Cidadania

Um balcão único para logística de comércio eletrônico — Quartz Africa Member Brief — Quartz

Olá membros da Quartz Africa,

A ascensão dos negócios online na África tem sido fascinante de se observar na última década. Percorra qualquer plataforma de mídia social e você encontrará dezenas de postagens vendendo uma variedade de produtos e serviços, de moda a alimentos e eletrônicos.

O número de negócios que vendem online aumentou junto com a penetração de smartphones e internet, bem como a adoção de serviços de pagamento digital. As receitas do comércio eletrônico na África, que totalizaram quase US$ 28 bilhões em 2020, devem atingir US$ 46,1 bilhões em 2025.

As empresas africanas que vendem online são na sua maioria pequenas e médias empresas (PME), mas muitas delas também têm presença offline. Existem cerca de 44 milhões de PMEs na África Subsaariana, de acordo com o Relatório Técnico do Índice de Confiança das PMEs MEA 2021 da MasterCard.

A digitalização apresenta várias oportunidades, bem como desafios, para as PME em África. Ao adotar ferramentas digitais, as empresas podem colher benefícios, incluindo transações mais eficientes em vários canais, formas mais convenientes de pagar fornecedores, menos chance de fraude e maior acesso ao financiamento. Em geral, a maioria das PMEs na África acredita que o comércio eletrônico terá um impacto positivo em seus negócios. O número varia entre os países, de 89% das PMEs no Quênia a 81% na Nigéria, 73% na Costa do Marfim, 64% na África do Sul e 56% no Egito.

A adoção de soluções de comércio eletrônico tem custos que podem ser uma barreira para as PMEs que desejam vender online. É por isso que um número crescente de startups busca enfrentar alguns desses desafios, seja em logística, supply chain, gestão de estoque, distribuição, vendas, marketing, financiamento ou administração, e acelerar a adoção de ferramentas digitais pelas empresas do continente. .

folha de dicas

💡 A oportunidade: Milhões de empresas africanas, em particular as MPMEs, irão beneficiar e desenvolver operações mais eficientes através da adoção da digitalização em diferentes facetas dos seus negócios, incluindo gestão de inventário, distribuição, pagamentos, vendas e marketing.

🤔 O desafio: O custo da adoção de soluções de comércio eletrônico continua alto para muitas empresas. Os custos de transação, como taxas cobradas pelas plataformas de comércio eletrônico, também representam um desafio, assim como a falta de conhecimento técnico relevante e a preferência por dinheiro e configurações tradicionais por muitos empresários.

🌍 O roteiro: As startups precisam criar soluções de comércio eletrônico acessíveis e eficientes, feitas sob medida para atender às necessidades das MPMEs africanas.

💰 Partes interessadas: As start-ups, fornecedores e serviços de pagamentos digitais têm um papel a desempenhar na aceleração da digitalização das empresas africanas.

para os dígitos

US$ 46,1 bilhões: Receita projetada de comércio eletrônico na África em 2025, acima dos US$ 27,97 bilhões em 2020.

44 milhões: o número de PMEs na África Subsaariana.

9 em 10: A proporção de PMEs na África do Sul que têm presença nas mídias sociais e/ou um site – a taxa mais alta de qualquer país da África.

88%: Porcentagem de PMEs no Quênia que aceitam pagamentos móveis.

US$ 331 bilhões: O déficit de financiamento das PMEs na África Subsaariana.

o estudo de caso

Início: Sendy

Setor: Logística

Local: Quênia

Avaliação: US$ 80 milhões – US$ 120 milhões (com base nas estimativas da Dealroom.co)

A Sendy foi cofundada no Quênia em 2014 por Meshack Alloys, Malaika Judd, Don Okoth e Evanson Biwott. Sua oferta principal na época era uma plataforma de entrega sob demanda que conectava passageiros e motoristas a clientes que incluíam empresas e indivíduos.

O serviço rapidamente se tornou popular, especialmente com empresas que vendem produtos on-line, pois oferecia preços transparentes com base na distância, a capacidade de rastrear entregas em tempo real, segurança aprimorada e análises que ajudavam a reduzir os custos de entrega. Desde o seu lançamento, o Sendy atendeu mais de 10.000 comerciantes.

Em novembro de 2015, Sendy tornou-se o primeiro destinatário de um investimento do recém-lançado Spark Fund da Safaricom. O fundo apoiado por telecomunicações observou que Sendy tinha potencial para se tornar “um jogador número um ou número dois em seu campo escolhido”.

A Sendy cresceu significativamente desde então e expandiu sua oferta de produtos, apoiada por rodadas de investimento multimilionárias. Em 2019, a startup levantou US$ 2 milhões do investidor de impacto holandês Goodwell Investments e, em 2020, a Atlantica Ventures liderou uma rodada de investimentos da Série B de US$ 20 milhões na empresa. A Toyota Tsusho Corporation, braço de investimentos da montadora Toyota, também esteve envolvida na Série B.

No último trimestre de 2021, a Sendy cresceu de uma empresa de entrega A a B para um fornecedor de infraestrutura completa de atendimento para marcas de comércio eletrônico e de consumo em todo o continente. Sua plataforma agora também permite que os varejistas comprem ações diretamente de fornecedores e desfrutem de entrega noturna gratuita, além de financiamento flexível de ações.

A Sendy está atualmente presente no Quênia, Uganda, Nigéria e Costa do Marfim, onde expandiu em 2021 por meio de um investimento de capital estratégico na Kamtar, uma startup de logística digital com mais de 5.000 motoristas em sua rede na Costa do Marfim e no Senegal.

Sendy, uma das 100 startups nomeadas Tech Pioneers 2022 pelo Fórum Econômico Mundial (WEF), está atualmente buscando levantar US$ 100 milhões em uma rodada da Série C. Ela planeja usar os fundos para expandir suas operações na Nigéria e na Costa do Marfim, mas também busca expandir para outros mercados africanos, como Egito, África do Sul e Gana.

em conversa com

Malaika Judd

Malaika Judd é CFO e cofundadora da Sendy.

🧰 Sobre a migração de entregas para infraestrutura de conformidade total:

O núcleo de nossa oferta é o fulfillment (armazenamento, gerenciamento de estoque e solução de última milha) combinado com comércio B2B e serviços financeiros. Queríamos criar um mercado que permitisse aos varejistas acessar toda a gama de produtos de que precisam, eliminando o incômodo e o custo de comprar de vários fornecedores ao lidar diretamente com fabricantes e distribuidores. Alcançamos um crescimento de mais de 80% no número de estabelecimentos que utilizam nossa plataforma trimestre a trimestre.

🛵 Ao adicionar veículos elétricos à sua frota:

Ao adicionar veículos elétricos à nossa frota, conseguimos proteger nossos parceiros do aumento dos preços dos combustíveis e, ao mesmo tempo, reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Pretendemos dobrar nossas iniciativas verdes, introduzindo vans elétricas como parte de nosso mandato ESG.

🗺️ Ao entrar na África Ocidental através do investimento em Kamtar:

Nosso investimento em Kamtar foi muito gratificante, pois conseguimos capitalizar as sinergias entre nossas equipes e manter o domínio do mercado na Costa do Marfim. Isso nos posicionou estrategicamente à medida que procuramos expandir para outros países da região francófona da África Ocidental, de acordo com nosso amplo plano de expansão.

💰 Sobre a introdução do financiamento de capital para varejistas:

Temos oferecido financiamento comercial a fornecedores para permitir que os varejistas comprem de nós a crédito. Esse serviço ajudou a acelerar o crescimento de nosso produto de atendimento, pois atraiu e reteve comerciantes na plataforma. Com essa percepção, estamos agora no processo de formalização do produto, criando uma equipe separada com seus próprios acordos de clientes separados, metas de negócios e algoritmos de pontuação de crédito que verão uma escala mais rápida de nossa oferta de atendimento.

Ofertas para ver

Wasoko (anteriormente Sokowatch)) em março de 2022 fechou uma Série B de US$ 125 milhões com uma avaliação de US$ 625 milhões. A plataforma visa varejistas informais com soluções de cadeia de suprimentos e foi nomeada a empresa de crescimento mais rápido da África em 2022 pelo Financial Times.

Startup de logística de caminhões digitais com sede no Quênia caminhão de transporte garantiu US$ 4 milhões em uma rodada de financiamento inicial em fevereiro. A arrecadação de fundos foi realizada pela Better Tomorrow Ventures (BTV), uma empresa de capital de risco com sede em São Francisco que visa startups em estágio inicial.

Em novembro de 2020, sistemas de lório garantiu financiamento e suporte da Imperial, um fornecedor de soluções integradas de logística e acesso ao mercado com foco na África e na Europa, para expandir seu produto na África após fechar uma Série A de US$ 20 milhões em 2019. A startup oferece soluções de gerenciamento de ativos na cadeia de suprimentos para proprietários de cargas .

Mais quartzo África

📹 Diplomatas africanos estão transmitindo ao vivo para consumidores chineses

🇲🇦 O boom do comércio eletrônico no Marrocos sobreviveu ao bloqueio

🛒 Por que a África Central está atrasada no comércio eletrônico?

🤝🏽 Por que B2B é a chave para desbloquear o potencial de comércio eletrônico da África

🚢 Como as startups de logística podem fazer funcionar a maior zona franca da África

👭🏽 Mulheres empreendedoras estão enfrentando os problemas logísticos da África

Este relatório de membros foi preparado ouvindo Booth Ndani yaum álbum de Wakadinali.

Tenha uma semana divertida e produtiva!

—Martin Siele, colaborador do Quartz baseado em Nairobi

Uma 🤑 Coisa

A Série B de US$ 125 milhões que a startup de logística Wasoko fechou em março com uma avaliação de US$ 625 milhões foi a segunda maior rodada não fintech na África, depois da Andela, e a maior no espaço de comércio eletrônico de varejo B2B.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo