Cidadania

Sobreviventes do ebola podem ser contagiosos após cinco anos – Quartzo


Cinco anos depois que o maior surto de ebola da história matou mais de 11.000 pessoas na África Ocidental entre 2014 e 2016, o vírus está de volta.

Um novo surto foi relatado na Guiné em meados de fevereiro, e pelo menos 18 pessoas contraíram o vírus desde então, incluindo pelo menos quatro que morreram. Uma campanha de vacinação foi iniciada para prevenir a propagação e 1.600 pessoas foram vacinadas até agora e a Organização Mundial da Saúde (OMS) está trabalhando para ajudar a obter mais doses, apesar dos estoques baixos.

Novos surtos de Ebola normalmente ocorrem quando o vírus salta para os humanos da natureza, mas, neste caso, foi provavelmente iniciado por um sobrevivente da epidemia de 2014-16, de acordo com novos estudos de sequenciamento de vírus publicados hoje. 12 de março por uma equipe internacional liderada por pesquisadores da Universidade de Conakry, na Guiné.

Embora se soubesse anteriormente que os sobreviventes do Ebola podiam ser contagiosos muito depois do desaparecimento dos sintomas (pelo menos um caso de sêmen de um homem portador do vírus foi registrado mais de 500 dias após a infecção), o fato de o vírus ter estado dormente por tantos anos, antes de se replicar novamente, é uma descoberta chocante. Isso ocorre porque o Ebola é um vírus de RNA, um tipo de vírus que não se sabe estar latente no sistema como o que causa o herpes, disse Angela Rasmussen, virologista da Universidade de Georgetown, à Science Magazine.

Saber dessa possibilidade apresenta um novo problema quando se trata de controlar futuros surtos. Até agora, a recomendação para sobreviventes em relação à transmissão sexual era o uso de preservativo por pelo menos seis meses após a recuperação, mas isso pode não ser suficiente. Os sobreviventes do ebola já estavam sujeitos a muito estigma em suas comunidades, e monitorar o risco de espalhar o vírus sem aumentar o estigma contra eles é essencial, escrevem os cientistas que publicaram o relatório. Isso ocorre porque, ao contrário da Covid-19, não haverá vacinação em massa contra o Ebola.

Lições para Covid-19

Embora as epidemias de Ebola sejam muito diferentes da pandemia que manteve o mundo fechado por um ano (o Ebola não é transportado pelo ar e é menos contagioso do que Covid-19 para começar), esta descoberta também deve ser um aviso. Conforme a campanha de vacinação continua em todo o mundo. e saímos da emergência.

Uma pessoa que tinha Covid-19 na maioria das vezes para de ser contagiosa em 20 dias, mas houve casos de pessoas que espalharam o vírus mesmo depois dessa data, e os estudos sobre imunidade pós-exposição ainda estão em andamento.

Mais e mais pessoas estão sendo vacinadas todos os dias, e milhões contraíram o vírus e adquiriram imunidade (ou pensam que sim). É compreensível que queiram deixar de tomar os cuidados que têm tornado nossas vidas tão miseráveis, como distanciamento social, uso de máscaras mesmo após a vacinação, evitar reuniões, apesar da recomendação da saúde pública de não fazê-lo até que a imunidade de rebanho seja alcançada.

Esta descoberta do Ebola deve ser um aviso de que não podemos baixar a guarda até termos certeza de que existe imunidade suficiente contra o vírus.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar