Cidadania

Tablets escolares quenianos estão agora sendo vendidos no mercado negro em Uganda — Quartz Africa

Os quenianos furiosos foram às mídias sociais para expressar sua raiva por relatos de que tablets do governo destinados a alunos da primeira série foram manchado à venda no mercado negro em Uganda.

Em uma página do Facebook chamada ‘Uganda 2’, onde ugandenses compram e vendem eletrônicos e carros, um usuário que se identifica como Emmanuel Watile e mora em Kampala postou um preço de US$ 79 para cada tablet que ele diz ter “armazenamento de memória”. Windows 10” e compatível com “todos os complementos para laptop” “Necessário dinheiro rápido…”

Watile, que se descreve no Facebook como vendedor da BF Suma Africa e Radissons Beauty Products, excluiu a postagem da página depois de um dia, mas isso não impediu que os quenianos o questionassem sobre a origem de seus suprimentos.

A maioria deles estava com raiva porque seus filhos não se beneficiaram do projeto do tablet, mesmo depois que milhões de dólares do dinheiro do contribuinte foram gastos para comprá-los.

Outros se perguntaram por que a diretoria de investigações criminais nunca prendeu as pessoas por trás da venda de propriedades do governo.

Os tablets estavam sendo vendidos por apenas US$ 35, mas o porta-voz do governo Cyrus Oguna disse a um site de notícias local que o Estado não sabia nada sobre o crime, mas prometeu que uma investigação seria conduzida. “Não temos conhecimento do assunto, pois chegou ao nosso conhecimento.”

Em 2016, bandidos invadiram quatro escolas primárias no oeste do condado de Bungoma, que faz fronteira com Uganda, e roubaram os tablets. Apenas 71 deles foram recuperados no ano passado na fronteira.

Os sonhos de milhões de estudantes foram mortos quando o projeto entrou em colapso

Em 2013, o presidente queniano Uhuru Kenyatta fez campanha em uma plataforma de alfabetização digital, prometendo fornecer laptops para todas as escolas primárias do país para alunos da primeira série.

Mas depois de conquistar o primeiro lugar, seu governo percebeu que a promessa foi exagerada e, em vez disso, prometeu comprar os tablets dos alunos a um custo reduzido de US$ 144 milhões. A partir de 2016, 600.000 unidades deveriam ser entregues aos alunos a cada ano, mas o projeto foi descontinuado em 2019 e o dinheiro foi redirecionado para a construção de laboratórios de informática antes que todas as escolas recebessem os dispositivos.

Antes de lançar o projeto em 2013, o governo queniano ignorou os desafios de roubo, corrupção, baixa penetração de eletricidade e dificuldades em equipar professores com habilidades digitais. Esses obstáculos combinados para matar os sonhos de milhões de estudantes.

Com as eleições se aproximando no próximo mês, isso é um lembrete dos vários escândalos que assolaram o governo.



Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo