Cidadania

Vacinas da Índia e diplomacia de saúde na África para combater a China – Quartz India

[ad_1]

A Índia intensificou suas ambições globais e sua reativação da política externa com os países africanos nos últimos anos. Seu comércio bilateral aumentou de US $ 7,2 bilhões em 2001 para US $ 63 bilhões em 2017-18. A Índia é agora o terceiro maior destino de exportação e o quinto maior investidor no continente.

Enquanto se aproxima da presença dominante da China na África, a Índia assinou vários novos acordos bilaterais. Também fortaleceu sua presença diplomática e está promovendo ativamente o investimento em comércio, infraestrutura e setor privado.

Em nossa pesquisa em um projeto de vários anos, descobrimos que Nova Delhi promove um modelo alternativo de desenvolvimento. Mostra os sucessos de sua Revolução Verde e os avanços em informação, comunicação e tecnologia. Mas também destaca sua capacidade de desenvolver tecnologia “Triple A”: acessível, apropriada e adaptável.

A experiência da Índia em cuidados de saúde acessíveis cresceu em importância durante a pandemia em curso. Nova Delhi já está colhendo os benefícios de uma ambiciosa iniciativa diplomática para entregar vacinas feitas na Índia aos países em desenvolvimento.

A Índia é um dos maiores produtores de drogas do mundo. Ela fabrica 60% das vacinas do mundo. Muitos países africanos os compraram ou receberam como presentes.

A capacidade e a disposição de Nova Delhi para produzir e compartilhar vacinas Covid-19 aumentaram ainda mais o peso diplomático do país e o reconhecimento como potência mundial.

Política Africana da Índia

A pegada histórica da Índia na África difere das outras potências. Nova Delhi ofereceu apoio aos países africanos em sua luta contra o domínio colonial. A associação indo-africana continuou no período pós-colonial. Isso foi cimentado pela solidariedade e apoio ao Movimento dos Não-Alinhados e à luta contra o racismo.

A Índia também ofereceu apoio à África do Sul em sua luta contra o apartheid. Além disso, Nova Delhi observa a presença de uma diáspora indiana considerável e suas contribuições econômicas e filantrópicas para o continente.

Desde o início da década de 1990, a Índia passou do idealismo ao pragmatismo e à busca explícita de interesses comerciais. A mudança foi impulsionada pelo forte crescimento econômico do país e pela necessidade de acesso a matérias-primas e novos mercados.

O esforço da Índia para a cooperação Sul-Sul é baseado em três elementos gerais. O primeiro é uma identidade compartilhada como parte do “Terceiro Mundo”. A segunda é a expertise em tecnologias de desenvolvimento lucrativas. O terceiro é uma articulação recorrente dos princípios de respeito mútuo e solidariedade.

Sua longa história de democracia e seus sucessos na redução da pobreza e prevenção da fome também reforçaram a legitimidade de sua abordagem para o desenvolvimento no Sul Global.

Desde 2018, a parceria Índia-África tem sido baseada em um conjunto de princípios. Estes enfatizaram as “prioridades locais”. Eles pedem esforços conjuntos para reformar as instituições globais, combater a mudança climática e combater o terrorismo global. Eles também destacam a capacitação em agricultura, educação, tecnologia digital e cooperação em questões marítimas e de manutenção da paz.

Como e em que medida a África pode se beneficiar do crescente interesse da Índia? Identificamos três amplos conjuntos de oportunidades e benefícios relacionados à saúde que podem moldar o futuro das relações Índia-África.

Três áreas principais de colaboração

O primeiro está relacionado à formidável reputação da Índia como a “farmácia do mundo”. Tem contribuído ativamente para atender à demanda global por vacinas, medicamentos sem receita e medicamentos genéricos de baixo custo. Os custos de fabricação relativamente baixos tornam os produtos indianos acessíveis em todo o mundo.

Quase 20% das exportações farmacêuticas da Índia, avaliadas em US $ 17 bilhões, vão para a África. As regiões sul e oeste da África são os maiores importadores de medicamentos indianos. Isso inclui medicamentos anti-retrovirais (ARV) que custam apenas uma fração dos produzidos por empresas ocidentais.

O segundo está relacionado com a capacitação e colaboração no setor da saúde. Os principais provedores de saúde da Índia estão colaborando com parceiros africanos. Alguns abriram ou planejam abrir hospitais especializados na África.

Desde 2009, a rede eletrônica pan-africana apoiada pela Índia oferece serviços de telemedicina. Isso também conecta hospitais e centros educacionais na Índia com seus homólogos na África. Com suas instalações médicas de última geração, oferecendo serviços a custos competitivos, a Índia também se tornou um destino atraente para o “turismo médico”.

O terceiro diz respeito à ativa “diplomacia médica” da Índia. A dependência da África de um suprimento barato de medicamentos essenciais, além de uma vacina Covid-19 acessível, provavelmente aumentará em um futuro próximo.

Mas o sucesso da África em conter pandemias como o ebola também oferece lições para a Índia. Um exemplo ilustrativo é o Senegal, que adaptou suas experiências do surto de Ebola de 2014 para combater a Covid-19. Muitas lições adicionais sobre controle de doenças de países africanos também podem ser estendidas para melhorar o setor de saúde da Índia.

Colaboração futura em saúde

A Índia parece estar bem preparada para compartilhar seus recursos digitais para um acesso melhorado e acessível à saúde universal. Nova Delhi renovou sua infraestrutura de telemedicina e consultoria de vídeo online no continente. Isso oferece uma opção econômica e segura para o tratamento de doenças contagiosas.

Em um futuro próximo, os parceiros indianos podem se beneficiar de seus aplicativos móveis e online para melhorar a acessibilidade e o preço dos serviços de saúde. As plataformas online podem ser usadas para acessar informações sobre bancos de sangue, hospitais públicos e doação de órgãos. Os aplicativos móveis podem ajudar a rastrear o status da vacina das crianças e a conscientização sobre doenças.

Mas também existem alguns desafios que precisam ser resolvidos. Uma delas é combater a ameaça de medicamentos falsificados no continente africano. Além das medidas existentes para conter a atividade criminosa, os aplicativos móveis podem verificar as drogas para resolver o problema.

Um grande desafio é melhorar o acesso a medicamentos genéricos por meio de isenções negociadas de direitos de propriedade intelectual. Na Organização Mundial do Comércio, a Índia e a África do Sul assumiram uma postura moral contra o “nacionalismo da vacina”. No entanto, a organização rejeitou sua proposta conjunta em outubro de 2020 para uma isenção temporária de medicamentos e vacinas Covid-19.

Desde então, porém, principalmente os países africanos têm demonstrado um apoio crescente à proposta.

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original. Agradecemos seus comentários em [email protected]

[ad_2]

Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo