Cidadania

Este cristal especial é o primeiro produto espacial já vendido — Space Business — Quartz

Queridos leitores,

Bem-vindo ao boletim da Quartz sobre as possibilidades econômicas da esfera extraterrestre. Por favor, encaminhe amplamente e deixe-me saber o que você pensa. Esta semana: Aí vem os cristais espaciais, a guerra cultural dentro da SpaceX, e o SLS (quase) completa seu ensaio geral.

Se aprendemos algo liberando o malé que cristal muito puro pode ser uma oportunidade lucrativa.

Neste caso, um cristal especial cultivado a bordo da Estação Espacial Internacional pela Redwire Corporation foi vendido para a Ohio State University. A empresa diz que é a primeira transação envolvendo mercadorias feitas no espaço.

O professor John Horack comprou uma amostra de dois gramas de cristal de di-hidrogenofosfato de potássio (KDP), que é usado para fazer lasers de alta potência usados ​​em tudo, desde medicina até computação quântica, por cerca de US$ 4.000, um preço equivalente a US$ 2 milhões por quilo. Chegou em uma caixa da FedEx em um frasco do tamanho de um frasco de colírio. Embora amostras de rochas lunares tenham sido vendidas em leilão e a Redwire tenha fabricado componentes impressos em 3D na ISS para a NASA e outros, esta é a primeira vez que um produto feito usando o ambiente espacial é vendido na Terra.

Pesquisadores e estudantes do Centro de Microscopia e Análise Eletrônica da universidade agora cortarão o cristal em segmentos finos e examinarão suas propriedades de perto. A Redwire espera que a análise mostre que o crescimento do cristal em microgravidade resultou em menos defeitos e um produto mais útil. A empresa, um conglomerado de capital aberto formado pelos investidores de private equity AE Industrial Partners de um punhado de startups espaciais, dedica-se à expansão das atividades espaciais comerciais. O presidente Andrew Rush chama essa primeira venda comercial de um produto habilitado para espaço “um momento Netscape” nessa jornada.

Direitos autorais da imagem: fio vermelho

Bonito!

A Redwire tem cerca de uma dúzia de cargas a bordo da ISS agora, incluindo impressoras 3D; fabricante de ZBLAN, um cabo de fibra óptica de alta eficiência; e seu produtor de cristal. Cada um é um esforço de prova de conceito projetado para testar a produção e a unidade econômica de cada bem.

É difícil dizer se este cristal é um divisor de águas sem saber mais sobre seu desempenho. Um vendedor da Newlight Photonics, um varejista existente desses componentes especializados, disse que seria impossível precificar esses cristais sem conhecer a aplicação e as dimensões específicas, e duvidava que um cristal feito no espaço fosse barato..

Rush diz que sua equipe trabalhou décadas de pesquisa no espaço para encontrar materiais que fossem atingíveis e economicamente interessantes. A disponibilidade da ISS como plataforma para as empresas realizarem pesquisas e o acesso frequente oferecido pela espaçonave Dragon da SpaceX está permitindo projetos de fabricação espacial mais ambiciosos.

A estratégia da Redwire é trabalhar com a infraestrutura de lançamento e operações que existe atualmente, e Rush diz que com a cooperação da NASA e do Centro para o Avanço de Estudos Espaciais (CASIS), organização que gerencia a pesquisa na ISS, pode ser possível . para aumentar a produção de cristais lá.

Mas alcançar um volume de produção significativo significará muito mais infraestrutura em órbita: espaçonaves comerciais ou habitats de voo livre, além de mais espaçonaves visitando-os regularmente e retornando à Terra. A NASA vê esse ecossistema se desenvolvendo na próxima década, e a Redwire é parceira da Orbital Reef, uma futura estação espacial que está sendo desenvolvida pela empresa espacial de Jeff Bezos, Blue Origin.

Perceba que a visão expansiva da economia orbital exigirá evidências, como este acordo de cristal, para convencer os investidores de que há dinheiro a ser ganho na fabricação de bens no espaço. Se houver frotas de máquinas bombeando componentes aprimorados por microgravidade em órbita daqui a décadas, esse pequeno pedaço de material inorgânico pode se tornar um dos minerais mais valiosos já produzidos.

Os cientistas ficaram fascinados com o potencial de crescer cristais no espaço por algum tempo. A primeira tentativa de fazer isso ocorreu a bordo da estação espacial Skylab da NASA na década de 1970, e o ônibus espacial também carregava cargas úteis para experimentos de crescimento de cristais. Você pode ter uma ideia aproximada de como os cristais espaciais são diferentes nessas fotos, que mostram cristais terrestres à esquerda e cristais feitos no espaço à direita:

Direitos autorais da imagem: PANELA

Direitos autorais da imagem: PANELA

DETRITOS ESPACIAIS

Guerras culturais na SpaceX. Depois que centenas de funcionários da SpaceX assinaram uma petição pedindo que Elon Musk se acalmasse com os tweets embaraçosos e ofensivos, a empresa demitiu pelo menos cinco pessoas envolvidas no esforço. A retaliação pode ter ramificações legais futuras para a SpaceX, mas não é surpresa que, apesar da regra de “não idiota” da empresa, Musk seja o único funcionário da SpaceX autorizado a sair do cargo. As atividades extracurriculares do fundador (e recentes alegações de assédio sexual) claramente injetaram um gosto amargo na cultura da SpaceX, mas ainda não se sabe o quanto isso afetará as contratações e as operações. Se você trabalha na SpaceX, adoraria falar sobre isso, então envie um e-mail ou uma mensagem de texto para 347-778-1414.

Conheça um cowboy espacial. Com a United Launch Alliance ganhando um grande contrato de lançamento e com seu novo foguete Vulcan chegando em breve, agora é um bom momento para examinar como o CEO Tory Bruno transformou a empresa que mais tinha a perder com a ascensão da SpaceX.

Molhado e selvagem. O quarto “teste de vestimenta” do Sistema de Lançamento Espacial da Boeing chegou mais perto do que nunca de demonstrar os complicados procedimentos de abastecimento do enorme foguete, mas terminou cerca de 20 segundos antes. Ainda não está claro para a NASA se isso está perto o suficiente para começar a se preparar para o lançamento, mas os engenheiros disseram que ficaram satisfeitos com o desempenho do veículo, pois os propulsores pressurizados e super-resfriados foram bombeados a bordo.

A Coreia do Sul tem acesso ao espaço. O Instituto de Pesquisa Aeroespacial da Coréia lançou um foguete Nuri esta semana, implantando com sucesso um pequeno satélite pela primeira vez, um marco importante no plano do país para impulsionar sua indústria espacial e diminuir sua dependência de lançadores estrangeiros.

A Inmarsat e a ViaSat estão mais próximas de fechar o negócio. Os acionistas da ViaSat aprovaram a aquisição da Inmarsat por US$ 3,7 bilhões, que os executivos acreditam que resultará em uma empresa de telecomunicações via satélite mais capaz de competir com Starlink, OneWeb e outras novas redes de satélite da Internet. Agora, o principal obstáculo é a aprovação regulatória, que a SpaceX pediu à FCC para negar.

Teu amigo,

Tim

Esta foi a edição 138 da nossa newsletter. Espero que sua semana seja de outro mundo! Envie seus pensamentos sobre os conflitos internos da SpaceX, a programação do primeiro voo Vulcan da ULA, dicas e opiniões informadas para [email protected]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo