Cidadania

Uganda prende Bobi Wine e desencadeia violência eleitoral mortal – Quartz


A corrida para as eleições presidenciais e para a assembleia nacional de Uganda em 14 de janeiro do próximo ano se tornou violenta e causou várias vítimas.

A prisão de dois dos principais candidatos da oposição gerou protestos em massa esporádicos que ocorreram no segundo dia em diferentes partes do país, deixando pelo menos 16 mortos e dezenas de feridos graves, disse a polícia.

O músico popular que se tornou político Robert Kyagulanyi, mais conhecido como Bobi Wine, e Patrick Amuriat Oboi não conseguiram acessar seus respectivos locais de campanha antes de serem agarrados e detidos por oficiais de segurança.

A polícia apoiada pelo exército está travando batalhas com jovens manifestantes que supostamente queimaram pneus, fecharam estradas e atacaram policiais. Eles destruíram outdoors de campanha do presidente em exercício Yoweri Museveni, que está no poder desde 1986, antes do nascimento de mais de 70% dos ugandeses.

Quatro candidatos presidenciais, incluindo dois ex-generais militares, suspenderam suas campanhas após o incidente. Bobi Wine, 38, que permanece sob custódia policial, está detido em Nalufenya, uma instalação policial especial conhecida por torturar ativistas políticos, suspeitos de crimes de alto perfil e suspeitos de terrorismo.

Oboi, 57, foi libertado na madrugada de 18 de novembro e dirigiu-se a uma estação de rádio que foi fechada pelas autoridades.

REUTERS / Mike Hutchings

Presidente Yoweri Museveni

As tensões políticas têm aumentado em Uganda desde o início das campanhas presidenciais em 9 de novembro, a polícia e o exército têm travado batalhas com vários candidatos presidenciais, exceto o atual.

O aparato de segurança de Uganda tem consistentemente reprimido Bobi Wine em particular, cujos numerosos jovens seguidores são vistos como uma ameaça pelo estabelecimento de Museveni. A pop star, eleita para o parlamento em 2017, foi presa várias vezes nos últimos anos desde que declarou pela primeira vez que concorreria à presidência. Os motivos da prisão incluem a organização de grandes shows que as autoridades consideraram manifestações políticas.

No ano passado, Museveni, de 76 anos, superou o último obstáculo para concorrer a um sexto mandato como presidente, quando a mais alta corte do país manteve a decisão de remover os limites de idade presidencial que antes eram 75.

Os líderes da oposição acusaram o presidente Museveni de usar a pandemia Covid-19 como desculpa para suprimir a crescente dissidência contra seu governo de 34 anos sobre o país da África Oriental. Museveni é o terceiro presidente africano mais velho, depois do presidente Teodoro Obiang da Guiné Equatorial (41 anos) e do presidente Paul Biya dos Camarões (38 anos).

Desde o início das campanhas, Museveni optou por realizar pequenas reuniões com os líderes do partido governante NRM, em estrita observância das diretrizes da Covid-19. Em 19 de novembro, Museveni, que ainda não fez uma declaração sobre os acontecimentos que estão ocorrendo, estava fazendo campanha no remoto nordeste de Uganda. Seus partidários realizaram procissões antes de sua visita, sem interferência da polícia e do exército.

Por outro lado, Bobi Wine, que atrai grandes multidões, principalmente jovens, em todos os bairros que visita, tem enfrentado conflitos diários com policiais e militares para acessar shoppings e outras cidades.

Inscreva-se aqui para receber notícias e análises sobre negócios, tecnologia e inovação na África em sua caixa de entrada.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar