Cidadania

Uma visita turística às raízes de Gana foi um pedido de justiça social nos Estados Unidos – Quartz Africa


Protestos contra o racismo surgiram em todo o mundo nas últimas semanas, provocados pelo assassinato de um homem negro, George Floyd, por um policial branco em Minnesota, nos Estados Unidos. Esse ato de violência racial serve como um lembrete oportuno das desigualdades raciais que persistem para os negros de todo o mundo; as diásporas africanas não são exceção.

De fato, o Gana, que tem sido um líder na conexão dessa diáspora com suas raízes africanas através do turismo, comemora a vida de Floyd com um serviço memorial em Accra. O serviço foi organizado pelo comitê do Ano do Retorno de Gana, em associação com o Fórum da União Africana da Diáspora.

O ano de retorno: 2019, foi uma campanha turística para comemorar o 400º aniversário do primeiro desembarque de escravos nos Estados Unidos. Foi um exemplo de “turismo raiz”, que atrai viajantes a visitar um destino com base em seus ancestrais.

Além da educação e transformação pessoal que muitos viajantes obtêm desse tipo de turismo, também poderia ser uma oportunidade para a reconciliação racial?

Meu estudo de um grupo recente de viajantes afro-americanos ao Gana sugere que isso pode ser uma possibilidade. O estudo explorou como a viagem afetou o senso de identidade desses viajantes e seu compromisso com as iniciativas de justiça social.

Explorando raízes no Gana

Em agosto de 2018, entrei para um grupo de 10 viajantes afro-americanos em uma viagem de 10 dias ao Gana, onde visitamos marcos históricos, bem como cidades, vilas e reservas naturais. Entrevistei viajantes antes e depois da viagem, além de fazer observações e um grupo de foco durante a viagem. Perguntei a eles sobre suas expectativas para a viagem e como a experiência havia afetado sua identidade. Também perguntei se isso os tornava mais propensos a participar de atividades de justiça social, como protestar, se envolver com organizações de justiça social em suas comunidades e falar sobre injustiças sociais em suas profissões.

Os viajantes disseram que a viagem os ajudou a conceber a escravidão de maneira diferente e os levou a uma compreensão mais profunda das relações raciais nos Estados Unidos.

Os viajantes me revelaram que a viagem os ajudou a conceber a escravidão de maneira diferente, e isso levou a uma compreensão mais profunda das relações raciais nos Estados Unidos. Por exemplo, um viajante disse que antes de visitar Gana, eles sentiam “uma certa raiva dos brancos”. Mas visitar Gana e especificamente a masmorra da Costa do Cabo os expôs para aprender mais sobre todos os atores da escravidão: europeus (brancos) e africanos (negros).

Os viajantes também compartilharam como a viagem os ajudou a entender melhor sua identidade como africanos e americanos. Por exemplo, um participante disse:

Eu tenho essas características identificáveis ​​sobre mim que me ligam a este lugar. Espero voltar para casa e poder exalar isso como uma luz, sem ter medo ou vergonha; Não devemos temer quem realmente somos.

Esta citação exemplifica como a formação da identidade por meio de viagens radicais pode levar a uma forma de reconciliação dentro dos próprios viajantes.

Outro viajante disse que, após a viagem, eles perceberam que o turismo enraizado, se bem curado, poderia ser um caminho para a comunicação e compreensão inter-raciais. Eles disseram ter notado uma clara diferença entre os grupos de excursão em preto e branco na masmorra de Cape Coast. Um foi mais romantizado, e um trouxe mais detalhes horríveis da escravidão.

Este viajante disse que a experiência romântica era comum em muitos locais de turismo de plantação de escravos nos Estados Unidos. Esse tipo de narrativa perpetua apenas experiências remanescentes da era Jim Crow. Mas, se transformadas, essas experiências no Gana e nos Estados Unidos podem atuar como uma plataforma para a reconciliação racial.

Um viajante descreveu sua própria reconciliação racial interna dizendo:

Somos todos humanos. Eu gostaria que vivêssemos em um mundo que pudesse realmente abraçar isso, mas não o fazemos. Então, por enquanto, continuo tentando espalhar amor e não sinto vergonha de quem eu sou, que é uma mistura de tantas coisas, algumas das quais se originam na África, e estou orgulhosa disso agora.

Fazendo a paz

Esse tipo de experiência através do turismo enraizado representa uma oportunidade para a criação de paz e reconciliação. Os viajantes podem aprender juntos sobre o trauma emocional coletivo resultante da escravidão, as informações erradas que são frequentemente transmitidas sobre a escravidão e como essas questões podem ser discutidas abertamente.

Viagens e turismo não costumam estar ligados à justiça social. Mas pesquisas mostram que o turismo realmente oferece uma plataforma para isso. Os viajantes em meu estudo disseram que sua viagem a Gana lhes permitiu fazer mudanças em direção à eqüidade social em suas vidas profissionais e pessoais. Eles descreveram mudanças acionáveis ​​junto com uma mentalidade expandida. Por exemplo, um viajante mencionou se envolver com o empoderamento de músicos negros em sua comunidade. Outro começou a contribuir financeiramente para capacitar os empresários em Gana.

As experiências de viagens radicais também lançam luz sobre o contínuo racismo cotidiano que as pessoas enfrentam como efeito da escravidão. Os participantes descreveram como o racismo social nos Estados Unidos teve um impacto em suas vidas e como viajar para o Gana os encorajou a buscar clareza de identidade e identidade, assim como igualdade social.

Pesquisas já mostram que o turismo pode promover a paz, a transformação e a compreensão intercultural. Mas é um bom momento para perguntar como a indústria de viagens e turismo contribuiu para o racismo e como isso pode mudar.

Alana Dillette, professora assistente. L. Robert Payne, Escola de Hotelaria e Gerenciamento de Turismo, RESET Tourism, Universidade Estadual de San Diego

Este artigo foi republicado da The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Inscreva-se no Resumo Semanal da Quartz Africa aqui para receber notícias e análises sobre negócios, tecnologia e inovação africanas em sua caixa de entrada



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar