Cidadania

Sete maneiras de lidar com o estresse do smartphone – quartzo


Na última década, os smartphones deixaram de ser um elemento de estado para uma parte indispensável de nossas vidas diárias. E passamos muito tempo com eles, cerca de quatro horas por dia, em média.

Mais e mais pesquisas mostram que os smartphones podem interferir no nosso sono, produtividade, saúde mental e controle de impulsos. Mesmo ter um smartphone ao alcance pode reduzir a capacidade cognitiva disponível.

Recentemente, porém, foi sugerido que deveríamos nos preocupar mais com o potencial dos smartphones para encurtar nossas vidas, aumentando cronicamente nossos níveis de cortisol, um dos principais hormônios do estresse do corpo.

Hormônio do estresse

O cortisol é frequentemente rotulado erroneamente como o principal hormônio de combate ou fuga que nos coloca em ação quando enfrentamos uma ameaça (na realidade, é a adrenalina que faz isso). O cortisol é produzido quando estamos sob estresse, mas sua função é manter o corpo em alerta máximo, aumentando os níveis de açúcar no sangue e suprimindo o sistema imunológico.

Isso nos serve bem quando se trata de uma ameaça física imediata que se resolve rapidamente. Mas quando confrontados com estressores emocionais contínuos (como e-mails de trabalho 24 horas por dia, 7 dias por semana), níveis cronicamente elevados de cortisol podem levar a todos os tipos de problemas de saúde, incluindo diabetes, obesidade, pressão alta e depressão. Eles também aumentam os riscos de doença a longo prazo, ataque cardíaco, derrame e demência, os quais podem levar à morte prematura.

Embora muitas pessoas digam que se sentem mais estressadas agora do que antes de ter um smartphone, a pesquisa ainda não determinou o papel que nossos smartphones desempenham no aumento dos níveis de cortisol ao longo do dia.

Um estudo recente descobriu que o aumento do uso de smartphones foi associado a um aumento maior na resposta de despertar do cortisol, o pico natural do cortisol que ocorre cerca de 30 minutos após o despertar para se preparar para as demandas do dia.

Respostas de vigília muito altas ou muito baixas estão associadas a problemas de saúde física e mental. Mas o uso de smartphones não afetou o padrão natural de cortisol dos participantes que aumenta e diminui durante o resto do dia. E nenhum outro estudo apontou uma ligação entre o uso de smartphones e os níveis cronicamente elevados de cortisol.

No entanto, as pessoas ainda relatam sentimentos de estresse digital e sobrecarga de informação e comunicação.

Verificar e-mails de trabalho à noite ou acordar pode gerar o tipo de estresse que pode interferir nos ritmos naturais do cortisol (sem mencionar o sono). As redes sociais também podem ser estressantes, fazendo-nos sentir ligados às nossas redes sociais, expondo-nos a conflitos e cyberbullying e incentivando a comparação social e o FOMO (medo de ser perdido).

Apesar de estar ciente desses fatores estressantes, o impacto da dopamina que recebemos graças ao design viciante das redes sociais significa que ainda há uma obrigação de verificar nossos feeds e notificações toda vez que encontramos um tempo de inatividade. Mais da metade das pessoas com menos de 35 anos verifica regularmente seus smartphones quando estão no banheiro.

Alguns conselhos

Lidar com o estresse induzido pelos smartphones não é tão simples quanto ter períodos frios. Também foi demonstrado que as retiradas associadas à condição não oficial conhecida como nomofobia (uma abreviação de "fobia sem telefone celular") aumentam os níveis de cortisol.

Em vez de ir para uma desintoxicação digital, que foi comparada à moda passageira da dieta de limpeza de sucos, devemos procurar a nutrição digital. Ou seja, manter um relacionamento mais saudável com nossos smartphones, onde estamos mais conscientes e intencionais sobre o que consumimos digitalmente, para que possamos maximizar os benefícios e minimizar o estresse que eles trazem para nossas vidas.

Aqui estão algumas dicas para um uso mais saudável do smartphone:

  1. Use o Apple Screen Time, o Android ActionDash ou o aplicativo Moment para auditar a frequência com que você usa o telefone e quais aplicativos ocupam a maior parte do tempo.

  2. Desative todas as notificações de aplicativos, exceto as mais importantes (como mensagens particulares), para que você possa recuperar o controle ao olhar para o telefone. Você também pode atribuir determinados horários do dia para não receber notificações.

  3. Desative a opção "enviar" ou "procurar novos dados" no email do seu smartphone. Dessa forma, os emails aparecerão apenas quando você abrir o aplicativo de email e atualizá-lo. Como uma vantagem adicional, isso ajudará a prolongar a vida útil da bateria do seu telefone.

  4. Reserve um tempo para concluir um filtro digital, que inclui pessoas / páginas que deixam de seguir (existe um aplicativo para isso!) E cancelamento da inscrição nas listas de e-mail (que também!) Isso estressam ou beneficiam você. Lembre-se de que você pode parar de seguir seus amigos no Facebook sem desafiá-los.

  5. Crie áreas sem tecnologia em sua casa, como a mesa da cozinha ou os quartos. Uma abordagem "fora da vista, fora da mente" ajudará a impedir que o estresse gerado pelo smartphone vaze no tempo ocioso.

  6. Defina um toque de recolher digital para melhorar o sono reparador e não mantenha o telefone próximo à sua cama. Em vez de procurar o telefone pela manhã, comece o dia com uma breve meditação, algum exercício ou um café da manhã lento.

  7. Esteja ciente e curioso sobre quantas vezes você atende o telefone durante o dia simplesmente por tédio. Em vez de bombardear sua mente com informações, aproveite essas oportunidades para limpar sua mente com um breve exercício de respiração. Existe até um exercício de atenção plena que o desafia a manter seu telefone enquanto medita sobre seu relacionamento com ele, para que você possa reivindicar seu telefone como um sinal para se registrar, em vez de seus e-mails ou redes sociais.

Este artigo foi republicado da The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar