Cidadania

Quem se senta à mesa? — Memorando de quartzo em ação — Quartz

O artigo principal de hoje é de Ciku Kimeria, nosso editor da Quartz Africa baseado em Nairobi, no Quênia. A sua obra de ficção e não-ficção é impulsionada pelo desejo de “contar histórias africanas”.

Na semana passada me deparei com um artigo muito interessante no The Conversation: Embora muito tenha sido escrito sobre Ruanda nas principais revistas acadêmicas, especialmente sobre o genocídio de 1994, menos de 3% dos artigos sobre Ruanda são de ruandês pesquisadores Em outras palavras, os pesquisadores ruandeses nem sequer são considerados especialistas em Ruanda, e não, não é por falta de pesquisadores ruandeses.

O caso dos especialistas desaparecidos em Ruanda é apenas a mais recente iteração de algo que vem acontecendo há muito tempo: a exclusão rotineira de minorias de poder de discussões globais. Atravessa gênero, raça, orientação sexual, religião, etnia e muitas outras camadas. (Me refiro a minorias de poder como negros e pardos, mulheres e outros grupos marginalizados, que não são realmente minorias em número, mas são minorias quando se trata dos corredores do poder).

Essa exclusão rotineira muitas vezes se manifesta em painéis de alto nível onde todos os especialistas são homens (sim, há uma palavra para isso, manels) ou onde há apenas uma pessoa de cor ou uma mulher. Esse tipo de preconceito está sendo cada vez mais relatado. Algumas figuras públicas expressaram rejeição a palestras que não incluem uma ampla gama de palestrantes.

No Dia da África na semana passada, que coincidiu com o segundo aniversário do horrível assassinato de George Floyd, encontrei-me em um painel africano discutindo como a África pode moldar a agenda global. Neste espaço seguro, uma das principais questões discutidas foi o quão difícil é para os africanos serem incluídos nas discussões globais de alto nível, incluindo aquelas relacionadas à África.

Uzoamaka Madu, o anfitrião da discussão, é um especialista em comunicação da Nigéria que está tomando medidas concretas para mudar isso. Depois de passar anos na Bélgica, onde muitas vezes era a única palestrante africana em conversas sobre a África, ela decidiu que precisava fazer algo para mudar o status quo. Para aqueles que afirmam que é muito difícil encontrar especialistas africanos, ela está criando um banco de dados de especialistas africanos.

Madu recentemente convocou especialistas africanos em diversos setores para criar perfis no que se tornará um “banco de dados on-line abrangente e pesquisável de ‘Especialistas na África’ que podem falar sobre saúde, agricultura, economia e comércio para facilitar o acesso a conhecimentos africanos para instituições internacionais, mídia e think tanks”. Atualmente, está aberto para inscrições e, a partir de setembro, qualquer pessoa poderá procurar especialistas no site.

Em 2035, a África será o continente com o maior número de pessoas entrando na força de trabalho global. É importante que as vozes africanas entrem no discurso global, não apenas no que se refere ao continente, mas também além. Além disso, os especialistas africanos devem ser vistos como especialistas em todos os tipos de campos, não rotulados para opinar apenas sobre africano problemas. Você nunca verá um importante microbiologista do Canadá ou da Alemanha que seja descrito como um especialista em microbiologia na América do Norte ou na Europa, por exemplo.

É claro que aumentar a diversidade no discurso global é apenas parte do desafio. A parte mais difícil é garantir que, uma vez que as pessoas estejam na sala, elas sejam tratadas como iguais.

Considere quando a AP cortou a ativista climática de Uganda Vanessa Nakate de uma foto que incluía Greta Thunberg e outros. Nakate, agora com 25 anos, está finalmente sendo reconhecido como líder mundial ao falar em fóruns como COP26 e Davos, e é reconhecido nas listas de influenciadores do Time e do Financial Times.

Há também o fardo inegável que isso coloca sobre aqueles que chegam ao topo: uma vez nos corredores do poder, muitos podem sentir o peso de representar um continente ou raça inteira. Isso é algo que as maiorias do poder que têm o privilégio de serem vistas como indivíduos não sentem.

A próxima vez que você falar em um painel ou procurar um especialista, pergunte a si mesmo quem foi deixado de fora e o que posso fazer em minha posição de poder para garantir que essas vozes sejam ouvidas? —Ciku Kimeria, editor da Quartz Africa

Cinco coisas que aprendemos esta semana

💌 Você pode arrastar um funcionário para o escritório, mas não pode fazê-lo amar. Escritórios não são necessários e certamente não fazem as pessoas se sentirem livres.

🪑 Os ativistas climáticos estão chegando para ocupar assentos no conselho. Frustrados com a falta de progresso em responsabilizar as grandes empresas por questões climáticas (pense em bancos e gigantes de combustíveis fósseis), os acionistas ativistas estão tentando destituir membros individuais do conselho.

🪃 Os idosos estão voltando ao trabalho como um bumerangue. A taxa de participação na força de trabalho entre pessoas de 55 a 64 anos está agora de volta aos níveis pré-pandemia.

🕠 As pessoas estão trabalhando menos, globalmente. A mudança, que está sendo impulsionada pela China, está apagando a recuperação do mercado de trabalho pós-pandemia.

🐴 Tem resposta melhor do que ‘eu te ligo quando voltar’. Cavalos islandeses trotarão por um teclado gigante para responder aos e-mails que você recebe durante suas férias.

Conteúdo Patrocinado ADP

Embora os negócios hoje sejam mais imprevisíveis do que ontem, as possibilidades de sucesso são infinitas. Na ADP, transformamos a imprevisibilidade em vantagem usando insights orientados por dados para projetar soluções de RH que ajudam empresas de todos os tamanhos a trabalhar de forma mais inteligente, para que possam pensar no futuro hoje e encontrar ainda mais. Sucesso amanhã. Saiba mais em Por que ADP.

Interlúdio de obsessão de quartzo

💸 Está tudo no ar! Se você pagou quase tudo nos últimos seis meses, deve ter notado algumas mudanças. Os preços da carne aumentaram. Os preços das frutas aumentaram. Os preços da eletricidade estão subindo. Os preços dos móveis subiram. Os preços dos carros subiram. O aluguel subiu. O gás está em alta. Tudo está em alta! Mas descobrir por que a inflação acontece é mais difícil do que você pensa. 🎧 Saiba mais no episódio desta semana do podcast Quartz Obsession.

Ouço: Podcasts da Apple | Spotify | Google | agrafador

Conteúdo Patrocinado ADP

Embora os negócios hoje sejam mais imprevisíveis do que ontem, as possibilidades de sucesso são infinitas. Na ADP, transformamos a imprevisibilidade em vantagem usando insights orientados por dados para projetar soluções de RH que ajudam empresas de todos os tamanhos a trabalhar de forma mais inteligente, para que possam pensar no futuro hoje e encontrar ainda mais. Sucesso amanhã. Saiba mais em Por que ADP.

Estudo de caso de 30 segundos

Parece que não há como voltar atrás: ex-funcionários de escritório das 9 às 5 passaram a apreciar a liberdade sobre seus próprios horários.

Mas há um lado sombrio na vantagem moderna, de acordo com um estudo recente de Kaitlin Woolley, professora associada de marketing da Johnson Graduate School of Management da Cornell University, e Laura Giurge, pesquisadora associada em comportamento organizacional na London Business School. Em uma série de experimentos envolvendo mais de 2.000 trabalhadores e estudantes, a dupla descobriu que “trabalhar em horários fora do padrão, como fins de semana ou feriados, reduzia significativamente a motivação intrínseca das pessoas, tornando o trabalho menos motivador e agradável”, escrevem no Harvard Business Análise.

Mesmo depois de dois anos de hiato, as pessoas não conseguem se livrar de convenções arraigadas quando se trata de como usar o tempo. “Apesar da crescente aceitação de horários de trabalho não tradicionais, a sociedade continua a ter normas claras definindo quando é e não é apropriado trabalhar”, escrevem os autores. Não ajuda que as escolas estejam fechadas nos fins de semana, e os aplicativos de calendário e o Google Doodles o lembrarão quando for feriado, mesmo que você prefira esquecê-lo.

Felizmente, os pesquisadores também testaram intervenções para tornar as horas de trabalho fora do padrão mais toleráveis. Em um experimento, eles pediram a três grupos separados de participantes que imaginassem que teriam que trabalhar no próximo fim de semana. O primeiro grupo também foi convidado a pensar em todas as coisas que normalmente fariam durante seu tempo livre. O segundo foi orientado a relembrar as vantagens de trabalhar em horário flexível. Uma terceira coorte não recebeu nenhuma instrução sobre como enquadrar sua mudança imaginária auto-imposta.

“O foco nos benefícios dos finais de semana de trabalho ajudou os funcionários do segundo grupo a normalizar o trabalho durante esse horário de trabalho fora do padrão e, como resultado, esse grupo relatou que, em média, estariam 23% mais interessados ​​e comprometidos com seu trabalho. do que os outros dois grupos”, escrevem os autores do estudo.

Comida para levar: A estratégia de reformulação proposta por esses pesquisadores pode parecer simples e óbvia, mas isso não significa que seja intuitiva. Vale a pena tentar da próxima vez que você se deparar com um laptop de férias enquanto seus amigos mais próximos estão almoçando sem você.

Os gerentes que brincam com semanas de trabalho de quatro dias e arranjos semelhantes também podem considerar a criação de turnos de fim de semana, dizem Woolley e Giurge, para que as pessoas que trabalham aos sábados ou domingos não sintam a perda de tempo coletivo. sozinho

Os pesquisadores também sugerem experimentar outros ajustes ambientais e psicológicos para reformular sua situação, “personalizando sua exibição de calendário” ou “instalando um aplicativo para notificá-lo quando for hora de trabalhar”. Faça o que for preciso, em outras palavras, para preservar sua motivação. S sua autonomia.

No final das contas, empresas e indivíduos devem ter a intenção de construir novos hábitos mentaistambém.

Você recebeu a nota!

O Memorando de hoje foi escrito por Ciku Kimeria, Cassie Werber e Lila MacLellan e editado por Francesca Donner. Você pode entrar em contato com a equipe Quartz at Work em [email protected]

Alguém encaminhou este e-mail para você? Inscreva-se aqui para futuras parcelas. Aproveite ao máximo o Quartz baixando nosso aplicativo e tornando-se um membro.

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo