Cidadania

Seis tipos de linguagem que estão prejudicando a cultura da sua empresa – Quartz at Work

Durante meu primeiro ano trabalhando com tecnologia, soube que um amigo meu, um matemático, estava vindo à cidade para dar uma palestra sobre suas últimas pesquisas. Ele havia estudado matemática e estava muito animado para aprender sobre o trabalho dela.

Cheguei ao evento alguns minutos mais cedo. Meu amigo ainda não estava lá, mas havia alguns caras esperando que as coisas começassem. Ao me ver entrando pela porta, um deles disse gentilmente: “Procurando a conferência de design? Acho que caiu. “

Meu entusiasmo diminuiu. Nem mesmo lhe ocorreu que ele poderia estar lá para a conversa de matemática.

A verdade é que essas histórias não são raras e não se limitam às mulheres. Regularmente, nossas suposições, mas também nossas palavras, podem minar, alienar ou prejudicar pessoas de diferentes origens. Nem sempre é tão evidente e óbvio; Muitas frases que as pessoas usam com a intenção de criar camaradagem ou com a intenção de ser mais inclusivas podem ter o efeito oposto.
Se você está interessado em criar um ambiente de trabalho inclusivo e acolhedor para você e seus colegas de trabalho, aqui estão seis tipos de linguagem a serem deixados para trás.

1. Metáforas de esportes

Muitas vezes pensamos em nossos departamentos ou colegas de trabalho como nossa equipe, porque eles são! Isso torna mais fácil escorregar para o uso de ditados e metáforas esportivas. Com que frequência você foi solicitado a “mover a bola para a frente” ou ouviu alguém falar sobre vendas de um quarto de “enterradas”? Essas expressões centradas no esporte nem sempre são compreendidas por aqueles que não seguem esportes ou que praticam esportes que não sejam futebol e basquete. Muitas vezes contamos com a linguagem dos esportes para motivar ou unir uma equipe, mas em vez de construir uma equipe, isso poderia deixar alguém de fora.

2. Jargão corporativo

“Circule para trás”, “clique duplo”, “paradigma”. Você pode preencher um fichário inteiro com termos corporativos comuns usados ​​no local de trabalho. Esses ditos e palavras nasceram de uma cultura corporativa predominantemente masculina e branca. Embora tenha sido facilmente adotado por alguns, o jargão pode deixar outros confusos. Em vez disso, opte por frases mais simples e diretas. Em vez de “valor agregado”, use “lucro”. Em vez de “mudar o paradigma”, tente “mudar”.

3. Americanismos

Se você já trabalhou para uma empresa global, rapidamente descobriu que algumas coisas simplesmente não se traduzem em diferentes culturas. Grande parte da linguagem corporativa se originou nos Estados Unidos, mas se você quer ser inclusivo com todos os seus colegas de trabalho, vale a pena cortar as frases que são exclusivamente americanas. A “loja para mães e pais” não é amplamente entendida fora dos Estados Unidos, e algumas frases, como “pioneiro”, vêm de uma romantização da fronteira americana.

4. Linguagem prejudicial que é culturalmente insensível

Frases comumente usadas podem causar danos a outras pessoas de várias maneiras. É importante notar que a intenção não é importante aqui; Quer você queira dizer isso ou não, se alguém se sente prejudicado por sua linguagem, então essa linguagem é prejudicial. Existem frases que podem ser culturalmente inapropriadas, como “pow-wow” ou “tribo”, que têm um significado muito específico para alguns. Existem frases com raízes problemáticas e racistas, como “isento”, que se origina das leis racistas de Jim Crow do sul dos Estados Unidos. E há termos que são usados ​​incorretamente, como dizer “pessoa diversa”, quando a diversidade só pode descrever um grupo, não um indivíduo.

5. Termos de gênero desnecessários

Por muito tempo, houve uma tendência de usar pronomes masculinos por padrão quando o gênero não era óbvio. Muitas palavras e frases ainda seguem esse padrão, como “presidente” ou “homem-hora”, mesmo que nossa compreensão de gênero tenha evoluído. É melhor deixar de fora essas palavras desnecessariamente relacionadas ao gênero ao falar e procurar alternativas neutras quanto ao gênero, como “presidente” ou “horário de trabalho”. Uma coisa que vemos frequentemente em empregos é “ele / ela”. Embora essa construção já tenha sido vista como progressiva por não deixar de ser “ele”, ela agora reforça o gênero como um conceito binário. Optar pelo “eles” no singular remove o gênero de um lugar onde ele não é necessário.

6. Linguagem Habilística

Frases como “tapar os ouvidos” ou “fechar os olhos” são expressões idiomáticas que têm uma conotação negativa nas várias capacidades das pessoas, por isso é melhor abandoná-las e encontrar alternativas que expressem o seu ponto de vista sem potencialmente ofender o seu público.

A linguagem afeta nosso senso de pertencimento

No último ano e meio, nossos locais de trabalho foram transformados. Tem havido uma reflexão real sobre como podemos criar culturas mais inclusivas e lidar com a desigualdade em nossas empresas. Mas esse trabalho não é responsabilidade de uma única pessoa ou equipe de liderança. Depende de todos. Cada um de nós pode se comprometer a eliminar a linguagem que pode alienar os outros e impactar o senso de pertencimento de alguém, e construir as culturas de trabalho inclusivas que aspiramos ter.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo