Cidadania

A indústria do carvão está fechando mais usinas do que está construindo – Quartzo


Por mais de meio século, o carvão permaneceu em sua posição como uma das principais fontes de energia do mundo. O carvão fornece 38% da eletricidade global, a maior parte de qualquer combustível. Para atender à demanda global, os produtores continuaram queimando carvão a uma taxa incompatível com as metas climáticas internacionais e com um clima estável.

Mas este ano, a nova capacidade global de carvão finalmente começou a se mover na direção certa.

Durante a primeira metade de 2020, a capacidade global de energia a carvão caiu pela primeira vez desde pelo menos a década de 1950, de acordo com o Global Energy Monitor, sem fins lucrativos. As novas usinas não pararam completamente de funcionar: o mundo adicionou 18,3 GW de nova geração ao carvão. Mas lembrou usinas capazes de gerar 21,2 GW, principalmente nos EUA e na Europa, reduzindo aproximadamente 1% da capacidade global total.

Desde 2000, a nova capacidade de carvão aumentou em 50 GW por ano, em média. Mas o saldo mudou em 2020, quando a demanda por eletricidade caiu durante a pandemia de Covid-19 e os regulamentos de poluição da UE tornaram as usinas a carvão cada vez menos lucrativas.

Ainda assim, o carvão não vai a lugar algum. Pelo menos 520 GW de nova capacidade de energia de carvão estão em construção ou planejados. A maior parte desse crescimento planejado está na China, que dobrou o ritmo de novas licenças de carvão este ano. E há apenas dois anos, a demanda por carvão atingiu um recorde, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), que prevê demanda estável por carvão até 2025 antes da pandemia. “As expectativas de um colapso iminente do carvão vieram e se foram antes”, alerta a AIE.

Mas estamos vendo dois mundos energéticos emergirem. Na China e na Índia, as usinas de carvão ainda geram muitos empregos e eletricidade (além de atrair subsídios do governo). Nos países industrializados, as usinas de carvão estão fechando à medida que o preço da eletricidade do gás natural e das energias renováveis ​​as prejudica, e as regulamentações climáticas estão apertando. A capacidade líquida de carvão estaria em declínio desde 2018 sem a China, estima o Global Energy Monitor.

Para atingir as metas climáticas internacionais, as usinas de carvão devem ser retiradas mais cedo (ou suas emissões devem ser seqüestradas), proposta difícil) muito antes de atingir sua vida útil operacional.

Esses cortes estão ficando mais fáceis de fazer. O poder do carvão agora está desvalorizando em países como Bangladesh e Vietnã, diz Christine Shearer, diretora do programa de carvão do Global Energy Monitor. E eles não estão sozinhos. Até 2030, o grupo de especialistas em energia e finanças CarbonTracker estima que será mais caro operar antigas usinas de carvão do que construir novas energias renováveis.

O que vem a seguir é desconhecido. Em abril, a AIE revisou suas previsões. Prevê-se que a demanda global por carvão caia 8% este ano, a maior queda desde a Segunda Guerra Mundial. “A incerteza sobre as perspectivas para o carvão é o mais alto de todos os combustíveis”, diz a AIE.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar