Cidadania

Por que o Reino Unido está ficando atrás da China em 5G? – quartzo


A batalha geopolítica entre a China e o Ocidente está se desenrolando no mercado global de telecomunicações.

A China é de longe o maior mercado mundial de 4G e 5G, e o principal vendedor de 5G do mundo, a Huawei, é chinês. A Huawei construiu uma parte significativa da infraestrutura 4G da Europa e estabeleceu que desempenharia um papel ainda maior no 5G. Mas os Estados Unidos atacaram a Huawei como parte de sua guerra comercial com a China e acreditam que os países que usam equipamentos da Huawei em sua infraestrutura de telecomunicações se expõem ao risco de espionagem e sabotagem, alegações que a empresa nega veementemente.

Como resultado, os Estados Unidos impediram as empresas que usam a tecnologia americana de vender componentes críticos para a Huawei. Os serviços de inteligência do Reino Unido determinaram que as sanções dos EUA fizeram da Huawei um risco excessivo à segurança, e o governo anunciou recentemente uma proibição de equipamentos da Huawei na rede 5G da Grã-Bretanha até 2027 (membro exclusivo de quartzo).

No geral, é um momento interessante para ser um concorrente da Huawei na Europa.

Arun Bansal é vice-presidente executivo da gigante sueca de tecnologia Ericsson e chefe da área de mercado da Europa. A Ericsson é uma das três principais fornecedoras não chinesas de tecnologia 5G, juntamente com a Nokia da Finlândia e a Samsung da Coréia do Sul. Analistas do setor dizem que a Ericsson é o melhor lugar para quebrar contratos que a Huawei perderá como resultado de sanções dos EUA.

Quartz conversou com Bansal sobre a proibição do governo do Reino Unido à Huawei e como isso poderia afetar os negócios da Ericsson, bem como suas críticas à falta de investimento do Reino Unido em tecnologia.

Essa conversa foi condensada e editada por sua duração e clareza.

Quartzo – me avise se você não puder me ouvir, porque estou em uma área com um sinal terrível de telefone celular.

Arun Bansal: Por enquanto, tudo bem. Infelizmente, esse é o estado de nossa conectividade no Reino Unido.

Você acha que a decisão do governo do Reino Unido de banir a Huawei de sua rede 5G por razões de segurança foi a correta?

AB: Se a decisão está correta ou não, não cabe a mim comentar. Mas tomar a decisão, eliminar a incerteza e, portanto, iniciar o investimento em infraestrutura, é a decisão certa.

Depois do Covid, uma coisa é muito clara: todos precisam de conectividade de boa qualidade. Você acabou de iniciar a ligação pedindo desculpas. Se eu morasse em Cingapura ou na Suécia, isso nunca aconteceria. Não há sinal 4G em quase 40% do Reino Unido.

A proibição da Huawei no Reino Unido deixa às operadoras apenas duas opções para equipamentos 5G: Ericsson e Nokia. Oliver Dowden, secretário de Estado do Reino Unido para cultura, mídia e esportes, argumentou que o Reino Unido se tornou “perigosamente dependente de poucos fornecedores”. O que você acha desta revisão?

AB: Prosperamos com a concorrência porque isso traz o melhor de nós em tecnologia e inovação e competitividade de custos. Quando o 2G foi inventado em 1990, havia 20 fornecedores. Quando o 3G chegou aos 15 anos, o 4G chegou a menos de 10. E agora, quando o 5G chega, há cinco fornecedores. Há também a Nokia e a Samsung, que não são de alto risco. Portanto, existem três vendedores de alto risco e dois da China.

[5G] Requer um investimento de quase € 3,5 bilhões (US $ 4,1 bilhões) a € 4 bilhões a cada ano em P&D, e nem todas as empresas podem se dar ao luxo de fazer isso em um ambiente altamente competitivo. Se não houver empresas na Europa, não haverá novas empresas entrando, porque elas não podem arcar com um investimento de 3.500 a 4.000 milhões de euros em pesquisa e desenvolvimento.Se a Europa tem a ambição de criar mais concorrentes nacionais, a Europa primeiro precisa investir em tecnologia.

“Às vezes tenho vergonha de morar aqui, porque o Reino Unido está mesmo atrás do Peru e da Albânia.”

As operadoras de telecomunicações no Reino Unido argumentaram que a proibição da Huawei poderia causar enormes perdas financeiras e apagões. Esses medos foram exagerados?

AB: Nos últimos doze meses, a Ericsson realizou cerca de 100.000 trocas de sites em todo o mundo de diferentes fornecedores, e estamos realizando trocas massivas na Noruega e na Dinamarca sem apagões. Essa percepção de que haverá apagões maciços é totalmente infundada. Ao trocar de equipamento, é como trocar a eletricidade de uma tomada para outra. Você sempre terá alguns minutos de inatividade. Portanto, quando você faz a troca, pode ser de alguns minutos a algumas horas, dependendo da localização do site e de como você o faz.

E quão rápido uma troca da Ericsson pode fazer?

Na Dinamarca, estamos realizando cerca de 3.500 locais e o concluiremos em nove meses. Fizemos mais de 8.000 trocas de sites na Itália em 11 meses.

Quais são os fatores que mais influenciam nessa linha do tempo?

Principalmente o acesso ao site, que é determinado pelo conselho local ou pelos municípios que precisam dar sua aprovação para acessá-lo, dependendo se os sites estão em um prédio do governo ou em uma área escolar ou playground.

Na China, eles implantaram 200.000 sites em 10 meses. É um jogo totalmente diferente.

“A Europa não investiu em conectividade e infraestrutura”.

Por que é muito mais rápido na China?

AB: Porque a China, os EUA e alguns países da Ásia tratam a conectividade como uma infraestrutura nacional crítica. E é por isso que a Europa está atrasada em conectividade já em 4G. Às vezes, tenho vergonha de morar aqui porque o Reino Unido está atrasado em relação ao Peru e à Albânia. Quando você vai a algumas áreas, você nem recebe sinal LTE ou 4G no seu telefone. Isso em 2020 é algo inédito.

A Europa não investiu em conectividade e infraestrutura. Depois que um país decide que isso é igualmente crítico para a educação, igualmente crítico para a saúde, acho que o país pode avançar rapidamente.

Cortesia da Ericsson.

Arun Bansal

Por que a Huawei tem uma participação de mercado maior em 5G do que você?

AB: Posso especular por que eles têm mais, mas posso confirmar por que temos menos. Começamos a diversificar e perdemos o foco há cinco ou sete anos em nosso portfólio principal. Reorientamos nossa estratégia de negócios em 2017, quando nosso novo CEO chegou e começamos a investir muito mais em nosso portfólio principal.

Tenho certeza de que podemos ganhar negócios por mérito próprio e estamos ganhando negócios por mérito próprio, por exemplo, na América Latina, onde não há discussão geopolítica.

Onde a Ericsson fabrica suas estações base 5G?

AB: Temos fábricas na Europa, na Estônia e na Polônia, que cobrem principalmente a cadeia de suprimentos da Europa; Temos uma fábrica no Brasil, que cobre predominantemente a América Latina. Em seguida, abrimos recentemente fábricas nos Estados Unidos, que atingirão o mercado americano. Temos uma fábrica na Índia, que atende ao mercado indiano, e depois temos uma fábrica na China, que lida principalmente com o mercado chinês. Portanto, temos seis fábricas em todo o mundo, distribuídas geograficamente.

Você acha que a dependência da Ericsson em sua fábrica na China é motivo de preocupação para os países que desejam remover equipamentos chineses de suas redes?

AB: Obviamente, respeitaremos qualquer regulamentação governamental; portanto, se o governo do Reino Unido ou qualquer um dos países da UE exigir que todos os suprimentos de equipamentos 5G ocorram na Europa, estaremos preparados para atender a esse requisito. Podemos gerenciá-lo por meio de nossas cadeias de suprimentos estonianas e polonesas.

A Ericsson possui Ele fez esforços consideráveis ​​para tentar entrar no mercado chinês. Qual a importância da China nos planos futuros da Ericsson?

AB: É muito importante para nós. Quase 40% do mercado mundial é da China quando se trata de tecnologia RAN (rede de acesso via rádio). Portanto, enquanto somos um participante menor entre os outros dois concorrentes locais (nota do editor: Huawei e ZTE), essa participação local é mais ou menos a mesma que a Europa para nós. E a China normalmente sempre lidera a nova implantação. Portanto, é também uma vantagem competitiva do ponto de vista tecnológico.

Qual é a sua participação no mercado chinês?

AB: Cerca de 10%.

Então, sua participação de mercado de 10% na China é tão grande ou maior quanto sua participação de mercado inteira na Europa?

AB: Sim.

Uau. E quando se trata de evoluções futuras dessas tecnologias, tem havido muita discussão sobre o potencial das Redes de Acesso por Rádio Aberto (OpenRAN), uma tecnologia que permitiria às operadoras implantar a tecnologia 5G usando componentes e software de diferentes fornecedores. Como a Ericsson está se posicionando?uma-vis tecnologia de arquitetura aberta?

AB: Estamos participando ativamente do O-RAN. Não é uma nova tecnologia em si, é um novo organismo padrão que abrirá diferentes interfaces e estamos participando ativamente dela. E quando o O-RAN estiver maduro o suficiente e o desempenho for bom como 3GPP e os pontos de custo forem bons o suficiente, garantiremos que tenhamos um portfólio competitivo nesse campo.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar