Cidadania

Um Nobel para AltNews não ajudará muito na guerra contra notícias falsas

Um Prêmio Nobel da Paz seria bem merecido para Pratik Sinha e Mohammed Zubair. Mas fazer um estrago no problema das notícias falsas da Índia é outra questão.

Sinha e Zubair, cofundadores do AltNews, um site de verificação de fatos, estão na vanguarda do combate a uma avalanche de desinformação na Índia há anos. Ontem (4 de outubro), revista Time relatado que estavam entre os “favoritos para ganhar o Prêmio Nobel da Paz de 2022”.

“Sinha e Zubair desmentiram metodologicamente rumores e notícias falsas que circulam nas redes sociais e denunciaram discursos de ódio”, escreveu a Time.

Outros favoritos apontados pela revista incluem o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, a Organização Mundial da Saúde e a ativista climática sueca Greta Thunberg.

O vencedor será anunciado em Oslo na sexta-feira.

Um ganhador do Nobel tem menos probabilidade de ser maltratado na Índia

“Pode não haver um efeito direto, mas qualquer tipo de reconhecimento traz um certo nível de segurança”, disse Sinha ao Quartz. “Especialmente para alguém como Zubair agora. Nessa medida, um Nobel pode ajudar.”

A polícia de Delhi prendeu Zubair, 33, em junho deste ano por sua Um tweet supostamente “censurável” de 2018. Poucos dias antes de sua prisão, Zubair, ex-engenheiro de software da Nokia, havia chamado um porta-voz oficial do Partido Bharatiya Janata (BJP) da Índia por seus comentários depreciativos contra o profeta Maomé.

A polícia abriu novos casos contra Zubair cada vez que ele pediu fiança, levando a Suprema Corte da Índia a chamar isso de “ciclo vicioso”. Em julho, ele ganhou fiança em todos os sete casos apresentados contra ele.

O governo provavelmente pensaria duas vezes antes de tratar um ganhador do Nobel dessa maneira. Moda. Mas a luta mais ampla de Zubair e Sinha contra a propaganda e a desinformação não diminuiria.

Quão O problema das notícias falsas da Índia pode piorar

Sinha, que acompanha a desinformação desde 2013 e começou a assumir a AltNews em 2017, acredita que “a desinformação é apenas um subconjunto da propaganda online”.

“À medida que o uso da propaganda online como ferramenta aumenta em todo o mundo, a quantidade de desinformação criada também aumenta proporcionalmente”, disse ele. “Até a grande mídia costuma ser vítima de desinformação. Portanto, nosso foco agora é equipar as pessoas para serem mais criteriosas quando se trata de filtrar notícias e notícias falsas”.

Com as mudanças tecnológicas, por exemplo o recente lançamento do 5G na Índia, virão novas e mais complexas fases de desinformação que precisarão de ferramentas mais sofisticadas para serem enfrentadas.

Há também o problema de um suposto viés “estrangeiro”. O governo indiano costuma tratar opiniões sobre seus problemas internos expressos por pessoas e organizações sediadas no exterior.

Em junho, ele criticou um relatório do Departamento de Estado dos EUA sobre as liberdades religiosas na Índia, afirmando que “a política do banco de votos está sendo praticada nas relações internacionais”. Em julho, da mesma forma, o governo rejeitou as conclusões do Índice Mundial de Liberdade de Imprensa. Essas descobertas classificaram a Índia em 150º entre 180 países e a descreveram como “um dos países mais perigosos do mundo para a mídia”.

O governo alegou que essas conclusões foram tiradas com base em um “tamanho de amostra muito baixo, pouco ou nenhum peso nos fundamentos da democracia, [and] adoção de uma metodologia questionável e pouco transparente”.

Como um Nobel ajudará a AltNews?

O problema enfrentado por Sinha e sua equipe é, portanto, sofisticado, sistêmico e cada vez maior. A AltNews está esperançosa em sua missão? Afinal, é improvável que uma pena na cabeça, como um Prêmio Nobel, seja uma ferramenta em sua batalha mais longa.

Sinha, por sua vez, tem sentimentos contraditórios. “O desânimo aparece de vez em quando, mas onde há possibilidade de solução, nossas esperanças permanecem vivas.”

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo