias é importante manter especialistas em matemática e dar dinheiro ao diretor. É responsabilidade dos reitores e não do ministério. A questão é local, e é colocada de maneira diferente em uma bacia urbana ou rural.

• A opção Matemática Complementar é claramente uma extensão da Educação Especializada de primeira classe (EdS). Pedimos que a opção de matemática suplementar seja aberta apenas para os alunos que completaram a matemática do EdS.

resposta : Está marcado no cabeçalho do programa da opção, é reservado principalmente para quem acompanhou o EdS. Mas acima de tudo não significa exclusivamente. Caso a caso, o aluno pode seguir a opção. Você pode contemplar soluções sob a forma de Mooc, educação a distância, treinamento individual.

É possível que alunos raros com educação especial possam seguir a opção sem ter seguido o EdS. Esses casos são muito marginais, e seria incontrolável ensinar em grandes grupos os alunos que seguiram o EdS misturados com os alunos, até mesmo alguns, que não o seguiram.

• Sem questionar a necessidade de ensinar matemática rigorosa e exigente para o treinamento de cientistas, lembramos nosso compromisso com a matemática por tudo que está faltando na nova escola secundária. Portanto, pedimos uma educação matemática no núcleo comum.

resposta : Devemos parar de dizer que não há matemática no núcleo comum e que o ensino específico da matemática no núcleo comum não é planejado.

Reconhecemos a presença de ferramentas matemáticas na educação científica, mas pedimos tempo para poder abordar os conceitos que estão em jogo e desenvolver o rigor do raciocínio.

Ponto 2 – a organização das avaliações e a nova bandeja

• O que acontece com o uso da calculadora no modo de exame?

resposta : O modo de exame é muito restritivo para validar em salas de exame com muitos candidatos. É possível autorizar o uso de calculadoras caso a caso, mas o possível armazenamento em memória dos sujeitos dos bancos públicos e suas respostas é problemático. Pode ser considerado uma calculadora do tipo universitária para alguns desses testes.

Destacamos o custo do equipamento se os alunos precisarem de duas calculadoras. Podemos entender que a calculadora do ensino médio pode ser uma ferramenta de treinamento no processo de aprendizagem e não é permitida para o exame, mas faz com que você pense no teste de forma diferente, sem aplicação digital. Em qualquer caso, esta questão deve ser resolvida.

• O grande oral.
No site do ministério, diz: "Um oral de 20 minutos preparado durante todo o ciclo terminal: … O exame oral é baseado na apresentação de um projeto preparado pela turma de Esta apresentação oral será realizada em duas partes: a apresentação do projeto, apoiada por um ou dois cursos de especialização escolhidos pelo aluno e uma troca deste projeto para avaliar a capacidade do aluno de analisar, mobilizando os conhecimentos adquiridos durante a sua escolaridade, particularmente científica e histórica. O júri será composto por dois professores.
Levantamos a questão do local de preparação para este teste. Isso está relacionado aos programas. Considera-se que o programa de especialização está superlotado, o que não incentivará os professores, a fim de "terminar" este programa, de organizar momentos de trabalho em grupo ou de pesquisa que possam desenvolver o uso da comunicação oral. na aula de matemática

resposta : O grande oral não deve ser preparado apenas em maio e junho. É ao longo do ano que sua preparação está em jogo.
Os professores precisam de garantias, todos os memorandos para os testes finais serão publicados durante o verão. Isso ajudará os professores, um esclarecimento será feito para a preparação do oral e as modalidades deste teste.

Item 3 – Opção de termos gerais Eds e Expert Maths

Essas duas lições parecem consistentes, mais pesadas do que o ensino atual do S e com mais requisitos. Não questionamos o nível de demanda no raciocínio dos alunos destinados a estudos científicos, mas a organização do ano e o número de alunos por grupo às vezes tornam ilusória a abordagem de pesquisa, situações de modelagem … Gostaríamos de ter menos noções, mais completo. Alguns conteúdos só podem ser processados ​​no primeiro ano do ensino superior. Exemplos incluem a fórmula de combinações, equações diferenciais ou novidades em probabilidades.

resposta : O programa mostrará mais explicitamente que os estudos aprofundados propostos são possíveis e não obrigatórios. Cada professor retém sua liberdade pedagógica e tentará em cada capítulo o que ele quer aprofundar. Portanto, tudo não é para abordar da mesma maneira. Os programas se tornarão mais explícitos nesse ponto.
A formação de formadores terá lugar durante o ano de 2019/2020 para apoiar os professores da EdS Terminale na realização da prova oral.

Ponto 4 – a opção da matemática complementar

Esta é apenas uma opção mas 3h, é pouco comparada aos temas e conteúdos planejados, muito densos. Este programa é semelhante ao ensino atual do TES, com o qual estamos trabalhando hoje em mais tempo.
Essa divisão em um tópico é interessante, mas envolveria reunir grupos com diferentes interesses de acordo com as diretrizes pós-bac. Também seria suficiente ter uma lista clara e uma quantidade razoável de noções exigidas com tópicos nos quais elas são relevantes. Além disso, certas noções poderiam ser eliminadas ou esclarecidas: qual a razão da presença dos limites das funções, da lei geométrica, das equações diferenciais?
Por fim, esta opção será escolhida pelos alunos com uma estratégia baseada no Parcoursup. Eles terão que mostrar que seguiram um curso de matemática e podem desmotivar-se no final de abril. Alguns grupos serão difíceis de gerenciar.

resposta : Se esta opção for usada para estudos de pós-bacharelado, os alunos não se importam em negligenciá-la. Mesmo que você não conte muito para obter o CC, ainda serão os boletins e as avaliações nos folhetos da escola. Além disso, não somos obrigados a abordar todas as questões com a mesma importância. Os tópicos serão abordados por 2 ou 4 semanas. Algum conteúdo pode ser mais ou menos profundo. Isso não está privando os professores de sua liberdade educacional.
É por isso que os tópicos são classificados independentemente do conteúdo. O aspecto dos tópicos é inovador e os conteúdos estão lá para tranquilizá-los. Isso deixa a liberdade, especialmente porque é apenas uma opção.
Ainda nos perguntamos entre esclarecer questões ou eliminar problemas. Está em discussão …
Deve-se notar que os documentos que acompanham serão escritos para orientar os professores, mas não para orientar. O ministério está empenhado em produzi-lo.

Insistimos no fato de que a estrutura atual da escola carece de um segundo EAD de matemática no primeiro e no último ano, o que não acrescentaria nenhum custo aos alunos, mas diversificaria os cursos e caminharia na direção de um melhor opção Para os alunos Lamentamos que o ensino de matemática como especialidade seja abordado apenas como um companheiro da ciência. Nós explicamos que isso reduz o escopo da matemática para as humanidades ou outras disciplinas. Esta segunda especialidade não seria uma maneira de reinscrever a série. Os estudantes da série ES e com o objetivo de estudos econômicos mais elevados não poderiam continuar até hoje um ensino aprimorado da matemática do tipo S, enquanto outros estudantes que almejam a vida e as ciências da terra estão sofrendo. Série S. Essas matemáticas poderiam funcionar de forma diferente. Uma segunda especialidade, não menos exigente em termos de raciocínio e métodos, mas focada em outros assuntos, aumentaria a oferta atual e provavelmente satisfaria muitos estudantes.

resposta : Os ajustamentos serão sempre possíveis durante o primeiro ano de implementação da reforma e esta proposta será ouvida.

Parece-nos que ele não está excluído.

Tópico 5 – Educação Científica.

A matemática é mais visível neste programa de terminal. O uso de gráficos como modelos matemáticos para lidar com vários problemas é claramente observado. O uso de vários modelos matemáticos em vários campos requer a presença de professores de matemática.
Reafirmamos que ensinar matemática, como qualquer outra disciplina, requer habilidades específicas de ensino. Da mesma forma que a grande maioria dos professores de matemática não pode ensinar ciências experimentais, a grande maioria dos professores de PC e SVT não será capaz de ensinar matemática.

Item 6 – Tecnologia da série de currículos básicos de educação matemática

Não tivemos tempo para receber comentários significativos de colegas e membros. Ainda temos dúvidas sobre alguns pontos, como a presença da função exponencial de base a e log decimal. Qual é o propósito deste ensinamento? É realmente útil para o ensino superior, especialmente BTS e IUT?
A questão da diferença entre séries também é discutida: no STMG, é difícil fazer com que os alunos trabalhem em matemática, especialmente porque eles geralmente têm um passado negativo com a disciplina. É necessário adicionar noções ao programa atual?

Em conclusão de nossa entrevista, além da duração anunciada, especifica-se que esses textos serão apresentados ao CSE apenas nos dias 11 e 12 de julho. Até então, tudo permanece corrigível e é necessário obter feedback dos colegas no ensino médio. Por isso, somos convidados a enviar quaisquer comentários à DGESCO, que aguarda devoluções.

Começamos a partir desta entrevista um sentimento de escuta mútua, cordial. Tudo o que percebemos foi notado. Parece claro que os funcionários da DGESCO que nos receberam estão esperando por estas declarações e nossas propostas e comentários.
Apesar dos numerosos pedidos de final de ano, não hesite em responder à consulta online.



Source link

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar