Matemática

APMEP: APMEP fala – TeSciA: Uma avaliação do conhecimento matemático para Parcoursup

A novíssima Associação para uma Orientação Raciocinada para o Ensino Superior Científico anuncia de 2021-2022 a criação de uma avaliação de conhecimentos matemáticos para alunos do Terminale Générale de acordo com a especialidade da Matemática. Podemos ler no site da associação que esta prova consistirá em duas provas de matemática de uma hora e meia cada uma que se realizarão num sábado à tarde no final de março com uma taxa de inscrição de vinte euros. O objetivo declarado deste teste é revelar o potencial dos alunos do ensino médio para os cursos a que se candidatam na Parcoursup em matemática.

Conforme descrito, isso parece significar que o sistema de ensino francês não é mais capaz de validar as reais habilidades dos alunos do ensino médio em matemática, que o professor de matemática que observa, avalia, acompanha seus alunos por um ano inteiro não é mais capaz de avaliar . seu potencial e, portanto, é necessário fazer uma prova de matemática? E esse único potencial em matemática é necessário para uma orientação bem-sucedida? Onde o aluno do ensino médio é levado como um todo e suas especificidades?

Embora não tenhamos dúvidas sobre as louváveis ​​intenções desta associação, isso põe em causa o próprio princípio da igualdade de tratamento e do papel valorativo da Instituição. Como o ensino superior pode permitir que esses métodos de teste sejam levados em consideração para a orientação dos alunos? Que sentido faz neste caso posicionar os testes da especialidade em março? Não foi precisamente para levar em conta as notas das provas de especialidade do Parcoursup? Se apenas um teste for necessário para verificar a habilidade dos alunos do ensino médio em matemática, a avaliação contínua for interrompida e os testes de especialidade forem adiados pelo Ministério de março para junho, isso simplificará muito a tarefa dos colegas do ensino médio e eles irão ser capaz de trabalhar silenciosamente. .O programa completo de especialidades!

Não, não e não! Não podemos aceitar tais práticas. Caso contrário, nos próximos anos veremos florescer associações privadas ou empresas que farão o mesmo. Que legitimidade essa associação ou outra tem para fazer essas avaliações? Hoje, a inscrição é de 20 euros e amanhã? Serão 120 euros? Quanto aos testes de linguagem populares? E que bela porta se abre para um lucrativo mercado de “pré-teste”!

Um dos princípios fundamentais da escola é contribuir para a igualdade de oportunidades e combater as desigualdades sociais e territoriais ao nível do sucesso escolar e educacional. A Instituição é a garantidora dos exames, o professor, por sua vez, é quem melhor avalia o potencial do aluno pelo qual é responsável.

Rejeitamos que tais testes possam desempenhar um papel na plataforma Parcoursup.

Escritório nacional


Artigo carregado por GC

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo