Cidadania

Os Estados Unidos vacinaram 50% de sua população contra Covid-19 – Quartz

[ad_1]

As vacinas da Covid-19 finalmente deram aos EUA a chance de reivindicar o sucesso global na área de saúde.

Hoje, o país anunciou que vacinou totalmente metade de sua população, sendo o primeiro grande país a fazê-lo. Apenas Israel, cuja população é de pouco mais de 9 milhões, Seychelles (população: 100.000) e San Marino (33.000) podem se orgulhar de uma porcentagem maior.

A UE está muito atrás

Quando se trata de saúde global, é raro que os Estados Unidos sejam um líder. Da expectativa de vida à mortalidade materna e à incidência de doenças crônicas, os EUA estão atrás do resto do mundo rico, mas quando se trata da vacina Covid-19, eles lideram, e por uma ampla margem.

Os Estados Unidos conseguiram isso por meio do investimento significativo que seu governo fez em 2020, tanto no desenvolvimento de vacinas quanto na garantia de um grande suprimento de doses antes mesmo da produção.

Entre as maiores economias do mundo, o único país que se aproxima do sucesso dos Estados Unidos é o Reino Unido, que já vacinou 34% de sua população. Todos os outros estão muito atrás, incluindo Alemanha, França e Itália, nenhum dos quais atingiu 20%.

No geral, a UE vacinou totalmente apenas 5% da sua população. A China provavelmente também fez o mesmo, embora o país não divulgue detalhes sobre o número de pessoas totalmente vacinadas, então a estimativa é baseada no número de doses da vacina administrada.

Nacionalismo vacinal

Ainda assim, por trás do sucesso da América estão acusações de nacionalismo de vacinas. Apesar de uma overdose, os EUA demoraram a compartilhar o excesso de vacinas, enquanto outros países ricos, incluindo a Europa, aderiram à Covax, um acordo apoiado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para fornecer vacinas Covid-19 a países pobres. Eles continuam a contribuir para o programa, apesar de sua própria escassez.

Em geral, a distribuição global de vacinas tem sido muito desigual, deixando os países mais pobres para trás. Como observou a OMS, isso pode ser perigoso não apenas para os países que lutam para obter doses suficientes da vacina enquanto enfrentam novos surtos, mas também para aqueles que vacinaram uma grande porcentagem de sua população. Como aconteceu recentemente na Índia, novos surtos de Covid-19 aumentam a probabilidade do surgimento de novas variantes resistentes à vacina, representando uma ameaça mesmo quando a população está imunizada contra as variantes atuais.

[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo