Cidadania

Questões de privacidade forçam os países a descentralizar os dados de rastreamento de contatos – Quartzo


Em 18 de junho, o Reino Unido anunciou uma mudança radical em sua abordagem ao desenvolvimento de um aplicativo nacional de rastreamento de contatos de coronavírus.

A estratégia antiga, que coletaria dados sobre o status de saúde e o histórico de contatos dos usuários em um banco de dados central, está fora da janela. Em vez disso, o governo disse que o trabalho futuro se concentrará em um novo design, baseado na tecnologia desenvolvida pela Apple e pelo Google, que inicialmente resistiu.

A decisão da Grã-Bretanha de descartar seu banco de dados central segue decisões semelhantes na Noruega, Austrália e Colômbia. Nesta semana, Alemanha e Itália apresentaram seus próprios aplicativos descentralizados, que nunca armazenam informações sobre o histórico de contatos dos usuários fora de seus próprios dispositivos. “A maré está virando contra aplicativos centralizados há muito tempo e, de fato, quase não resta”, disse Michael Veale, que estuda política e privacidade digital na University College London.

Em vez disso, os governos confiam em uma estratégia mais voltada à privacidade, adotada com destaque pela Apple e pelo Google. Em abril, as empresas uniram forças para criar uma API, ou interface de programação de aplicativos, que usaria o Bluetooth para permitir que telefones próximos se comuniquem e gravem contatos internamente. As autoridades de saúde pública poderiam usar a API para criar seus próprios aplicativos e, se um usuário mais tarde fosse diagnosticado com o Covid-19, esses pontos de contato Bluetooth poderiam ser usados ​​para avisar os contatos de uma possível exposição. Com esse método, nenhuma autoridade central precisa monitorar a localização ou o histórico de contatos de ninguém, embora exista um banco de dados de números PIN anônimos associados aos usuários que foram infectados.

Na Europa, o único remanescente restante é a França, que afirmou que sua decisão de coletar dados de usuários em um banco de dados central e rejeitar a estrutura defendida pela Apple e pelo Google, é uma questão de “soberania tecnológica”. O vice-presidente da Comissão da UE, Margrethe Vestager, repreendeu a França na terça-feira por manter seu sistema, dificultando a conexão do aplicativo francês com o resto dos sistemas descentralizados do continente.

Os defensores de aplicativos centralizados argumentaram que eles gerarão uma grande quantidade de dados que os epidemiologistas podem usar para rastrear a disseminação do Covid-19. Informações mais detalhadas, incluindo o histórico de localização do GPS e uma lista de todas as pessoas que uma pessoa entrou em contato, podem ajudar os governos a tomar melhores decisões de saúde pública. Os detratores se preocupam em corroer a privacidade e estabelecer precedentes perigosos.

“Vimos ao longo da história que os programas de coleta e vigilância de dados administrados pelo governo quase sempre têm uma missão lenta”, disse Evan Greer, vice-diretor do grupo de privacidade digital Fight for the Future. “Os dados coletados para um propósito podem ser abusados ​​e usados ​​para coisas a que nunca foram destinados”.

Na Coréia do Sul, por exemplo, o governo coleta e publica extensos dados de rastreamento de contatos. Esses dados foram usados ​​para identificar e embaraçar indivíduos que adoeceram e contribuíram para o estigma contra cidadãos LGBTQ quando um surto recente remonta a bares específicos para LGBTQ.

Por outro lado, os governos também têm razões puramente práticas para adotar a estrutura baseada em Bluetooth criada pela Apple e pelo Google. As empresas, que controlam virtualmente todo o mercado de smartphones, dificultaram a criação de um aplicativo que não usa seu sistema. Durante os testes no Reino Unido, o governo afirmou ter descoberto “uma série de desafios técnicos … que não podem ser resolvidos”, levando-o a abandonar sua aplicação.

Além disso, o sentimento do público começou a sair pela culatra em aplicativos de rastreamento de contatos centralizados, forçando os governos a mudar seu foco para recuperar a confiança dos cidadãos. (Quanto vale a pena, os aplicativos descentralizados também têm possíveis preocupações com a privacidade.) “Este aplicativo precisa de muita gente para baixá-lo para funcionar”, disse Tom Chivers, porta-voz do grupo de advocacia ProPrivacy, que monitora o nível de privacidade nos aplicativos de rastreamento de contatos do governo. “Quando é constantemente relatado na mídia que este é um problema de privacidade, as pessoas percebem isso e pensam: ‘Eu não quero fornecer meus dados a essas pessoas. Isso também tem um papel importante”.



Fonte da Matéria

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar