Cidadania

O comércio social tem um enorme potencial na África — Quartz Africa Member Brief — Quartz

Olá membros da Quartz Africa,

Graças à sua população jovem e experiente em tecnologia de 1,3 bilhão, a África está bem posicionada para a ascensão do comércio eletrônico, uma mudança acelerada pelos bloqueios pandêmicos que forçam ainda mais as compras on-line.

“Comércio social”, um subgênero do comércio eletrônico, refere-se à comercialização e venda de produtos por meio de redes sociais; por exemplo, obter as últimas roupas da moda através do WhatsApp, grupos do Telegram ou páginas do Instagram. Ao tornar o e-commerce ainda mais conveniente, as startups de social commerce estão buscando romper ainda mais o varejo, que continua dominado por lojas físicas que raramente oferecem vendas a crédito, entrega personalizada e outras conveniências. A maioria das startups de comércio social também usa algoritmos para impulsionar o marketing direcionado.

Embora existam empresas que vendem para clientes diretamente por meio de mídia social, algumas startups inovadoras e escaláveis ​​estão adotando uma abordagem de duas camadas: agentes vinculados a fornecedores maiores comercializam grandes listas de produtos em seus círculos de mídia social. Esses agentes não precisam ter estoque, mas podem acessar o catálogo de produtos de um fornecedor e movê-lo através de suas próprias redes sociais mediante comissão.

Na África, 83% do emprego permanece informal, e o comércio social tem o potencial de explorar essas formas familiares e ágeis de fazer negócios. Talvez o mais importante, o setor em crescimento é perfeito para atender os consumidores na África, onde passam a maior parte do tempo online: usando mídias sociais em telefones celulares.

folha de dicas

💡 A oportunidade: O aumento da penetração da internet e smartphones na África está levando a uma maior dependência das mídias sociais para comunicação e networking. Isso apresenta uma oportunidade para um grupo de empresas de comércio social em rápido crescimento.

🌍 O roteiro: As startups de comércio social nos mercados africanos estão se voltando para os players de mídia social para alcançar círculos mais amplos por meio de plataformas como Facebook, Instagram, Telegram, WhatsApp e Twitter. Esses agentes trazem produtos diretamente aos usuários finais interessados.

🤔 O desafio: Organizar as plataformas informais de distribuição de varejo da África em canais formais é uma oportunidade chave que está sendo buscada por empresas de comércio eletrônico e comércio social. A conectividade cara e precária também é um desafio em um continente que tem uma parcela considerável de sua população em áreas rurais mal servidas.

💰 As partes interessadas: Agentes de vendas de mídia social, startups de comércio eletrônico e mídia social, negócios digitais, financiadores de desenvolvimento, instituições financeiras internacionais, empresas de fintech e consumidores.

para os dígitos

92%: Porcentagem de pequenas e médias empresas que usam mídias sociais para seus negócios no Quênia

US$ 8,9 bilhões: Valor da indústria de comércio social na África e no Oriente Médio até 2022

55,2%: Crescimento projetado do comércio social na África e no Oriente Médio entre 2022 e 2028, quando o mercado deverá atingir US$ 13,3 bilhões

520 milhões: Número estimado de compradores online em África até 2025

o estudo de caso

Nome: brimore
Campus: Egito
Fundadores: Mohamed Abdulaziz e Ahmed Sheikah

Fundada em 2017, a Brimore é uma startup de comércio social egípcia que trabalha quase exclusivamente com revendedores para vender produtos por meio de mídias sociais em nome dos fabricantes. A Brimore atualmente faz parceria com 300 fabricantes e 75.000 revendedores em todo o Egito.

Enquanto o crescente ecossistema de startups de tecnologia do Egito está atraindo mais financiamento de risco, o cenário geral de financiamento da África permanece enviesado contra as fundadoras do sexo feminino. (Em 2021, apenas 6,5% do financiamento de startups africanas foram para empresas com CEOs do sexo feminino.) Ao visar esse grupo carente de empreendedores, a Brimore conseguiu atrair financiamento de financiadores de risco globais, incluindo IFC, Algebra Ventures e Endure Capital. .

A empresa levantou US$ 25 milhões este ano, incluindo US$ 5 milhões da International Finance Corporation (IFC) do Banco Mundial, elevando o financiamento total de capital de risco para US$ 40 milhões. Em fevereiro, a Brimore também investiu US$ 5 milhões na empresa egípcia de entrega e logística Milezmore, e agora está se preparando para expandir para o Quênia e Marrocos.

em conversa com

Ahmed Sheikha, cofundador e diretor comercial da Brimore, acredita no aumento das oportunidades de geração de renda para as mulheres africanas. Aqui estão algumas citações selecionadas da nossa conversa:

⚙️ Sobre como Brimore funciona:
“Do lado do fornecedor, eles listam seus produtos conosco. Alinhamos com o mercado, a estratégia, os preços e a concorrência, e colocamos em nosso aplicativo mobile. Assim que o produto estiver ligado [the] app, uma notificação é enviada aos revendedores. Eles revisam os novos produtos e começam a compartilhar o material, fotos e detalhes, e preços dos produtos nas redes sociais com amigos, familiares e redes. A parte de vendas é principalmente nas redes sociais.”

💪 Sobre o que motivou a fundação da Brimore:
“Vimos uma oportunidade de mercado: se você tem uma nova marca que ninguém conhece, normalmente precisa gastar muito em marketing, vendas e distribuição para garantir que esses produtos estejam disponíveis ao consumidor primeiro; e aí você começa a vender, o que é muito difícil. Então pensamos em criar uma rede de micro-vendedores que possam vender para seus amigos e familiares e para seus círculos sociais próximos através das mídias sociais.”

🤔 Sobre motivações pessoais:
“Fiquei intrigado com o tipo de oportunidade, economia e renda que esse tipo de negócio poderia gerar para todos os stakeholders. Você ajuda as pessoas a ganhar uma renda decente, as ajuda a aprender mais habilidades e as ajuda a influenciar as pessoas ao seu redor revendendo os produtos por meio das mídias sociais. O uso da tecnologia também foi uma maneira diferente de trazer um mercado de varejo desorganizado para uma estrutura organizada.

Ofertas de comércio social para 👀

Wasoko, uma startup de comércio eletrônico B2B do Quênia, arrecadou US$ 125 milhões em uma rodada da Série B este ano. Anteriormente Sokowatch, a Wasoko permite que os varejistas casuais reabasteçam seus suprimentos usando seus telefones celulares em um esquema compre agora, pague depois. O novo financiamento ajudará Wasoko a solidificar sua presença pan-africana por meio da expansão na Nigéria e em outros países da África Austral.

Startup de comércio social queniano Tushop levantou US $ 3 milhões em uma rodada de sementes em abril. A empresa usará o financiamento para expandir sua equipe e continuar a escalar. Fundada em 2021, a Tushop organiza líderes comunitários para coletar pedidos das comunidades em troca de uma taxa por seus esforços, que também inclui entrega de supermercado.

Elloé, uma startup de comércio eletrônico e social com sede nos EUA focada no mercado queniano, levantou US$ 1 milhão em uma rodada de pré-financiamento e usará o dinheiro para expandir para os mercados do Sudeste Asiático. A empresa se concentra em operações de negócios baseadas em IA por meio de plataformas de mensagens sociais.

Do Níger, Rabawa é uma startup africana de comércio social que arrecadou US$ 163.000 em financiamento no ano passado. Ela usará o capital para fortalecer suas operações de e-commerce, que alavancam plataformas de vídeo e social commerce. A empresa permite que os revendedores promovam e comercializem produtos em nome dos produtores para os usuários finais por meio de plataformas de mídia social.

Mais quartzo África

📱 O comércio social está se tornando um importante modelo de negócios na África

📹 Diplomatas africanos estão transmitindo ao vivo para consumidores chineses

🇲🇦 O boom do comércio eletrônico do Marrocos sobreviveu ao bloqueio

🛒 Por que a África Central está atrasada no comércio eletrônico?

🤝🏽 Por que B2B é a chave para desbloquear o potencial de comércio eletrônico da África

🎵 Este curta foi produzido ouvindo Gâmbia e Jarabi (Amado) por Sona Jobarteh (Gâmbia).

Tenha um resto de semana muito motivado,

Tawanda KaromboParceiro da Quartz Africa com sede em Harare

uma 😃 coisa

Embora a África Central esteja significativamente atrás do resto do continente em termos de adoção da Internet, ela tem um uso relativamente alto de comércio social. Uma pesquisa em Camarões descobriu que 68% dos entrevistados compraram itens pelo Facebook, enquanto 88% o fizeram pelo WhatsApp, de propriedade do Facebook.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo